F1 – Renault: Regras de motor não atenderam as necessidades

quarta-feira, 6 de janeiro de 2016 às 16:27

Renault

A Renault diz que está aberta a uma mudança nos regulamentos do motor ao longo dos próximos anos, depois de sugerir que as unidades de potência atuais não se ajustaram às demandas da categoria.

A fabricante francesa deixou claro há vários anos que só permaneceria na F1 se a categoria mudasse para as regras turbo híbrido que entraram em vigor no início de 2014.

O sucesso dessas regras tem sido questionado recentemente por razões de custo e audiência, e as fabricantes estão atualmente envolvidas em discussões para chegar a ideias alternativas para afastar a ameaça de um motor independente a partir de 2017.

O diretor-gerente da Renault Cyril Abiteboul aceita que os motores atuais podem não ser o melhor caminho a seguir para a categoria, mas pensa que seria um erro ser muito radical com alternativas.

“As regras híbridas são importantes, não apenas para a Renault, mas para qualquer fabricante”, disse ele. “Se você olhar para a futura linha de produtos da maioria das marcas, verá elementos híbridos em todos os carros”.

“Se me perguntar sobre esse conjunto particular de regras, não devemos ser perfeitos. Não estou completamente convencido de que temos as regras de motores que atendem completamente para a necessidade da F1 moderna”.

“(Estou falando) do show, do custo para o fabricante, do preço para a equipe, e também do ruído e da facilidade de manutenção e assim por diante. Além disso, também há todos os elementos esportivos associados – como o sistema de fichas e de punições – que são extremamente confusos. Não acho que temos algo brilhante”.

IB - www.autoracing.com.br

Tags
, , , , , , , , , , , , , , , , , , ,

ATENÇÃO: Comentários com textos ininteligíveis ou que faltem com respeito ao usuário não serão aprovados pelo moderador.