Piloto da Semana: GP da Hungria – 29/07/2015

Sebastian Vettel

Nome: Sebastian Vettel. Nascimento: 3 de julho de 1987, em Heppenheim (Alemanha). Equipe: Ferrari (Fórmula 1). Títulos: Campeão no Kartclub Kerpen-Manheim (1998); Campeão no ICA Junior de Kart, no campeonato alemão de kart jr., e no Monaco Kart Cup (2001); Campeão Alemão de Fórmula BMW (2004); Tetracampeão Mundial de F1 (2010, 2011, 2012 e 2013).

Sebastian Vettel, da Ferrari, venceu um GP da Hungria dramático, enquanto Lewis Hamilton e Nico Rosberg, da Mercedes, tiveram sua pior corrida da temporada.

Foi a primeira vitória do alemão em Hungaroring, a segunda na temporada e a 41ª de sua carreira, igualando a marca do tricampeão mundial Ayrton Senna.

Também foi a primeira vez desde o GP do Brasil de 2013, uma sequência de 29 corridas, que nenhum carro da Mercedes subiu ao pódio, com Hamilton em sexto e Rosberg em oitavo.

Hamilton correu o risco de perder a liderança do campeonato, primeiro quando escapou na chicane na primeira volta, depois perdendo tempo quando parou para trocar a asa dianteira e finalmente por cumprir um drive-through após um toque com Daniel Ricciardo (Red Bull).

No entanto, na tentativa de defender o segundo lugar a algumas voltas do final, Rosberg se tocou com Ricciardo na curva 1, sofrendo um furo de pneu e danificando a asa dianteira do australiano.

Rosberg foi forçado a parar e retornou em oitavo, duas posições atrás de Hamilton, que se recuperou bem para aumentar sua vantagem no campeonato para 21 pontos.

Os pilotos da Mercedes largaram mal, permitindo que Vettel e Kimi Raikkonen passassem, com Rosberg caindo para terceiro e Hamilton para quarto.

A Ferrari parecia estar a caminho de sua primeira dobradinha desde o GP da Alemanha de 2010 antes de um problema no MGU-K tirar potência de Raikkonen. A equipe não conseguiu solucioná-lo e ele eventualmente abandonou.

O safety car virtual foi acionado quando Nico Hulkenberg (Force India) sofreu uma falha na asa dianteira, jogando o alemão na barreira de pneus da curva 1. Quando ficou claro que havia muitos destroços na pista, o safety car real entrou.

Daniil Kvyat obteve o segundo lugar, melhor resultado de sua carreira, e se tornou o piloto mais jovem a subir ao pódio desde Vettel na Itália em 2008, tirando proveito da batida entre Ricciardo e Rosberg no final. Ricciardo continuou após o incidente e garantiu um pódio duplo para a Red Bull.

O primeiro contato de Sebastian Vettel com um carro de Fórmula 1 foi em 2005, em um teste com a Williams-BMW. Foi efetivado pela BMW como piloto oficial de testes em meados de 2006, em substituição a Robert Kubica, que assumiu como titular. Ao participar do treino livre no GP da Turquia, Vettel se tornou, aos 19 anos e 53 dias de idade, o piloto mais jovem a participar de um evento de Fórmula 1.

Seguiu na função de piloto reserva em 2007, e teve a chance de participar de uma prova no GP dos Estados Unidos, em substituição ao polonês, que sofreu um forte acidente no GP do Canadá. Fez uma corrida cautelosa, largou em sétimo e chegou na oitava posição, marcando um ponto.

A chance como titular chegou antes do GP da Hungria, quando Scott Speed deixou a Toro Rosso. A equipe italiana, de olho nas habilidades de Vettel, negociou com a BMW e contratou o jovem alemão, não apenas para o final da atual temporada como também para 2008. Após um início cauteloso, Vettel mostrou grande habilidade nas corridas asiáticas: liderou o GP do Japão (Fuji) e estava em terceiro, debaixo de muita chuva, quando bateu em Mark Webber (Red Bull); e na China, largou em 17ª e terminou em quarto, atrás das dominadoras Ferrari e McLaren.

Em 2008, Vettel deu uma guinada em sua carreira e chamou a atenção de todos no “circo” ao vencer de forma incontestável o GP da Itália, em Monza, disputado sob forte chuva. O alemão largou na pole position e liderou de ponta a ponta, superando grandes nomes da categoria e carros muito melhores do que o seu Toro Rosso-Ferrari. Somou 35 pontos no campeonato. Foi também quarto colocado no Brasil, quinto em Mônaco, Bélgica e Cingapura, sexto em Valência e no Japão, oitavo no Canadá e na Alemanha.

Em 2009, pela bem-acertada Red Bull Racing, Vettel comprovou as suas qualidades de grande piloto ao brigar constantemente por vitórias e até pelo título, sendo vice-campeão com 84 pontos. Além da vitória no encerramento da temporada em Abu Dhabi, também faturou as etapas da China, da Inglaterra e do Japão. Foi segundo colocado no Bahrain e na Alemanha, terceiro na Turquia (onde também foi pole) e na Bélgica, quarto na Espanha, em Cingapura e no Brasil, oitavo na Itália.

Em 2010, a consagração máxima. O jovem alemão provou ser o piloto mais rápido do grid, com dez poles em 19 etapas disputadas. No entanto, uma série de azares com quebras e acidentes fizeram com que Vettel vencesse apenas cinco GPs (Malásia, Europa, Japão, Brasil e Abu Dhabi) e entrasse em desvantagem na luta pelo título na última etapa da temporada. Mesmo assim, ele conseguiu.

Em 2011, história foi similar. Mas apenas em seu final, porque o caminho até a conquista foi extremamente fácil, com o bicampeonato sendo selado no Japão com quatro GPs de antecedência. Foram 15 poles em 19 corridas, 11 vitórias (Austrália, Malásia, Turquia, Espanha, Mônaco, Europa, Bélgica, Itália, Cingapura, Coréia e India), quatro segundos (China, Canadá, Hungria e Brasil), um terceiro (Japão) e um quarto lugar (Alemanha). Campanha impecável!

Em 2012, foi mais difícil. Um campeonato equilibrado e com muitos problemas mecânicos, Vettel havia vencido apenas uma das 13 primeiras etapas, no Bahrain. No entanto, a partir de Cingapura, o alemão e a Red Bull foram avassaladores: venceram em Cingapura, Japão, Coréia, Índia e Estados Unidos, mais um terceiro lugar am Abu Dhabi (onde largou dos boxes), e o tricampeonato garantido na última etapa em Interlagos com um sexto lugar em pista molhada!

Em 2013, o caminho voltou a se facilitar, principalmente em sua segunda metade. Em 2013, foram 13 vitórias (Malásia, Bahrain, Canadá, Alemanha, Bélgica, Itália, Cingapura, Coréia, Japão, Índia, Abu Dhabi, Estados Unidos e Brasil) em 19 etapas, nove pole positions, um segundo, dois terceiros e dois quartos lugares, garantindo o tetra com três etapas de antecipação, igualando os feitos de Juan Manuel Fangio e Michael Schumacher, os únicos com quatro títulos consecutivos. Isso aos 26 anos de idade!

Em 2014, Vettel não teve um grande ano, passando em branco na Red Bull, assistindo de camarote ao domínio das Mercedes e vendo seu companheiro Daniel Ricciardo vencer três corridas. Agora, ele realiza um sonho de criança ao acertar com a lendária Ferrari, vencendo já em sua segunda corrida na Malásia, e agora adicionou mais uma conquista à coleção na Hungria. O alemão vem tirando leite de pedra no duelo contra as poderosas Mercedes. O que virá mais por aí? Por isso, ele é o Piloto da Semana do Autoracing.

Sebastian Vettel (F1) obteve a vitória entre os internautas com 33% dos votos. Daniel Ricciardo (F1) ficou na segunda posição com 26% dos votos.

Texto: Eduardo Behling e Leandro Schmidt

EB - www.autoracing.com.br

Tags
, , , , , , ,

ATENÇÃO: Comentários com textos ininteligíveis ou que faltem com respeito ao usuário não serão aprovados pelo moderador.