Stock Car – Comentários de domingo – Interlagos 2020

domingo, 13 de dezembro de 2020 às 15:55

Ricardo Zonta

Ricardo Zonta, P2: Trabalhamos o fim de semana inteiro, principalmente para a corrida, fazendo um carro para a corrida. Sabíamos que tínhamos um potencial brilhante para a corrida. No Sol eu já coloquei do lado do #30, já tinha preferência da curva seguinte, e ele me jogou na grama. A sujeira de toda a grama veio no meu radiador e na ventilação nos freios, e a corrida inteira comecei a ter problema com o pedal do freio, não tinha mais eficiência nenhuma, uma pena. Tínhamos carro para brigar com o Ricardo Maurício, e era outro papo, quem ganhasse era campeão. Era o nosso objetivo, uma pena. Estou muito feliz por um lado, porque chegamos com boas chances de ser campeão. Analisando a temporada inteira, foi a primeira vez que cheguei com chances de ser campeão. Todo o ano estávamos carregando lastro de sucesso, com chance de andar entre os quatro primeiros todo o campeonato. Então, hoje sei que cometi erros, deixei de ganhar alguns pontos, como Curitiba, onde poderia ter levado dez pontos a mais, teve a batida de Goiânia, poderia ter chegado aqui com 15 pontos a mais. São coisas que, mesmo com a experiência que tenho, tudo, é uma categoria que você tem de cuidar. Os pontos são muito preciosos. Chego feliz e sei que no ano que vem vou estar muito mais bem preparado para disputar o campeonato, isso que é importante.

Nelson Piquet Jr., P3: Foi uma corrida muito acirrada. Largamos em quinto, terminamos em terceiro e fiquei muito feliz com o resultado. Na disputa de uma corrida única, foi um de nossos melhores finais de semana, o carro estava muito competitivo. Chegamos ao fim deste ciclo de três anos com este carro maravilhoso da Texaco. Queria agradecer muito aos patrocinadores e aos mecânicos que deram o sangue nos últimos anos. Aprendi muito neste período.

Cesar Ramos, P5: Para a minha carreira, foi um ano extraordinário. Poles, pódios, briga por vitórias e pelo título. Se no início do ano me perguntassem se eu acreditaria que estaria aqui hoje, talvez eu mesmo poderia duvidar. Só tenho a agradecer à confiança e ao trabalho de toda a equipe, da Ipiranga, do Andreas e de todos que de alguma forma me ajudaram. Foi uma prova movimentada do início ao fim e, a exemplo da etapa de agosto, andamos muito bem. Mal posso esperar pelo que 2021 nos reserva.

Galid Osman, P6: Foi positivo, não só o resultado de hoje, fizemos um fim de semana inteiro bem veloz. Mostramos a nossa velocidade, a equipe merecia muito essa despedida, um bom resultado. Faltou largar um pouquinho mais à frente para conseguir disputar ali o pódio. Mas mesmo assim estou muito feliz com o nosso ritmo e o fim de temporada.

Bruno Baptista, P7: Eu já sabia que não seria fácil chegar entre os 10 primeiros, mas corri com a determinação de sempre e, felizmente, fui muito feliz em praticamente todas as minhas ações de ultrapassagens. Decidi com a equipe RCM também ser um dos últimos a fazer a troca de um pneu e cheguei até a liderar a prova, quando estava ocupando praticamente o 11º lugar, no momento que os demais pilotos começaram a entrar no box. Retornei em 10º, após excelente trabalho da equipe e ainda passei mais dois concorrentes nas duas últimas voltas. O que importa é que fiz mais uma boa corrida de ritmo veloz. Todos sabem que meus pulmões ficaram muito comprometidos e eu fiquei quase três meses para me recuperar fisicamente. Recebi apoio de muitas pessoas, dos meus patrocinadores e dos integrantes do team RCM. Quero agora agradecer a todos eles e a própria equipe médica do hospital Albert Einstein, que salvou a minha vida. Foram os responsáveis, sem dúvida, do meu melhor momento neste difícil ano de 2020, quando venci a principal corrida da etapa de Cascavel e onde também obtive a minha primeira pole-position na principal categoria do automobilismo brasileiro.

Gaetano di Mauro, P9: Estou contente com o fim de temporada. A minha vinda para a KTF foi muito boa, estamos nos entrosando e pude mostrar um pouco mais do que eu tinha de potencial para o fim do ano. Estou contente com tudo o que aconteceu, trabalhamos muito duro para tudo isso, e colhemos um pouco da nossa recompensa. Agora é focar nas coisas para o ano que vem, consolidar e disputar o campeonato.

Rafael Suzuki, P11: Foi um domingo forte. Larguei em 18º, caí para além de vigésimo e vim passando um a um. Cheguei em 11º, depois de um pit stop muito bom. O carro estava muito bom. Então, foi bom ter terminado por cima. Claro que a gente queria muito mais que um 11º, mas acho que a temporada foi positiva de uma forma geral. Tivemos alguns altos e baixos, mas também a minha primeira vitória na Stock Car e resultados muito bons. Estou feliz, porque acabamos o ano andando rápido.

Átila Abreu, P13: Foi uma prova sem muitas emoções, vindo lá de trás. Não tinha um ritmo bom, tampouco consegui avançar. A corrida em si foi equilibrada, sem muita estratégia de pit, teve pouca movimentação. Tentei fazer um pouco diferente dos outros na parada, mas resultou na mesma coisa. Tentei um acerto diferente no grid, um tudo ou nada para ver o que aconteceria. Até que teve uma reação interessante, eu era lento no começo e rápido no fim. Se tivesse mais 20 minutos de corrida, teria ficado interessante para mim. Não foi um ano perto do que eu imaginava, mas estou feliz com o que se desenha para 2021, com muito trabalho. O que posso tirar de 2020 são as lições.

Cacá Bueno, P15: Ainda temos que definir muita coisa do futuro em 2021, mas na corrida em si o carro era ótimo hoje. Eu cravei a volta mais rápida da prova e acredito que sempre fui um dos mais rápidos em ritmo na prova, mas não serve nada depois de levar uma batida na primeira curva. Temos muita coisa para evoluir e melhorar, olhar para trás e aprender. Temos que assumir os erros e entender que não foi só falta de sorte para voltarmos a evoluir. A crise é um bom momento para crescer, entender os erros e fazer as coisas melhores. Temos que conversar muito essas duas próximas semanas e tomara que eu tenha notícias positivas do meu futuro na categoria. Eu agradeço ao esforço da equipe, mecânicos, organização, patrocinadores e é por esses apoiadores que temos que buscar fazer um 2021 muito melhor e retribuir todo o carinho que nos depositaram em 2020. Vou conversar com a equipe e nossos parceiros na sequência. O rendimento da corrida hoje foi ótimo, mas o ano foi inaceitável e de fato acabou. Amanhã começa a temporada 2021, ainda não tenho confirmações e espero ter nos próximos dias.

Rubens Barrichello, P16: Chegamos ao final do campeonato. Um campeonato que não terminou da forma como nós queríamos, que era ser campeão, mas de qualquer forma é uma somatória de tudo. Foi um ano atípico, um ano de muitos altos e baixos, de muito mais altos que baixos, mas a gente não teve a performance que a gente queria ter. Ganhamos lá no começo, mas depois foi meio que se defendendo pra chegar onde a gente chegou. Mas cheguei a mais uma final, lutando pelo campeonato, o que me deixa muito feliz aos 48 anos de idade. Na corrida de hoje, tomei uma punição correta pela batida com o Marcos Gomes. Mas isso não tira o brilho de um campeonato onde mais uma vez brigamos, com esses meninos maravilhosos da equipe, que trabalham duramente. Mas também peço a análise, porque a CBA (Confederação Brasileira de Automobilismo) corretamente puniu aquilo que viu na televisão, só que o carro #80 havia queimado a largada e vem fazendo isso há algum tempo. Deixa um espaço e depois vem acelerando. O espaço do carro número #5 existia ali, só que ele acelerou muito antes, ele passa a 20 km por hora a mais. Ou seja, não deveria estar ali no momento que existiu a batida. De qualquer forma, a punição foi correta, porque a batida por trás está sempre errado quem está ali. Vamos voltar cada vez mais fortes. 2021 está ai e a Stock Car vem com tudo.

Pedro Cardoso, P17: Foi um ano de muito aprendizado para mim. Tive a sorte de estar numa boa equipe, junto a um grupo de pessoas que que tem muita experiência e me ajudou muito durante essa temporada. Isso tudo me deixa muito feliz e eu espero estar aqui novamente no ano que vem para buscar melhores resultados e uma melhor colocação no campeonato. Ter corrida esse ano já foi uma coisa incrível, ninguém esperava que fosse possível entregar o nosso compromisso com os patrocinadores e nós conseguimos fazer isso. Só tenho a agradecer ao Banco BRB por confiar no meu trabalho e também por representar a minha cidade.

Matias Rossi, não terminou: Lamentavelmente, tivemos um problema elétrico e fomos obrigados a abandonar, quando vínhamos numa boa posição. Queria agradecer a toda equipe Full Time, à Toyota Argentina e à Toyota Brasil por essa oportunidade. Foi um ano muito bom para mim, por estar aqui e pude aprender muito. Isso pra mim é o mais importante. Desfrutei muito da Stock Car e espero que o ano que vem seja ainda melhor.

Já ouviu o último Loucos por Automobilismo? Clique na imagem abaixo!

EB - www.autoracing.com.br

Tags
, , ,

ATENÇÃO: Comentários com textos ininteligíveis ou que faltem com respeito ao usuário não serão aprovados pelo moderador.