Stock Car – Expectativas para a etapa de Londrina 2017

sexta-feira, 8 de setembro de 2017 às 14:00
Antonio Pizzonia

Antonio Pizzonia

Allam Khodair: Estou bastante confiante no empenho demonstrado pelo Maurício Ferreira [chefe de equipe da Full Time Texaco] e os mecânicos neste período e acredito que vamos conseguir demonstrar nossa evolução neste final de semana.

Antonio Pizzonia: Marquei mais pontos no Velo Cittá que em todas as corridas anteriores.

Átila Abreu: Londrina é uma pista bem técnica, de difíceis ultrapassagens, e a tomada de tempo é muito importante. O botão de ultrapassagem pode ajudar a ganhar ou defender uma posição, ou até aumentar a vantagem sobre algum adversário, então é muito importante conseguir os votos do Fan Push, do pessoal que está torcendo por nós. Precisamos de um carro muito bom para a classificação, como no Velo Città, e a pista até se parece com a de lá, é mais de baixa velocidade, com uma reta não tão grande. Nosso grande desafio em termos de acerto é saber se a base que usamos no Velo Città, que é diferente do restante do ano, vai servir nessa e em outras pistas. No Velo Città consertamos a questão da classificação e precisamos de um carro mais constante para largar mais vezes no pelotão da frente. Vai ser um fim de semana decisivo para as nossas chances de brigar pelo título, vamos trabalhar bastante para estar no pódio. No ano passado conseguimos um dos nossos melhores resultados em Londrina, é uma pista com a qual me identifico bastante. A cidade em si me dá ótimas lembranças pois conquistei o meu primeiro título brasileiro de kart. O kartódromo fica encostado ao autódromo e vou até mesmo dar uma passadinha lá para relembrar, tenho muito apreço pela cidade.

Bia Figueiredo: É sempre um prazer voltar a Londrina. Estou muito confiante para essa etapa, adoro o público do Paraná, e estou morrendo de saudades de acelerar meu AMPM FullTime Academy.

Cacá Bueno: A pista de Londrina é bastante especial e costumo conseguir bons resultados nela. As minhas vitórias foram em 2002, 2006, 2011 e 2012, épocas diferentes da minha carreira, mas todas muito importantes. O traçado possui a maioria das curvas de baixa velocidade e tem poucos pontos de ultrapassagem, por isso é importante começar bem nos treinos para brigar pela pole position e consequentemente pela vitória no domingo e assim seguir descontando diferença para o líder e brigar pelo título.

Denis Navarro: Até essa sexta-feira serão 32 dias sem entrar no carro da Stock Car, já que a última vez em que competimos foi no dia 6 de agosto em Mogi Guaçu. Eu procurei manter a forma física indo na academia, realizei outros esportes, além de ter feito vários testes no simulador para essa corrida. Londrina é uma pista onde eu tive um sétimo lugar no passado e gostaria de voltar a andar entre os primeiros neste domingo. A principal dificuldade desse ano será por ter que largar de último na primeira prova. Por conta disso, nós iremos focar nosso acerto do carro para o ritmo de corrida desde o primeiro treino livre na sexta-feira. Será algo bem diferente para nós, mas espero que tudo seja compensado no domingo com dois bons resultados.

Diego Nunes: A gente mudou bastante coisa no carro, Londrina é uma pista que eu gosto, temos um acerto bom, tanto da parte da Full Time que andou bem no ano passado, quanto da minha, então, a gente tem uma base boa. Nosso objetivo é andar entre os seis primeiros e brigar pelo primeiro pódio do ano, e dar uma revertida nessa situação, acho que temos condições e vamos dar uma bela caminhada pra frente. Foi feito muito trabalho nesse último mês, onde a Stock Car estava parada e acho que teremos resultado positivo.

Felipe Fraga: A equipe vem crescendo na hora certa e tem demonstrado força para lutar novamente pelo título nesse ano. As vitórias foram importantes nas últimas duas etapas, mas nosso foco maior agora é diminuir a distância para o líder, sempre pensando corrida a corrida. Londrina é uma pista que eu conheci no ano passado e logo me dei bem na estreia com uma vitória muito difícil pelos adversários que precisei ultrapassar. Ainda são 280 pontos que estão em jogo nessas últimas cinco etapas, então tem bastante coisa pela frente. O mais importante foi a resposta que o nosso carro deu nas últimas etapas após um início de temporada complicado, onde tínhamos bons desempenhos, mas os resultados não estavam vindo. Vamos tentar prolongar esse bom momento ao máximo e sair de Londrina ainda mais perto da liderança.

Felipe Lapenna: Classifiquei bem nas duas últimas etapas, mas nas corridas acabei tendo problemas, então espero que o final de semana dessa vez seja completo. Gosto muito de Londrina acho um circuito de curvas desafiadoras com subidas e descidas, com um asfalto bem áspero que vai tornar a corrida bem interessantes.

Gabriel Casagrande: O Grêmio e eu temos a mesma tática: ir para cima e tirar o máximo de pontos possível dos líderes. Eu não tenho Renato Gaúcho, mas tenho Mauro Vogel e aqui na Stock isso faz diferença. Não é todo piloto que tem a chance de correr tantas vezes em seu Estado e pretendo capitalizar isso o máximo possível. Esse intervalo de um mês não vai conseguir esfriar o nosso ímpeto – intensifiquei meus treinos de pista e simulador para chegar em Londrina tão afiado quanto estava no Velocittà.

Guga Lima: No ano passado, até estive perto de um pódio na segunda corrida, mas acabei levando um toque que me prejudicou. Mas eu estava bem rápido e é uma pista que eu gosto bastante, apesar de ser um pouco curta. Ela tem curvas de alta e outras bem travadas, então é um circuito bem seletivo, legal. É estreito, de difícil ultrapassagem, mas acho que com a evolução que tivemos no carro na última corrida a gente vai conseguir brigar por um bom resultado lá.

Guilherme Salas: Desde Curvelo, o carro vem mostrando um bom progresso, mas ainda não consegui um grande resultado, porquê as classificações não foram boas. Espero que isso mude neste final de semana. Preciso fazer um treino de classificação muito forte, para ficar entre os 15 primeiros no grid e, consequentemente, conquistar bons pontos para o campeonato.

Julio Campos: A equipe está com o astral bom, estamos todos unidos, estamos fazendo o nosso máximo e colhendo bons frutos. Gosto muito de Londrina e quero buscar o topo da tabela de classificação, onde hoje ocupo a 11ª posição. Vamos lá com o objetivo de sair entre os primeiros, cada vez melhor. Ainda faltam cinco etapas para o fim do campeonato e cada bom resultado será essencial para as etapas finais da competição.

Marcos Gomes: Espero que a pole position possa vir agora em Londrina. Ela acabou escapando por pouco na última etapa, mas o mais importante é que o carro continue rápido. A equipe vem em uma grande evolução com pódios nas últimas três etapas (Curitiba, Curvelo e Velo Citta), então estamos confiantes para que venha um bom resultado neste final de semana.

Rafael Suzuki: Minha expectativa é continuar com a performance que estamos tendo nas últimas corridas, principalmente, no qualifyng, onde vamos buscar largar entre os 10 primeiros e tentar encaixar um bom resultado, tentando emplacar a melhor estratégia. As duas grandes retas uma indo e outra voltando, ao contrário de muitos autódromos, que só possuem uma, são uma alternativa a mais para o uso do botão de ultrapassagem. Apesar de eu achar, que será também muito importante classificar na frente.

Ricardo Zonta: Londrina é uma pista que exige bastante fisicamente e do carro, com subidas e descidas, várias curvas em que é preciso pular na zebra. É uma pista estreita, que dificulta as ultrapassagens, principalmente na reta dos boxes, que o fim dela já começa a fazer uma curva, o que dificulta alguma manobra mesmo com o botão de ultrapassagem. Meus resultados sempre foram positivos em Londrina, é claro que quando se larga muito atrás é mais complicado. A largada, feita na reta oposta, é muito difícil porque as primeiras três curvas são para a esquerda, então quem fica do lado de fora acaba perdendo bastante e sempre há batidas na entrada no box, a última dessas três curvas para a esquerda. O carro precisa de muita tração para ganhar velocidade na reta. Espero que o público venha bastante na corrida, pois é feriado, e é a última etapa no Paraná, e aproveito para pedir meu foto aos fãs para o Fan Push!

Sérgio Jimenez: No ano passado, fiquei em quinto na primeira prova em Londrina, disputei o pódio, então foi um resultado muito bom. Na segunda corrida, eu era muito rápido, mesmo com pneus desgastados, mas acabei levando um toque que me jogou para trás. Também tive de largar dos boxes, porque a nossa luz de freio estava com problemas e mesmo assim pontuamos nessa corrida também. Espero repetir um bom trabalho em Londrina. É uma pista onde eu sempre andei bem. Na época da Fórmula Renault, consegui dois pódios lá. Então, vamos tentar continuar essa boa recuperação que começamos no Velo Città, buscar mais pontos e por que não mais um pódio este ano.

Tuka Rocha: Foi muito difícil ficar de fora das primeiras etapas, mas essa volta foi excelente. Ano passado, conquistei um pódio em Curvelo, hoje sou piloto da RCM Competições do pentacampeão Meinha e tenho ótimos patrocinadores como a Híbridos.Club, a HMedic, a New York Yankees Eyewear e The North Face. Cada vez mais busco trabalhar para que possamos crescer dentro da pista e fora dela, com a Stock Car sendo uma excelente ferramenta de relacionamento.

EB - www.autoracing.com.br

Tags
, , , , , , ,

ATENÇÃO: Comentários com textos ininteligíveis ou que faltem com respeito ao usuário não serão aprovados pelo moderador.