Stock Car – Comentários de domingo – Corrida do Milhão 2019

Thiago Camilo

Gabriel Casagrande, P2: Fomos bem o fim de semana inteiro, com boa velocidade e por isso agradeço muito todos da equipe Crown Racing pelo ótimo trabalho. Foi um segundo lugar muito comemorado com todos. Nós tivemos uma boa posição de largada, a estratégia deu certo e o carro melhorou muito depois do pit stop. Não levei o Milhão, mas o segundo lugar mostra que estamos muito fortes. Estou muito feliz pela equipe e pelos nossos patrocinadores. A equipe foi perfeita, pit stop foi um dos melhores que já tivemos, a estratégia de pushes deu certo e por tudo isso estou bem contente. O resultado nos ajudou também a subir no campeonato e tenho certeza que faremos uma segunda metade da temporada bem consistente e sempre brigando pelos primeiros lugares. Já chegamos em terceiro, segundo e vamos buscar a vitória. Ainda temos cinco etapas para continuar crescendo e subindo no campeonato.

Thiago Camilo, P4: O Bruno tentou me ultrapassar na abertura da última volta, no Esse do Sena. Me defendi na primeira perna do Esse, na segunda ele cortou caminho por fora da pista e pareceu na minha frente. Tive que frear, e aí o Serrinha, que vinha numa boa distância, se aproximou. O Bruno até viu que tinha errado e devolveu a terceira posição, mas no finzinho o Serrinha deu push e passou nós dois. Na segunda metade da corrida o rendimento do carro caiu e o Casagrande era mais rápido. O terceiro lugar, depois da punição ao Di Grassi, era a melhor posição em que eu poderia chegar. O objetivo era diminuir a diferença para o líder e não foi alcançado.

Felipe Fraga, P6: Foi um resultado positivo depois de largamos em 14º e terminamos em sexto. É difícil largar lá de trás, você acaba perdendo muito tempo no começo da corrida. Faltou um pouco de ritmo classificação, mas foi bom. Estou feliz porque temos um carro que pode ganhar corridas. Então, vamos continuar trabalhando e ver o que vai acontecer nas próximas corridas. O carro já está bom, só falta encaixar.

Nelsinho Piquet, P7: A largada foi Ok. Depois, as duas primeiras curvas não foram tão boas, mas consegui me recuperar ainda na primeira volta e me manter no pelotão. A equipe fez um pit stop excelente e acelerei o máximo que pude. Ainda precisamos trabalhar para melhorar nossa velocidade e espero que possamos evoluir no Velopark.

Gaetano di Mauro, P8: Uma corrida muito boa, uma pena termos largado tão atrás, tínhamos um grande potencial. No começo da prova, fiquei amarrado no trânsito, e isso foi o que me deixou a uma distância maior dos outros. Mas eu avalio a corrida como muito boa, uma boa experiência, aprendi muito. Corri da metade do grid mais para a frente, isso mostra que eu corro limpo, não tenho dificuldades para competir com os pilotos na frente. Certamente será um fim de semana que vou guardar na memória e vou aprender muito.

Ricardo Zonta, P10: A expectativa era grande, mas não tínhamos tantos dados com o pneu usado. Achamos que o balanço do nosso carro seria suficiente para uma constância na corrida, mas tive muito problema de balanço no carro. O carro já saiu dianteiro, daí perdi a traseira nas entradas, então estava um carro difícil de guiar a prova toda. Não tive um carro neutro, era um segundo pior do que a batida dos caras da frente.

Julio Campos, P11: Achamos que o problema na roda traseira não ia atrapalhar e acabou que prejudicou bastante. Não tinha ritmo nenhum no começo, devido à vibração, perdemos muito grip, fomos nos arrastando até parar no pit stop. No pit trocamos o pneu traseiro errado, então perdemos mais ritmo comparado com o pessoal que estava na frente. Mas pelo menos saímos com pontos dessa corrida.

Valdeno Brito, P13: Conseguimos ganhar uns pontos na corrida, mas largar muito atrás me prejudicou. Para o lado que eu abria entrava um carro na minha frente e me segurava. O ritmo do pelotão de trás foi muito lento no começo da corrida. Mas com o ótimo pit stop da equipe consegui recuperar umas posições. Faltou ainda um pouquinho de ritmo, mas para a próxima etapa vamos fazer novas experiências com o carro, para voltar a largar entre os primeiros como já vínhamos fazendo, e tentar a primeira vitória.

Cacá Bueno, P14: Minha corrida foi decidida ontem no Q2. Eu tinha tudo para estar entre 7º e 9º no grid, era o lugar que eu queria estar. Depois de um começo de ano difícil, em Santa Cruz do Sul o ritmo era muito bom, em Campo Grande era excelente. Agora de novo, o ritmo de corrida era muito bom, mas a estratégia deu errado por causa de ontem. Claramente eu tinha um ritmo para chegar entre os cinco primeiros. Infelizmente não deu, então bola para frente e vamos para a próxima.

Átila Abreu, P15: Ficou aquém do esperado, esperava brigar por essa vitória, mas tivemos a quebra do motor no sábado, o que foge do controle. Na corrida, não tivemos um bom ritmo, e chegar em 15º é para ficarmos até felizes. Se o carro estivesse melhor, dava para terminar entre os sete, oito primeiros. Vamos tentar entender o que aconteceu, é uma pena.

Rafael Suzuki, P16: Uma pena isso não ter funcionado, mas escalamos este número de posições largando em penúltimo. Se fosse ali na nossa realidade, entre os 15 melhores, teríamos chegado entre os dez. Tomei umas batidas, perdi um pouco de ritmo, mas depois as coisas se ajeitaram. O pit stop foi excelente e aproveitei muito bem o tempo de pista livre para compensar. A equipe trabalho de maneira excepcional, e apesar da classificação, eu saio daqui contente com o desempenho do carro e do time.

Lucas Foresti, P18: O nosso grande obstáculo nesse final de semana foi o vazamento de óleo que aconteceu no treino classificatório e atrapalhou nossa posição de largada. Sabíamos que a disputa aqui seria muito dura e ela realmente foi. Brigamos por posição e fizemos boas ultrapassagens. A equipe fez um grande trabalho no pit stop e finalizamos na zona de pontuação. O trabalho para a próxima etapa já começa agora.

Marcel Coletta, P22: O óleo na pista na classificação ontem acabou condicionando nosso final de semana, acho que sem isso era possível terminar entre os 15 primeiros. Então, esses problemas nos atrapalharam um pouco. O carro está cada vez melhor e mais rápido, por isso vamos seguir trabalhando para conquistar um top-10 nas próximas etapas.

Pedro Cardoso, P23: O problema com o óleo na pista durante a classificação arruinou a nossa estratégia. Infelizmente não tinha muito o que fazer, mas o nosso ritmo era muito bom e constante. Eu estava andando junto do pelotão, mas quando acionavam o push to pass eu virava presa fácil. Apesar disso, o ritmo do carro estava muito bom, e isso nos deixa confiantes para as próximas etapas, porque estamos evoluindo bem.

Galid Osman, P24: Estávamos fazendo uma boa corrida, não era o melhor ritmo de todos mas certamente estaríamos numa zona boa de pontuação, mas infelizmente tive um furo de pneu que acabou com as nossas chances. Mas, bola para a frente.

Rubens Barrichello, P27: Desde sexta-feira, enfrentamos problema com a bomba de combustível, que vinha falhando. Achamos que tinha melhorado, mas não sabemos ainda por que aconteceu de novo. O carro estava muito bom, mas tivemos um fim de semana condicionado a esta falha e já não tivemos o rendimento perfeito na classificação. Na corrida, quando vinha num ritmo bom, na situação igual a todos, o carro estava rápido e vinha bem confiante nas primeiras voltas. Cheguei muito rápido no grupo da frente. Estava bem otimista mesmo, mas logo o carro começou a falhar. Tentei ficar mais duas voltas e só desisti quando não deu mais mesmo.

EB - www.autoracing.com.br

Tags
, , , , , , , , , , ,

ATENÇÃO: Comentários com textos ininteligíveis ou que faltem com respeito ao usuário não serão aprovados pelo moderador.