F1 – Construtores preocupados com perda do MGU-H em 2021

segunda-feira, 21 de maio de 2018 às 12:57

Unidade de potência Honda RA617H

Os fabricantes da unidade de potência da Fórmula 1 expressaram preocupação sobre a perda do MGU-H na reorganização das regulamentações técnicas de 2021, com Andy Cowell da Mercedes vendo isso como um “passo para trás”.

Embora as mudanças nas regras de 2021 ainda não tenham sido formalmente confirmadas pela FIA, espera-se que a unidade MGU-H dos motores híbridos V6 seja retirada com o objetivo de reduzir custos e simplificar as unidades de potência.

A Honda expressou preocupação sobre a perda do MGU-H, que foi apoiado pela Mercedes. Cowell, chefe da Mercedes AMG, referiu-se aos motores atuais “como um milagre” e teme que a perda do MGU-H irá forçar um aumento no uso de combustível que ele vê como um passo atrás da direção atual da indústria automotiva.

“Eu compartilho da visão da Honda. Eu acho que o MGU-H tem sido culpado pela falta de ruído, pela alta complexidade. Foi referido como um milagre”, disse Cowell. “Há quatro empresas de tecnologia que fizeram ele funcionar e obtêm 60% de sua energia elétrica para alimentar o MGU-K”.

“Isso contribui com 5% da eficiência térmica da unidade de potência e para compensar a diferença de potência teremos que aumentar a taxa de fluxo de combustível, o que eu acho que é um retrocesso”.

“Não é progresso, então, minha opinião é que o MGU-H deve ficar porque o desenvolvimento foi feito. A remoção tira muita energia, o que é muito do desempenho do carro”.

Os regulamentos atuais da F1 usam o MGU-H como um sistema de recuperação de energia conectado ao turbocompressor que converte gases de exaustão em energia reutilizável para o MGU-K ou baterias e o uso de energia potencial da unidade é ilimitado enquanto o MGU-K é restrito para 2 MJ de energia por volta.

IB - www.autoracing.com.br

Tags
, , , , , , , , , , , ,

ATENÇÃO: Comentários com textos ininteligíveis ou que faltem com respeito ao usuário não serão aprovados pelo moderador.