Famílias Fórmula 1 – Parte 1

Keke e Nico Rosberg

Colocar uma pessoa na Fórmula 1 é uma conquista memorável para qualquer família, mas algumas famílias tiveram dois ou até três pilotos no grid do Grande Prêmio.

Enquanto os Rosbergs e Hills produziram campeões mundiais de pai e filho, em outras famílias da F1, a história tem sido um enorme sucesso para um membro, enquanto um irmão ou um filho se debatia na sombra deles.

Rosberg

Keke e Nico Rosberg formam apenas a segunda dupla de pai e filho a serem coroados campeões mundiais na história da F1, cada um com um único título.

Enquanto o vencedor do título 1982, Keke foi apelidado de Finlandês Voador por seu estilo de dirigir, Nico adotou uma abordagem mais ponderada – bater o rival de 2016 Lewis Hamilton pela vitória, fazendo o longo jogo em difíceis condições mentais, e então se aposentar sensacionalmente da F1 apenas alguns dias depois.

Fittipaldi

Wilson Fittipaldi se juntou a seu irmão mais novo, Emerson, no grid de 1972, e a dupla se tornou os primeiros irmãos a competir na mesma corrida de F1.

Emerson não precisa de apresentação, sendo duas vezes campeão da F1 e vencedor da Indianápolis 500. A carreira de Wilson na F1 foi relativamente curta, mas ele continuou a desempenhar um papel como dono de equipe – com Emerson chocando a F1 deixando a McLaren para dirigir pela equipe de seu irmão em 1976, e consequentemente nunca mais vencendo outro grande prêmio.

A dinastia de Fittipaldi continuou quando Christian, filho de Wilson, estreou na Fórmula 1 em 1992. Embora os maiores sucessos de Christian venham nas corridas americanas, o ponto dele no Japão fez de Wilson e ele os primeiros pai e filho a pontuar na F1.

Schumacher

O GP do Canadá de 2001 produziu o primeiro confronto entre os dois pela F1, com Ralf superando Michael na chegada. Mas geralmente não era assim quando os irmãos Schumacher se enfrentavam.

Michael conquistou seus dois primeiros títulos com a Benetton em 1994/1995 antes de mudar para a Ferrari, onde dominou com cinco campeonatos entre 2000 e 2004. O seu registro de 91 vitórias no GP e sete títulos da F1 continua invicto.

Ralf marcou seis vitórias em seu tempo na Williams, mas nunca conseguiu um verdadeiro desafio no campeonato. Ele mudou para a Toyota em 2005 antes de sair da F1 para a DTM.

Hill

Graham Hill é o único homem na história do automobilismo a conquistar a “tríplice coroa” até agora, mas são suas vitórias em 14 grandes prêmios e dois títulos mundiais de F1 pelos quais ele é mais lembrado – em uma carreira que se estendeu do final dos anos 50 até os anos 70.

Seu filho Damon perdeu o campeonato em circunstâncias polêmicas em 1994, mas provou a vitória do título dois anos depois com uma campanha dominante.

Andretti

As lendárias conquistas de F1 de Mario Andretti, incluindo o campeonato mundial de 1978 no Lotus 79, significaram que seu filho Michael, estrela da CART Indy, teve muito o que fazer quando fez a mudança com a McLaren em 1993.

Lutar contra Ayrton Senna em um momento difícil para a McLaren tornou as coisas ainda mais difíceis, e Michael voltou para sua bem sucedida carreira de piloto americano antes do final do ano.

Senna

O tricampeão mundial Ayrton Senna garantiu que o nome de sua família seja eternamente gravado no folclore de F1, com sua passagem explosiva entre 1984 e sua morte em Imola, 10 anos depois.

Seu sobrinho Bruno chegou na F1 16 anos depois com o pequeno time da HRT, antes de ganhar maiores oportunidades na Lotus/Renault e Williams. Mas as conquistas de seu tio estavam muito fora de alcance, com o sexto lugar no GP da Malásia em 2012, o melhor resultado de F1 de Bruno.

IB - www.autoracing.com.br

Tags
, , , , , , ,

ATENÇÃO: Comentários com textos ininteligíveis ou que faltem com respeito ao usuário não serão aprovados pelo moderador.