Apelação da Red Bull será um grande teste para a nova Formula 1

sexta-feira, 21 de março de 2014 às 13:07
Red Bull RB10 em Melbourne

Red Bull RB10 em Melbourne

O apelo de Red Bull contra a desclassificação de Daniel Ricciardo no GP da Austrália pode determinar o sucesso de novas regras de combustível da Formula 1. Enquanto o segundo lugar do australiano está em jogo, os membros de equipes rivais estão sugerindo que o resultado do recurso pode ter implicações mais amplas para o futuro das novas regras da F1.

Se a Red Bull provar com sucesso, ao Tribunal Internacional de Recurso, que estava correta em ignorar as leituras do sensor de fluxo de combustível da FIA em favor de seus próprios dados, então poderia abrir o caminho para as equipes contradizerem de forma eficaz o policiamento das limitações de combustível quando quieserem.

Uma fonte de alto nível em uma equipe de topo disse que, se as equipes estão autorizados a ignorar a leitura da FIA dos dois limites principais combustíveis impostas – o limite de 100 kg por corrida e o limite de fluxo de combustível de 100 kg/h – então a própria essência das novas regras de eficiência da F1 seria implodida. Isso abriria o caminho para uma situação ridícula em que o resultado de grandes prêmios seria decidido não em inspeções pós-corridas em parque fechado, mas em processos judiciais longos onde as equipes estariam discutindo quão preciso eram seus próprios dados de combustível.

E enquanto há um debate em curso sobre a precisão dos sensores de fluxo de combustível usados para monitorar o que as equipes estão fazendo, a confiança da FIA que a precisão é boa o suficiente, tem que ser aceita por todos, se os novos regulamentos da F1 são para serem seguidos. O diretor de provas da F1 Charlie Whiting disse, antes do GP da Austrália, que o órgão estava satisfeito com os componentes fornecidos pela Gill Sensors. E ele deixou claro que a FIA estava aberta para permitir que equipes usassem seus próprios dados de combustível se seu corpo técnico acreditasse que o sensor estava errado.

“Nós os monitoramos durante todo o tempo da corrida e, se vemos uma falha, nós temos uma solução alternativa”, disse ele. “Nós sabemos, por exemplo, quanto de combustível foi utilizado no final da volta 24. E isso seria o ponto de partida para o nosso novo cálculo. Portanto, estamos em boa forma”.

Procedimentos exatos para as circunstâncias em que as equipes seriam autorizadas a confiar em seus próprios dados, em vez do sensor de combustível com defeito da FIA, foi previsto numa diretiva técnica enviado a eles em 1º de março. E foi enfatizado que seria totalmente de jurisdição da FIA a respeito de quando essas leituras de back-up poderiam ser utilizadas.

As equipes não poderiam decidir por si mesmas quando iriam confiar em seus próprios dados e ignorar o que a FIA estava dizendo.

Não é diferente da necessidade de contar com as leituras da FIA num fim de semana de grand prix, mesmo que elas não coincidam exatamente com as leituras feitas por uma equipe. Assim como as equipes têm de confiar que a FIA irá policiar os regulamentos técnicos rigorosamente, quando se trata de decidir sobre a conformidade de todos os seus rivais, então o sucesso dos regulamentos de fluxo de combustível depende do corpo diretivo garantindo que todos os sensores são igualmente confiáveis e precisos.

Há ainda detalhes deste caso que têm de emergir, como quão impreciso a Red Bull acredita ser o sensor da FIA, e quanto acima da taxa de fluxo de combustível a FIA considera que a equipe esteve.

Mas enquanto eles discutem este caso específico e decidem o resultado final do GP da Austrália, o primordial é onde a decisão deixará o controle de combustível como fórmula de eficiência da F1 e que será uma preocupação mais séria para todo mundo agora.

IB - www.autoracing.com.br

Tags
, , , , , ,

ATENÇÃO: Comentários com textos ininteligíveis ou que faltem com respeito ao usuário não serão aprovados pelo moderador.