Stock Car – Comentários de domingo – Goiânia 2015

domingo, 16 de agosto de 2015 às 14:18

Rafa Matos

Rafa Matos, 8º colocado: Estou muito contente com o resultado, principalmente pela posição que largamos. Vamos trabalhar para ser um recomeço na temporada, visando conquistar melhores resultados até o final do ano. Temos uma equipe muito estruturada e um bom carro, por isso temos totais condições de crescer no campeonato.

Diego Nunes, 10º colocado: Estou contente por estar entre os dez melhores na classificação. Esperava um resultado melhor na corrida, mas meu carro perdeu rendimento já na largada. Estava difícil de chegar entre os primeiros e conquistar o pódio. Foi uma pena, pois estávamos muito rápidos aqui nos primeiros treinos. Mas somamos pontos muito importantes. Viemos de um pódio em Curitiba e aqui entramos no Top10, daqui pra frente vamos focar na estratégia para buscar o título desta temporada.

Átila Abreu, 11º colocado: Não era o que esperávamos. Fico até meio envergonhado de correr assim. Mais uma vez não conseguimos ser competitivos, com todo mundo nos passando”, lamentou o vice-campeão de 2014. “Numa pista onde sempre fomos competitivos como Goiânia, é lamentável apresentar o mesmo problema de março, quando o carro destracionava e todo mundo passava eu e o Nelsinho na saída das curvas. Fico decepcionado depois do que fizemos no ano passado. Não adianta ganhar posições na largada e perdê-las na corrida, precisamos mudar algo no ajuste do carro.

Cesar Ramos, 12º colocado: Foi uma corrida boa, trabalhamos bem durante o final de semana, e terminar na décima segunda posição foi importante, principalmente pelos pontos marcados. Além disso, estamos no ritmo, o resultado não foi uma consequência de sorte, foi excelente pra nós. Já aprendemos que temos que largar mais pra frente, porque depois muito dificíl na corrida. Vamos trabalhar mais no carro para classificar bem nas próximas e continuar evoluindo. Quero agradecer a equipe que fez um excelente pit stop, o melhor do ano. Foi um final de semana positivo.

Lucas Foresti, 13º colocado: Tivemos um fim de semana diferente aqui em Goiânia, mas, que demonstra a minha evolução e da equipe. Larguei em minha melhor posição desde que vim para a Stock. Infelizmente, na largada da corrida, eu puxei para a linha de dentro, mas, o piloto que estava logo a minha frente acabou tendo algum problema, ficou um pouco lento, e os carros que vieram pela linha de fora acabaram nos superando. Fora isso, nossos pneus estavam com calibragem mais baixa e acabei perdendo ainda mais terreno nas primeiras voltas. Para piorar, na segunda metade da prova, o carro passou a ficar muito traseiro o que não me permitiu buscar melhores posições. De saldo ficam mais oito pontos na classificação do Campeonato e uma grande experiência de ter largado no primeiro pelotão. Quero agradecer aos meus patrocinadores, familiares e dedicar este fim de semana à minha tia Luce, que faleceu na última sexta-feira.

Julio Campos, 16º colocado: Meu carro estava saindo de frente em curvas de alta desde o início. Além disso, o motor começou a falhar nas duas últimas voltas. Acho que não foi por falta de combustível, mas por alguma outra razão que precisamos investigar, já que no reabastecimento entraram os 25 litros previstos.

Antonio Pizzonia, 17º colocado: Meus freios começaram a travar desde as primeiras voltas. Com isso, eu era obrigado a frear bem antes das curvas. Aí é só fazer as contas e ver o quanto fui perdendo ao longo dos 45 minutos. A gente vem sofrendo com esses freios desde que eles estrearam em Curitiba na prova mais recente. Está na hora da empresa que cuida dessa questão pensar em resolver o problema. Até porque a próxima corrida será na nossa casa em Cascavel, um traçado onde os freios são ainda mais exigidos.

Rafael Suzuki, 19º colocado: Não tivemos um fim de semana como gostaríamos, nosso carro não se mostrou competitivo em momento algum e acabamos brigando por posições intermediárias. Na primeira parte da prova, meu carro era muito nervoso e difícil controlar a traseira, então perdemos tempo. Depois do pit melhorou, mas não era mais possível ultrapassar muitos pilotos. Estamos sofrendo com a falta de velocidade, mas buscando constantemente a solução. Temos uma corrida em Cascavel em 15 dias e vamos correr contra o tempo para sermos competitivos lá. Tenho certeza que a RZ fará o máximo para podermos evoluir bastante nessas 9 corridas que faltam.

Denis Navarro, 21º colocado: Estávamos embalados pela boa prova que fizemos em Curitiba, onde brigamos pela vitória, mas as coisas em Goiânia infelizmente não deram certo. Passamos a maior parte do tempo resolvendo problemas e não conseguimos evoluir o carro. Agora é esquecer o que passou e focar no trabalho para a próxima etapa, em Cascavel.

Fábio Fogaça, 22º colocado: A estratégia de largar dos boxes foi um risco nosso, pois não tínhamos nada a perder. Mas, no final da prova, chegamos à conclusão de que, mesmo que não tivéssemos errado na comunicação, que nos fez perder uns dez segundos pra largar, sair dos boxes não foi a melhor estratégia, porque não deu Safety Car. Mas o importante foi o ritmo que eu tive, que foi muito bom. Dei todas as voltas no meu limite e não cometi erros.

Felipe Lapenna, 26º colocado: Foi uma pena, pois estávamos com um ritmo muito bom. Agora é trabalhar muito para nos recuperarmos no campeonato.

Raphael Abbate, 27º colocado: Fiz uma largada muito boa. O carro estava com o acerto bem legal, infelizmente o Rubinho deu uma escapada na segunda curva, ele foi pra terra e voltou muito rápido. Eu tentei frear, mas acabei dando um toque nele, que nem foi tão forte, mas infelizmente quebrou a presilha do capô e ele veio levantando. O carro vinha perdendo aerodinâmica e chegou uma hora que eu não enxergava mais nada, então tive de parar para trocar o capô. E, depois do reparo, eu voltei no meio do pelotão, perdendo uma volta. Estava deixando o pessoal ultrapassar, mas acabei levando um toque e furou o pneu, desalinhou o carro todo e tive de parar nos boxes novamente. E isso nos deixou fora da disputa de pontos na corrida. Mas a equipe fez um bom trabalho, o carro estava bom e agora vamos pensar em Cascavel e desenvolver uma boa estratégia para termos um ótimo resultado lá.

Allam Khodair, não terminou: Com esse problema sequer pudemos ter a noção exata se nossa estratégia funcionaria. Foi uma pena, porque como eu dizia desde a tomada classificatória, nosso carro tinha um excelente desempenho de corrida. Mas agora é olhar para frente e buscar a recuperação na próxima etapa.

EB - www.autoracing.com.br

Tags
, , , , , , ,

ATENÇÃO: Comentários com textos ininteligíveis ou que faltem com respeito ao usuário não serão aprovados pelo moderador.