F1 – A história dos bastidores da ordem de equipe da Mercedes

segunda-feira, 1 de outubro de 2018 às 15:24

Toto Wolff

Se a maneira pela qual a Mercedes aplicou ordens de equipe no GP da Rússia pareceu desajeitada, é porque foi mesmo.

Lewis Hamilton liderando a dobradinha pode ter sido exatamente o que a equipe queria antes do fim de semana, mas a forma como ela conseguiu não foi roteirizada. Como forma de justificar o resultado, o chefe da equipe Mercedes, Toto Wolff, falou sobre as “duras realidades” da luta pelo título, mas ainda ficou uma sensação de que algo estava errado na execução da estratégia. Em vez de celebrações após a corrida, a equipe estava procurando por explicações – e para muitos fãs tais explicações não “colaram”.

Embora Bottas tenha feito o melhor para reprimir seus sentimentos, ele tinha bons motivos para permitir que pensamentos de traição cruzassem sua mente. Depois de sua difícil pole position no sábado, ele foi informado em seu briefing pré-corrida que, se tudo corresse como planejado, seria ele o vencedor do GP da Rússia.

“Dissemos a Valtteri que, se tudo corresse como planejado, se estivéssemos fazendo a sobradinha no final da corrida, deixaríamos assim, a menos que nos sentíssemos ameaçados”, explicou Wolff no domingo à noite.

“Sentimos que precisávamos deixá-los competir. Valtteri foi melhor que Lewis na classificação, ele estava na pole, e sentimos que, se fosse justo, não interferiríamos neles competindo um com o outro.”

Mas em algum momento entre a 12ª e a 25ª volta, os eventos conspiraram para lançar o plano pela janela.

Se a Mercedes estivesse mirando na vitória de Hamilton desde o início, a jogada mais fácil seria trocar os pneus de Hamilton antes de Bottas e permitir que a vantagem de desempenho com pneus novos fizesse o “trabalho” de colocar Hamilton à frente de Bottas depois que ambos tivessem trocado os pneus. Mas, em vez disso, a Mercedes colocou seu primeiro carro – de acordo com o procedimento normal, quando dois companheiros de equipe estão seguindo a mesma estratégia – garantindo que Bottas ainda estaria à frente quando os dois Mercedes e Sebastian Vettel trocassem para pneus novos.

Então as coisas começaram a dar errado. Hamilton ficou fora duas voltas a mais do que Bottas, permitindo que Vettel conseguisse o undercut sobre ele. Vettel saiu da única troca de pneus da corrida em segundo lugar e à frente de Hamilton.

“Fizemos a coisa certa ao chamar Valtteri para proteger sua posição, mas estávamos uma volta tarde demais com Lewis”, disse Wolff. “Eu levo isso para mim porque eu estava me envolvendo com James (Vowles, estrategista-chefe da Mercedes) em uma conversa quando ele deveria ter feito a chamada.”

“Para dizer a verdade, quando essas coisas acontecem, há muita discussão no canal de estratégia entre James e eu. Enquanto estávamos pensando sobre o que fazer, eu estava em uma conversa com James, e isso nos fez parar uma volta muito tarde. Uma volta. Foi minha culpa.”

Quer concorrer a uma réplica do capacete do Ayrton Senna? Clique AQUI e palpite sobre quem vai vencer o GP do Japão de Formula 1 no próximo domingo!

AS - www.autoracing.com.br

Tags
, , , , , , , , ,

ATENÇÃO: Comentários com textos ininteligíveis ou que faltem com respeito ao usuário não serão aprovados pelo moderador.