F1 – Horner: Metade do grid vai abandonar na primeira corrida de 2014

quarta-feira, 15 de janeiro de 2014 às 17:41

GP Australia

A Formula 1 poderia experimentar 50 por cento de abandonos na corrida de abertura da temporada de 2014 na GP da Austrália, avalia o chefe da Red Bull, Christian Horner.

Com equipes sem dúvidas de que a confiabilidade vai ser um fator chave em 2014, Horner acredita que a taxa de abandono pode ser bastante alta no começo.

Os projetistas da F1 estão enfrentando a maior mudança na regulamentação na história recente, e nenhum espera que seja fácil ter os novos motores V6 turbo instalados e funcionando sem problemas de imediato.

Para aumentar ainda mais as complicações da tecnologia, os pilotos também são limitados a apenas 100 kg de combustível para cada grande prêmio, que pode se revelar difícil de gerenciar em Melbourne, um dos circuitos com maiores níveis de consumo de combustível da temporada.

Falando à Bloomberg TV na quarta-feira, Horner sugere que a situação poderia ser muito dramática na Austrália em 16 de março.

“Eu acho que poderíamos ter uma taxa de abandono muito alta, talvez até 50 por cento na primeira corrida”, disse ele. “O combustível é um desafio neste ano, porque estamos limitados a 100 kg quando começarmos a corrida, mas os problemas de confiabilidade nas primeiras corridas serão o fator chave. E, claro, temos apenas cinco motores para o ano inteiro”.

Dois níveis da F1

Além dos desafios de confiabilidade que todas as equipes terão de enfrentar, Horner teme que as equipes com melhores recursos claramente se separarão dos concorrentes intermediários este ano, devido às novas regras.

“Para a parte de trás do grid, será um enorme desafio com os custos que deverão se sujeitar com os novos motores”, disse ele.

“As diferenças entre as equipes serão maiores”.

“Sempre que há uma mudança, as equipes que têm investimento, que têm recursos e instalações sempre aparecerão com um produto mais avançado”.

Quando perguntado se isso poderia levar a uma Formula 1 com dois níveis, Horner disse: “Eu acho que em 2014 poderia acontecer”.

“É por isso que a estabilidade é tão importante, se você tem estabilidade há harmonia no grid, e você se volta para os detalhes”.

“Os regulamentos que temos para este ano são uma quebra de regras definitiva”.

Se lembra quando…

A Formula 1 se acostumou a ver apenas alguns carros abandonarem em cada GP por razões de confiabilidade.

Na última década, tivemos duas corridas onde não houve nenhum abandono – o Grande Prêmio da Europa de 2011 (24 finalistas) e o Grande Prêmio da Itália de 2005 (20 finalistas).

Dos seis carros que estavam no grid de Indianápolis em 2005, todos terminaram a corrida.

A taxa de abandono de 50 por cento na Austrália este ano apresentaria algo muito diferente para a F1, mas a corrida de Melbourne teria que ir além para bater o recorde de todos os tempos para o menor número de finalistas classificados.

A mais recente corrida com alto nível de abandonos foi o Grande Prêmio de Mônaco de 1996 onde o vencedor Olivier Panis foi um dos quatro carros que receberam a bandeira quadriculada.

No entanto, sete carros foram classificados já que outros três haviam completado a distância mínima obrigatória da corrida, antes de serem envolvidos em incidentes.

Porém o detentor do recorde de todos os tempos para menor número de finalistas é o Grande Prêmio de Mônaco de 1966.

O vencedor Jackie Stewart foi um dos quatro carros classificados – embora o quarto colocado Bob Bondurant estivesse com cinco voltas de atraso.

IB - www.autoracing.com.br

Tags
, , , , , , , , ,

ATENÇÃO: Comentários com textos ininteligíveis ou que faltem com respeito ao usuário não serão aprovados pelo moderador.