Stock Car – Comentários de sexta-feira – Velopark 2017

sexta-feira, 21 de abril de 2017 às 19:07
Júlio Campos

Júlio Campos

Júlio Campos, 4º colocado: À exceção do qualifying em Goiânia, nunca andei abaixo de quinto. Eu vinha numa volta muito boa. Não sei se daria P1, mas certamente o tempo melhoraria. Não é fácil encaixar todas as melhores parciais na mesma volta. Hoje, por exemplo, cada um dos meus trechos mais rápidos foi conseguido em voltas diferentes. Mas meus pneus eram dos mais gastos na comparação com o pessoal que andou na frente.

Lucas Foresti, 7º colocado: O carro está ótimo. De ajustes só precisamos dar uma arrumadinha na parte dianteira visando o segundo setor do circuito (a pista é dividida em três trechos de cronometragem). Tirando isso, no geral, o carro está ótimo. O entrosamento está bem melhor e conseguimos mostrar isso hoje com o trabalho em conjunto e o resultado na tabela. Agora temos mais um treino importante antes da tomada de tempos e precisamos agora evoluir em cima desse ajuste para chegarmos na tomada de tempos em boas condições.

Gabriel Casagrande, 8º colocado: Foi um dia bom e proveitoso. Começamos o treino num ritmo bom e demos uma boa melhorada na parte final. O trabalho da equipe foi bem feito e estamos no caminho certo, diferente de como foi em Goiânia. Temos tudo para ficar entre os dez primeiros. Essa na real é a nossa meta, pois queremos fugir das confusões da primeira curva. A gente tem carro pra isso e é bem possível atingir, para isso precisa a equipe fazer o trabalho dela e eu apresentar um ritmo 100% na corrida. A pista vem sendo pouco usada, então não estava emborrachada o suficiente para ensaboar. Alguns carros reagem a isso Mudei de equipe e não enfrentei ainda essa situação e espero que meu carro reaja positivamente. Se não chover temos um carro bem acertado, se chover eu gosto dessas condições então que venha o clima! A gente garante!

Cacá Bueno, 9º colocado: Ainda estamos longe de falar em pole position, mas já demos um salto de evolução após a etapa de Goiânia. O carrou melhorou, principalmente com os pneus velhos. Cheguei a liderar um pouco o treino, fiquei boa parte entre os três primeiros e no final eu tomei a decisão de não usar pneu zero (novo). Essa diferença de dois décimos para o primeiro é real, mas eu acho que para eu ter terminado em nono é porque muita gente usou pneus novos. Acredito que nossa posição real é de brigar pelo top-5 no classificatório. Nosso grande foco ainda é tentar melhorar o rendimento do carro com pneus novos para esse sábado.

Átila Abreu, 10º colocado: Foi um dia bem produtivo. A gente esperava uma condição diferente de pista, de acerto e tudo, os carro não estão com o acerto ideal ainda. A gente está perto, a dois décimos com o Átila e três décimos e meio com o Zonta, mas aqui é muito embolado, é muito no detalhe. A gente percebeu que tem o que melhorar para amanhã, mas vamos caprichar agora para acertar e colocar o dedo no lugar certo para funcionar. A perspectiva é de melhorar um pouco e vai ser bem difícil e apertado.

Marcos Gomes, 11º colocado: Foram dois décimos e meio de diferença para o primeiro colocado e temos uma boa expectativa de lutar pelo top-5 amanhã no classificatório. Nós tínhamos somente pneus usados para usar hoje e acredito que vamos melhorar nesse sábado com os pneus novos. Vamos trabalhar também no acerto do carro, principalmente com os dados da telemetria. O Velopark é uma pista desgastante fisicamente, mas eu e a equipe nos preparamos bem para isso e não vai ser um problema para as corridas.

Diego Nunes, 12º colocado: Começamos bem e estamos animados. Sabemos que ainda temos muito trabalho pela frente para poder largar entre os oito primeiros. Temos uma meta a cumprir e espero que amanhã o resultado venha mais perto dos ponteiros e que a gente consiga uma boa posição de largada, o que é muito importante nessa pista.

Felipe Lapenna, 13º colocado: Hoje foi um dia bem legal. Fizemos vários testes no carro e bastante coisa funcionou. Ainda precisamos melhorar um pouco para chegarmos ao nosso objetivo que entrar no Q2 na classificação. Vamos continuar o trabalho amanhã, mas foi um bom começo, onde espero ficar entre os quinze na tomada de tempo.

Ricardo Zonta, 14º colocado: Foi bom, é uma pista gostosa e divertida de andar e ao mesmo tempo com voltas bem rápidas. Tem algumas particularidades que a gente tem de encontrar para andar bem aqui. A gente esteve no pelotão intermediário na maior parte do treino, um pouco melhor no começo, e voltamos a melhorar no fim. Ainda tem alguns detalhes para melhorar no carro para pular ao pelotão da frente. Aqui os tempos são muito próximos, tomei apenas dois décimos do primeiro, é pouca coisa se vermos a posição em que eu fiquei, mas aqui pela volta ser curta, é normal essa diferença entre os carros. A gente vai ter que trabalhar um pouco mais, ver o que o (Ricardo) Zonta desenvolveu, para a gente achar alguma coisa no carro e pular para onde a gente precisa. Falta pouco!

Antonio Pizzonia, 15º colocado: Os tempos estão muito próximos, mas aqui é sempre muito apertado. Eu poderia ter colocado um jogo novo, como muita gente fez, mas na hora de tomar essa decisão eu só não subi de P3 para P1 porque cometi um erro. Decidimos, então, deixar o jogo 0K para os treinos de amanhã cedo ou até mesmo para a próxima etapa, já que Santa Cruz é um circuito mais longo e exige mais dos pneus.

Felipe Fraga, 21º colocado: A última bandeira vermelha acabou atrapalhando porque ela veio bem no momento em que nós fomos colocar os pneus novos para fazer as voltas finais. Temos bastante trabalho para fazer e vamos melhorar para amanhã. Eu praticamente não andei com o pneu novo, então vamos tentar ficar mais tempo na pista no treino deste sábado cedo.

Betinho Valério, 25º colocado: O treino de hoje foi bem legal se levarmos em conta que ainda estou conhecendo tanto a pista quanto o carro. Embora não saibamos que tipo de pneus as demais equipes usaram, temos como referência os tempos obtidos pelos outros pilotos do nosso time – e o resultado foi bom para este início de trabalho. Com certeza, vamos melhorar ainda mais a cada vez que formos com o carro da Hero para a pista. Esse traçado é realmente bem técnico e tem como uma das características principais a de não aceitar erros por parte do piloto. Não há muitas áreas de escape. Então, qualquer vacilo pode custar caro. Além disso, é um traçado compacto, fazendo o piloto andar no limite e com muito cuidado o tempo todo. A reta principal poderia ser um pouco mais longa, para desenvolvermos mais velocidade, mas mesmo assim eu gostei bastante do traçado. Acho que aqui teremos uma corrida baseada na paciência. A estratégia vai pesar mais do que o arrojo do piloto. Às vezes pode ser necessário segurar um pouco o ímpeto e estudar bem como passar o adversário. É um traçado que induz ao erro e se o adversário vacilar, temos que estar ligados para aproveitar a oportunidade.

Denis Navarro, 27º colocado: A pista do Velopark não dá muito refresco para os pilotos, as retas são curtas e as freadas de baixa velocidade, então por isso saímos desgastados do carro. Esse desafio é igual pra todos ali dentro do carro e o segredo é se hidratar bastante. Nós estamos tentando achar o acerto ideal para a pista e por isso demos mais de 40 voltas hoje. Ainda temos mais um treino amanhã cedo antes do classificatório e vamos continuar melhorando e trabalhando bastante.

EB - www.autoracing.com.br

Tags
, , , , , , , ,

ATENÇÃO: Comentários com textos ininteligíveis ou que faltem com respeito ao usuário não serão aprovados pelo moderador.