Martin Brundle: F1 atuais são mais difíceis de pilotar

f1-brundle-force-india-2015

Martin Brundle no Force India VJM08

Numa série de especiais que Martin Brundle está gravando para a SKY inglesa, ele guiou o carro de 2015 da Force India por 37 voltas em Silverstone e tem agora a perspectiva real de como funciona um carro de F1 moderno.

E, contrariando a opinião generalizada de que a era atual de pilotos “mimados” da F1 tem carros fáceis de guiar, a conclusão do veterano piloto pode surpreendê-lo.

“É errado dizer que os carros de 2015 carros são fáceis de dirigir”, refletiu Brundle depois de sua excursão em Silverstone no VJM08 “Eles não são fáceis, são diferentes”.

O fato dos carros de F1 atuais serem mais lentos que os de 2004 é frequentemente apresentado como evidência convincente de que o topo do automobilismo se tornou muito lento e muito fácil.

Mas de acordo com Brundle, que dirigiu um carro de F1 a cada ano desde 1983, além de ter participado em 165 GPs durante sua carreira de piloto, a redução da velocidade – e os condicionalismos físicos impostos sobre os pilotos – foram substituídos por um desafio mais complicado.

“O fator chave que não torna esses carros mais fáceis é que há um excedente de potência e torque sobre a aderência. Você tem que rastejar até o limite, aderência e velocidade estão numa linha muito tênue, você tem que trabalhar o quanto de potência e aderência existe, você não pode apenas acelerar e deixar o torque fazer o trabalho – e eu acho que isso é mais difícil de fazer”.

Enquanto os críticos continuam a acreditar que a prioridade que a F1 deve perseguir seja a velocidade, a busca de tecnologia mais verde e maior relevância para carros de produção sem dúvida torna o esporte o mais avançado do planeta. Para os pilotos, o jogo em si foi transformado ao longo da última década. Longe estão os dias em que o nome do jogo era cravar o pé o mais rápido, e tão frequentemente quanto possível. Agora, o desafio varia entre um ato de equilíbrio de recuperação de energia, colheita cinética e conservação dos pneus, ao mesmo tempo em que o piloto tem que ficar à frente do carro de trás e tentar ultrapassar o homem na frente. A F1 tornou-se um ato de malabarismo de alta velocidade que pune o menor erro de cálculo.

“Dois anos atrás quando fizemos o especial ‘Décadas na McLaren’ para a Sky, eu dirigi o carro de Lewis Hamilton de 2008, que é o melhor carro que eu já guiei porque ele estava sempre grudado no chão”, ponderou Brundle. “O desejo de todos os pilotos é que seu carro ande o mais rápido possível, em todas aquelas horas de testes e reuniões você está apenas à procura de maneiras de ir mais rápido, e quando você tem um carro como o McLaren de 2008, você fica muito satisfeito.”

“Eu posso entender por que os pilotos adoram aquela “era” de carros, apesar de serem muito mais físicos para guiar. Mas eu posso ver porque agora há uma diferença entre os pilotos e companheiros de equipe. Agora há muita velocidade potencial que você pode não conseguir usá-la se você não estiver suficientemente perto do limite. É uma questão de sentir “quanta potência eu posso dar antes que seja demais?”

“E, tendo guiado a Force India eu acho que em termos de um desafio mental é mais difícil, porque há muita coisa acontecendo no cockpit.”

Numa forma de realização reveladora da evolução da F1, o volante foi literalmente reinventado. O que antes era nada mais que um tubo circular prosaico, um volante atual de um carro de F1 moderno não pareceria fora de lugar em um laboratório da NASA.

“Eu tenho certeza que você se acostuma com essas coisas muito rapidamente, mas para mim foi uma “sobrecarga para entender todos esses sistemas”, lembrou Brundle.

f1-volante-sauber-2015

Volante da Sauber 2015

“A Force India me deu um monte – não todos, mas muitos – dos brinquedos no painel e a outra coisa que absolutamente brilhou para mim é como eles são sensíveis. Cada mudança ou giro de um botão transforma tudo de maneira poderosa e muito impressionante.”

Mesmo alguns conselhos não foram suficientes para Brundle contra a dificuldade de dirigir um carro de F1 atual. Antes de entrar no VJM08, Brundle conversou com o campeão mundial Jenson Button e também com Valtteri Bottas, mas ainda assim ficou surpreso imediatamente quando se estabeleceu dentro do cockpit da Force India.

“Eu estava temeroso porque todos os pilotos que falaram comigo me avisaram para ter cuidado com o acelerador, que agora tem um curso muito mais longo. Nos tempos que havia controle de tração, o acelerador tinha em torno de 25 milímetros de curso, porque você pisava fundo tão rapidamente quanto podia e deixava a eletrônica fazer o trabalho. Estes carros atuais têm um curso de 60 a 70 milímetros para adicionar alguma progressividade, e essa distância que o acelerador tem de viajar lhe fala como são grandes os problemas de dirigibilidade atualmente.”

Clique AQUI para ver o vídeo de Martin Brundle guiando o Force India VJM08

AS - www.autoracing.com.br

ATENÇÃO: Comentários com textos ininteligíveis ou que contenham ofensas não serão aprovados pelo moderador.