F1 – Ecclestone rebate reclamações das equipes pequenas

terça-feira, 18 de novembro de 2014 às 14:37

Bernie Ecclestone

Bernie Ecclestone reagiu às reclamações de Bob Fernley que um “cartel questionável” está sendo criado na F1, descrevendo os comentários do vice-chefe da Force India, como uma “asneira completa e total”.

Fernley enviou uma carta, em nome da Force India, Lotus e Sauber, para Ecclestone na segunda-feira, exigindo conversações no GP de Abu Dhabi sobre a forma como as receitas são atualmente distribuídas.

Mais tarde, ele sugeriu que Ecclestone, Red Bull, Mercedes, Ferrari, McLaren e Williams, querem “controlar tanto a governança da Formula 1 e, aparentemente, a distribuição de fundos da FOM”, formando um cartel.

Enquanto Ecclestone concordou em manter discussões com as equipes menores sobre o assunto no Circuito de Yas Marina, ele foi rápido em negar a acusação de Fernley.

“Eu espero que ele entenda o que é a definição de um cartel, e se ele sabe, como poderia acreditar que há um cartel”, disse Ecclestone. “Ele está falando uma besteira completa e absoluta. Este é o problema ao entrar numa reunião com esses chefes de equipes: eles não sabem o que estão falando”.

Ecclestone chegou a sugerir que as equipes menores não vão receber mais dinheiro, devido aos contratos que assinaram.

Ecclestone teria, no entanto, simpatizado com as equipes sobre os novos motores V6 turbo, que levaram a uma alta dramática nos custos.

“Eu concordo com eles completamente, 100 por cento. Eles têm o meu apoio”, disse Ecclestone. “Eu nunca pensei que esta unidade de potência era o que queríamos na F1. Ela não tem feito nada para a indústria”.

“Não me interpretem mal, é uma peça incrível de engenharia – para obter aquela quantidade de potência daquela quantidade de combustível é incrível. Mas nenhum carro de rua jamais poderia usar o mesmo sistema”.

IB - www.autoracing.com.br

Tags
, , , , , , , , , ,

ATENÇÃO: Comentários com textos ininteligíveis ou que faltem com respeito ao usuário não serão aprovados pelo moderador.