F1 – Testes sugerem que renascimento da Williams é real

segunda-feira, 3 de março de 2014 às 15:38

Felipe Massa

A Williams teve um ano ruim, mas eles sacudiram o seu departamento técnico, mudaram de fornecedor de motores e contrataram um ex-piloto brasileiro da Ferrari. Isso tudo soa muito familiar…

A forma desta outrora grande equipe oscilou violentamente de nanica para superdotada nas últimas temporadas. Eram pole-sitters em 2010, esforçaram para marcar pontos no ano seguinte, em seguida ganhou uma corrida em 2012, e estavam de volta à crise novamente no ano passado.

A equipe começou a temporada passada com uma mudança de liderança com a filha do fundador da equipe Sir Frank Williams, Claire, sendo nomeada para vice-diretora da equipe. Como ficou claro no início da temporada, a equipe estava indo para fora do curso, ela se moveu rapidamente para mudar de direção.

Nos últimos 10 meses, a Williams substituíram os motores Renault pelos Mercedes, nomearam Pat Symonds como diretor técnico para substituir Mike Coughlan, abocanharam Felipe Massa da Ferrari, juntamente com Rob Smedley e contrataram uma série de novos quadros técnicos, muitos dos quais irão trabalhar no campo da aerodinâmica, onde a equipe tem lutado nos últimos tempos.

A chegada de Massa, mais a contratação de Felipe Nasr como piloto de testes, ajudou a equipe a atrair as empresas brasileiras Petrobras e Banco do Brasil para o patrocínio. Um outro acordo deve ser anunciado em breve com um dos grandes patrocinadores do patrimônio do automobilismo, a Martini.

A mudança de fornecedor de motores pode ser um verdadeiro tiro no pé deste ano. Não é apenas o caso da Renault ter sofrido um começo infeliz nos testes de pré-temporada, mas que a Mercedes teve sua temporada com um início muito forte. Como as coisas estão, parece que Pastor Maldonado pode se arrepender de ter abandonado o barco como fez.

A equipe deve ter ficado muito satisfeita com a confiabilidade do FW36, que em testes percorreu mais quilometragem do que qualquer outra que não um Mercedes. Na verdade, o carro foi tão confiável que a equipe ainda dedicou algum tempo para a realização prática de pitstop ao vivo – uma área onde eles devem procurar melhorar depois dos problemas de porca solta da roda do ano passado.

A Williams estava muitas vezes da parte superior das tabelas de tempo durante os testes. Embora Valtteri Bottas fosse incapaz de fazer sua simulação de classificação no final do dia, a volta rápida de Massa no dia anterior marcou o melhor tempo de qualquer piloto nos testes de Bahrain, e dois centésimos de segundo mais rápido do que Lewis Hamilton conseguiu na Mercedes.

Claro que há limites para as conclusões que podem ser extraídas de tempos de testes. O tempo mais rápido de Massa foi feito com pneus super-macios enquanto Hamilton tinha macios, o que sugere a Mercedes tem ainda alguns décimos de segundo na mão.

No entanto isso aponta para uma equipe que deixou de ser a terceira pior na melhor das hipóteses para ser a terceira melhor na pior das hipóteses – um notável desenvolvimento se for confirmada por um bom resultado em Melbourne.

A última vez que essa equipe produziu um carro decente – em 2012 – o seu potencial foi muitas vezes desperdiçado por seus pilotos ou cometendo erros (Maldonado) ou estando fora do ritmo (Bruno Senna).

Sua equipe de pilotos para 2014 promete ser mais equilibrado embora não deva nada em velocidade. Massa pode ter sofrido um trauma com quatro anos ao lado de Fernando Alonso, mas é muito experiente e cheio de entusiasmo com o seu novo desafio.

Já Bottas de alguma forma colocou o FW35 entre os três primeiros na classificação em uma ocasião, no ano passado, o que diz muito de sua velocidade bruta. O novo carro parece ser capaz deste tipo de desempenho em uma base regular, dando a Williams a chance de desfrutar de sua melhor temporada depois de um longo tempo.

IB - www.autoracing.com.br

Tags
, , , , , , , , , ,

ATENÇÃO: Comentários com textos ininteligíveis ou que faltem com respeito ao usuário não serão aprovados pelo moderador.