MotoGP Japão 2018 – 7 vezes Marc Márquez

MotoGP – Motegi 2018

Colaboração: Carlos Alberto Goldani

Andrea Dovizioso tinha uma chance de adiar a festa da Honda em seu próprio circuito, impedir que Marc Márquez conseguisse três pontos mais que ele. Todos os recursos da Ducati estavam à sua disposição, seu companheiro estava fora da corrida e a equipe entrou na disputa com uma única moto oficial no grid. A queda de Márquez no último treino livre, danificando seu equipamento preferencial momentos antes da disputa da qualificação para a largada facilitou a obtenção da pole. A seu favor tinha ainda o equipamento mais equilibrado, pista seca e condições de clima ideais. Andrea planejou utilizar a mesma estratégia das últimas provas, assumir a liderança e desconcentrar seus adversários alternando sequências de voltas rápidas com outras lentas, confiando na eficiência da retomada de velocidade das Ducati para não ser ultrapassado.

Uma estratégia semelhante foi utilizada por Jorge Lorenzo na prova final da temporada de 2013 em Valência. Na ocasião ele necessitava muitos pontos a mais que Márquez para ser campeão e pretendeu compactar os concorrentes atrás dele, esperando que a impaciência do novato o fizesse cometer algum erro. Não funcionou, Marc conquistou seu primeiro mundial com a terceira colocação.

O plano de Dovizioso funcionou até a volta 20 quando cometeu um erro, abriu demais na curva 9 e foi ultrapassado por Márquez. Não era um grande drama, sua moto estava inteira e ele tinha condições de retomar a liderança. Por duas voltas ele seguiu a Honda observando que o piloto tinha dificuldades na condução, o protótipo balançava muito. Faltando pouco mais que uma volta para o final ele decidiu retomar a liderança, adotou uma trajetória diferente, acelerou forte, inclinou a moto na entrada da curva e foi traído pelo pneu dianteiro, perdeu a frente e caiu. Com a consequente vitória Márquez somou um número de pontos suficiente para conquistar o mundial com antecipação de três etapas.

A prova de Motegi não pode ser reduzida a disputa entre Márquez e Dovizioso, uma rivalidade que que já está fazendo história na MotoGP. A segunda colocação de Cal Crutchlow com a Honda da satélite LCR foi uma recompensa aos esforços do piloto britânico e a dobradinha um presente para a fábrica nipônica em sua própria pista. Alex Rins completou o pódio com uma Suzuki após vencer uma disputa acirrada com seu colega de equipe, Andrea Iannone, que justificou o apelido de “Maniac” com uma pilotagem muito agressiva acabou caindo.

Valentino Rossi em quarto conseguiu colocar a sua M1 2018 duas posições à frente de Johann Zarco, com uma M1 2017. As Yamaha apresentaram algum progresso, não o suficiente para entusiasmar seus pilotos para as últimas três provas da temporada. Alvaro Bautista com uma Ducati GP17 foi o quinto, quatro colocações à frente da GP18 de Danilo Petrucci, o contratado para assumir o lugar de Lorenzo na equipe oficial na próxima temporada. Petrucci foi envolvido indiretamente em um início de bate-boca quando um representante da Ducati, ao comentar a ausência de Lorenzo do GP, teria dito que a equipe lucrou muito com a contratação do italiano para o lugar do espanhol. Um repórter ibérico presente concordou, trocar um pentacampeão com 68 vitórias em seu currículo por um piloto que está na MotoGP desde 2012, tem apenas seis pódios e nunca venceu, pode ter sido um excelente negócio financeiro, com certeza não técnico.

Para a torcida japonesa que lotou o circuito as decepções ficaram por conta de Dani Pedrosa classificado em 8º com a segunda Honda oficial e Takaaki Nakagami, herói local em 15º.

O campeão de 2018 já é conhecido, porém ainda existem premiações a serem decididas. Cal Crutchlow lidera a disputa entre os pilotos independentes, com 15 pontos de vantagem sobre Johann Zarco e Danilo Petrucci. Entre as equipes a Honda (391) lidera, seguida da Yamaha (340). Na competição entre construtores, importante para negociações com os patrocinadores onde só a moto melhor colocada de cada fábrica pontua, a Honda está em busca da tríplice coroa com 47 pontos a mais que a Ducati.

Márquez disputou seis temporadas da principal categoria da MotoGP, venceu cinco. Já é o quinto piloto em número de vitórias nos mundiais da FIM em todas as classes, 69, atrás de Agostini (122), Rossi (115), Angel Nieto (90) e Mike Hailwood (76), uma a mais que Jorge Lorenzo. Nos últimos nove anos ele venceu pelo menos cinco GPs por temporada, é o primeiro piloto a conseguir este feito em 69 anos de história dos mundiais. Nesta temporada, em 15 etapas ele conseguiu 8 vitórias, 13 pódios e 5 poles. Com 25 anos e 246 dias, Marquez é o mais jovem piloto a conquistar sete títulos, batendo a marca de Mike Hailwood, que tinha 26 anos e 140 dias quando venceu seu sétimo mundial em 1996, na classe 350cc. O espanhol da Honda é um dos oito pilotos a vencer 7 ou mais títulos em todas as classes, uma galeria que inclui John Surtees (7), Phil Read (7), Carlo Ubbiali (9), Mike Hailwood (9), Valentino Rossi (9), Angel Nieto (13) e Giacomo Agostini (15).

Carlos Alberto Goldani
Porto Alegre – RS

Quer ver todos os textos de colaboradores? Clique AQUI

Os artigos publicados de colaboradores não traduzem a opinião do Autoracing. Sua publicação obedece ao propósito de estimular o debate sobre automobilismo e abrir um espaço para os fãs de esportes a motor compartilharem seus textos com milhares de outros fãs.

AS - www.autoracing.com.br

ATENÇÃO: Comentários com textos ininteligíveis ou que faltem com respeito ao usuário não serão aprovados pelo moderador.