F1 – Williams pode vender participação no braço de engenharia

Williams Grand Prix Holdings

A Williams Formula 1 está explorando a venda de uma participação em seu braço de engenharia em um acordo que poderia levantar dezenas de milhões de libras para a tradicional marcar de corrida.

A Sky News descobriu que a Williams Grand Prix Holdings, listada na Bolsa de Frankfurt, foi abordada por várias partes sobre um acordo envolvendo a Williams Advanced Engineering (WAE).

Uma transação marcaria outro marco significativo para a empresa britânica, fundada por Sir Frank Williams e Sir Patrick Head em 1977.

Sua equipe de F1 de mesmo nome teve enorme sucesso nas pistas nas décadas de 1980 e 1990, liderada pela excelência de pilotos como Keke Rosberg, Nelson Piquet, Nigel Mansell, Damon Hill Jacques Villeneuve, Alain Prost, Ayrton Senna e Juan Pablo Montoya, mas tem encontrado dificuldades para competir na frente na F1 por mais de uma década.

Indo para o GP da Bélgica neste fim de semana em Spa-Francorchamps, a Williams ocupa a última posição no campeonato de construtores de F1, com apenas um ponto solitário na tabela.

Sir Frank, cuja filha Claire é vice-diretora da F1 desde 2013, continua detendo uma grande participação na empresa.

Fontes disseram que Williams estava aberta à venda de uma participação majoritária na WAE, embora um resultado mais provável visse uma grande participação minoritária adquirida por terceiros.

Várias empresas de private equity já manifestaram interesse no negócio.

Outra alternativa envolveria o proprietário da equipe de F1 assumir o financiamento da dívida para acelerar o crescimento dos negócios do WAE.

A divisão de Engenharia Avançada da Williams foi criada em 2011 para comercializar a tecnologia e a experiência desenvolvidas por sua equipe de F1.

Trabalha com clientes corporativos, incluindo Tesco e Unilever, enquanto também assinou um acordo de joint venture com a Unipart para produzir baterias de desempenho para aplicações automotivas.

No setor automotivo, os clientes da WAE incluem Aston Martin e Lotus.

No ano passado, a empresa recebeu o Queen’s Award for Enterprise Innovation, um prêmio muito importante no Reino Tnido e reconhecido em todo o mundo.

O WAE registrou receitas de £ 44,8 milhões em seu exercício financeiro de 2018, acima de £ 39,5 milhões no ano anterior, enquanto os lucros antes de juros, impostos, depreciação e amortização aumentaram mais modestamente durante o mesmo período, para £ 5,1 milhões.

Lazard, um banco de investimento, atua como consultor financeiro de longa data da Williams, embora ainda não tenha sido instruído a executar um processo formal no WAE.

O Williams Group é presidido por Nick Rose, um veterano de peso na sala de reuniões que também atua como diretor não executivo da BAE Systems e do BT Group.

Ele deve publicar resultados semestrais dentro de dez dias, altura em que poderá escolher mais detalhes de sua decisão de explorar a disposição de uma participação na WAE.

No preço de fechamento de sexta-feira, a Williams Grand Prix Holdings teve uma avaliação de mercado de € 134,5 milhões (£ 120 milhões).

A equipe de F1 tem um contrato de patrocínio com a ROKiT, uma empresa de telecomunicações, mas as receitas comerciais do lado das corridas de seus negócios foram afetadas por seu fraco desempenho na pista.

A empresa disse em seu relatório anual mais recente, que espera mais clareza em um futuro próximo sobre como o proprietário da F1, Liberty Media, pretende reformar o esporte de uma perspectiva financeira e técnica após 2021.

A Williams se recusou a comentar essa informação este fim de semana.

AS - www.autoracing.com.br

Tags
, , , , , ,

ATENÇÃO: Comentários com textos ininteligíveis ou que faltem com respeito ao usuário não serão aprovados pelo moderador.