F1 – Toro Rosso não quer menos que 20 corridas no calendário

Franz Tost

O chefe da equipe Toro Rosso, Franz Tost, disse que “se recusaria a fazer abaixo de 20 corridas” nos próximos anos. O calendário de 2019 foi aprovado e anunciado na noite de sexta-feira, com as mesmas 21 corridas a serem realizadas neste ano.

Com os chefes de F1 considerando uma corrida no Vietnã para 2020, juntamente com planos de ir para Miami em um futuro próximo, 21 pode ser o menor número estabelecido por um tempo.

No entanto, no início desta temporada, o chefe da Renault, Cyril Abiteboul, disse que acredita que deveria haver o corte de uma série de corridas, trazendo o calendário para 15 ou 16.

Tost disse que acha que não importa quantas corridas existem, apenas o espetáculo de cada evento. “Acho que não é questão de número de corridas ou tamanho, é o programa que oferecemos e o nível do entretenimento”, explicou Tost. “Se você tem 15 corridas chatas, as pessoas não vão mais assistir”.

“Acho que devemos ter 20 ou 22 corridas, esse é um bom número. Também não devemos esquecer que somos globais e, portanto, precisamos de um certo número de corridas para se manter assim. Eu absolutamente me recusaria a fazer abaixo de 20 corridas. O ano tem 52 semanas, portanto temos muito tempo”, completou.

Tanto o chefe da Red Bull, Christian Horner, quanto o chefe da Sauber, Frederic Vasseur, acreditam que 21 é o máximo que o esporte deve ter. “Em um estágio também estamos perdendo a excepcional natureza do evento”, disse Vasseur.

“Quanto mais GPs você está fazendo, mais todo mundo se acostuma, e nós temos que manter o lado excepcional das corridas. Para mim, é um pouco demais, mas vou seguir o calendário. Eu não paro depois de 18 no ano que vem”, acrescentou.

Vasseur acredita que 18 ou 20 GPs seria melhor, enquanto Horner descreve a temporada de 21 como o “ponto de saturação”. “Há apenas tantos capítulos que você pode ter em um livro e acho que em algum momento você vai além do que é relevante”, admitiu Horner.

“Eu acho que ir para 15 ou 16 é muito baixo – mas acho que o 21 é o extremo superior. É difícil para os caras na garagem, para a equipe de viagem, é difícil para todos os envolvidos”, prosseguiu.

“A coisa realmente encorajadora é que existem alguns grandes locais que querem sediar corridas e eventos da Fórmula 1 e eu acho que isso deve fornecer uma competição natural para os locais que já estão no calendário”, concluiu Horner.

Quer concorrer a uma réplica do capacete do Ayrton Senna? Clique AQUI e palpite sobre quem vai vencer o GP dos EUA de Formula 1 no dia 21 deste mês!

EB - www.autoracing.com.br

ATENÇÃO: Comentários com textos ininteligíveis ou que faltem com respeito ao usuário não serão aprovados pelo moderador.