F1 – Wolff não quer interferir nas estratégias da Mercedes

sexta-feira, 12 de outubro de 2018 às 10:40

Toto Wolff

Toto Wolff, chefe da Mercedes, diz que sua equipe continua restringindo as comunicações de rádio após incidentes nesta temporada, e ele próprio está tentando ficar fora das discussões estratégicas.

Wolff admitiu depois do GP da Rússia que havia distraído o estrategista chefe James Vowles em um momento crítico, fazendo com que a equipe cometesse o erro de não chamar Lewis Hamilton para os pits na volta posterior à parada do líder Valtteri Bottas.

Isso ajudou Sebastian Vettel a superá-lo, forçando Hamilton a danificar seus pneus enquanto lutava para ultrapassar, o que acabou provocando a controversa decisão de mandar Bottas ceder a vitória em Sochi para seu companheiro de equipe.

Wolff citou um acidente aéreo fatal de militares poloneses na Rússia em 2010 como exemplo do que pode dar errado quando especialistas sofrem interferência de seus chefes.

“Eram dois pilotos de caça extremamente experientes que estavam comandando o avião e eles abortaram duas tentativas de pouso porque a névoa era intensa demais e não havia um sistema de aterrissagem automática no aeroporto”, declarou Wolff.

“Quando eles estavam pensando no que fazer, o chefe da força aérea entrou no cockpit e disse ‘nós vamos pousar’. Ele passou por cima dos dois pilotos porque estava acima na hierarquia. Eles pousaram, cumprindo sua ordem, e mataram pessoas”.

“Portanto, quando nosso avião voa na classificação e na corrida, James é o piloto e tudo o que posso fazer é comentar e lhe passar informações, mas é ele quem decide o que fazer. Ele está no comando naquele momento, apesar de eu estar acima na hierarquia. Porém, não vou interferir. No fim, a decisão é dele”.

Wolff admitiu que sua participação pode ser uma distração, e que durante a classificação em Suzuka, Vowles ordenou “silêncio no rádio”, exceto para ele e Andrew Shovlin, diretor de engenharia de pista, levando Wolff a pensar “acho que ele está se referindo a mim”.

Wolff acrescentou: “Há a sala de suporte de corrida em Brackley que está envolvida, e nós temos todas as pessoas inteligentes lá”.

“Portanto, tenho meu botão especial com James Allison onde nós descarregamos todas as besteiras, só não fazemos isso em cima das pessoas que de fato estão pilotando o avião. A menos que eu esteja 100% convencido de que ele não viu algo, que é quando posso participar, não vou interferir na decisão final”.

Quer concorrer a uma réplica do capacete do Ayrton Senna? Clique AQUI e palpite sobre quem vai vencer o GP dos EUA de Formula 1 no dia 21 deste mês!

 

LS - www.autoracing.com.br

Tags
, , , , , , , , , , , , , ,

ATENÇÃO: Comentários com textos ininteligíveis ou que faltem com respeito ao usuário não serão aprovados pelo moderador.