F1 – Novo RB16 da Red Bull tem muitas evoluções para 2020

Red Bull RB16

Em forte contraste com o lançamento da Ferrari ontem, a Red Bull mostrou sem cerimônia seu carro de F1 de 2020, o RB16, sem nenhum alarde.

Ao encontrar sua forma mais no segundo semestre de 2019, depois de começar a temporada com um carro complicado de administrar, a Red Bull tem a plataforma para dar um empurrão mais equilibrado logo no início deste ano.

Tendo usado o final de 2019 para colocar alguns desenvolvimentos em ação, o pacote da Red Bull parece ter respondido bem à inclusão de uma asa dianteira inspirada na Ferrari. A pequena fenda no elemento da asa do meio foi removida do desenho do ano passado para permitir que o elemento superior se estendesse até o fundo, criando uma ligeira mudança na forma como os vórtices da ponta dela são formados.

Essas são oferecidas um pouco mais em termos de orientação com uma seção no bico, que a Red Bull incluiu no front-end para substituir as quilhas usadas no ano passado.

Embora seja difícil determinar a natureza exata do nariz pelo único ângulo que a Red Bull forneceu no lançamento público do RB16, existem algumas mudanças notáveis ​​na fórmula. Em ambos os lados do snorkel principal, existem narinas adicionais que parecem orientar o fluxo de ar em direção à seção traseira do bico. Especular sobre seu objetivo, sem saber o que aconteceu no túnel de vento, pode ser para cortar áreas de fluxo estagnado ou simplesmente para aumentar um pouco mais o downforce dianteiro.

Também parece haver um duto adicional no topo do snorkel, pois a área ao redor daquela estrutura aumentou em complexidade.

Mais uma vez, como na Ferrari, mais atenção foi dada à área atrás das rodas dianteiras, na tentativa de manter o fluxo de ar conectado aos sidepods e ao difusor, pois eles dependem muito da filosofia da traseira alta. Isso é mais importante nas curvas de baixa velocidade, especialmente porque eles fizeram uma asa dianteira bastante carregada. Na pista, o carro parece que vai operar com uma inclinação (rake) particularmente alta.

Mais adiante, os defletores em forma de orelha permanecem na parte superior da antepara do chassi, imprensando uma saída de duto S ligeiramente reprojetada. A saída mais fina foi trazida para o carro no Japão no ano passado, mas a transição por cima parece ter sido suavizada para limitar qualquer ansiedade de separação do ar enfrentada pelos aerodinamicistas.

A Red Bull também parece ter eliminado o desenho da suspensão dianteira com múltiplas conexões, optando por uma conexão convencional. A ligação múltipla deu à equipe mais opções ao jogar com a altura, mas parece que a equipe de desenho não gostou das complicações que trouxe para o resto do pacote.

Enquanto isso, o pacote do bargeboard se parece muito com o desenho do ano passado, sugerindo que algumas das complexidades foram retidas para as imagens de lançamento. O desenho de dois bumerangues permanece e as palhetas giratórias em torno da entrada do lado lateral parecem estar no mesmo arranjo que no RB15, exceto a peça mais vertical da frente, que se estendeu em altura.

Esses sidepods parecem ainda mais rígidos do que no ano passado, e a Red Bull e a Honda parecem ter condensado as demandas de seus componentes internos a um nível ainda mais extremo. A julgar pela maneira como as luzes se acendem no sidepod nas imagens de lançamento, elas foram arredondadas ainda mais para melhorar a maneira como o fluxo de ar passa por cima e pelo assoalho.

Para ajudar ainda mais nesse efeito, há duas pequenas barbatanas aninhadas entre os pontos de fixação do halo e o apoio de cabeça, que parecem estar apontando e lançando o ar para o assoalho. Ao longo dos anos, Adrian Newey empregou pequenas nadadeiras nesta área por inúmeras razões – seja para atender a um requisito de altura ou para fins aerodinâmicos – e essas nadadeiras pequenas parecem não ser diferentes. Um pequeno detalhe, sim, mas importante.

Parece que a cobertura geral do motor está basicamente no mesmo arranjo do ano passado, e isso se deve principalmente às restrições de colocar os componentes de refrigeração acima da entrada de ar. A UP da Honda parece permitir que os sidepods sejam colocados muito mais juntos, e alguns elementos do radiador e do intercooler são armazenados acima do motor. Dessa forma, a metade inferior da entrada de ar pode ser usada para acionar o compressor e a metade superior pode ser usada para resfriar esses componentes.

A asa traseira não é diferente de uma das especificações usadas na última temporada, embora a Red Bull frequentemente gostasse de experimentar diferentes comprimentos e posições, de acordo com o flap que ativa o DRS.

Embora a Red Bull tenha resistido ao desejo de dividir sua placa final em vários slots e estrias, agora apresenta um corte para inibir qualquer separação precoce de ar e permite que a equipe use níveis mais extremos de curvatura.

A borda principal da asa também foi elevada, sugerindo que a equipe foi capaz de manter o fluxo de ar preso sobre uma curvatura maior – aumentando a produção geral de downforce.

Um dos principais atributos do pacote Red Bull do ano passado foi o seu potencial de desenvolvimento, o que significou que a equipe pôde continuar testando novas peças e forçando a janela de desempenho para mais perto da Mercedes.

Uma mudança vital na asa dianteira, entre outras partes, antes do GP da Áustria do ano passado, deu à equipe um teto de desempenho muito mais alto, e Max Verstappen e Alex Albon desfrutaram de uma forma forte no final da temporada. Aquele conceito de asa dianteira foi mantido, diferindo um pouco da Ferrari, pois a Red Bull mantém as abas externas carregadas em um nível mais alto.

Os detalhes do nariz são bem diferentes, pois a Red Bull está obviamente tentando canalizar o ar para as palhetas laterais, que se estendem para a frente em relação a 2019. Para conseguir isso e permanecer dentro dos regulamentos, o nariz em si é um pouco mais fino.

A Red Bull, nas duas últimas temporadas, sofreu de um início um pouco lento. Com a experiência de um ano dessas regulamentações, um relacionamento funcional com a Honda e um RB16 evolutivo para dar o pontapé inicial, não há razão para a Red Bull começar mal de novo – a menos que, é claro, ela não tenha dado o passo certo com seu desenvolvimento, ou seus rivais consigam obter – embora improvável ​​- ganhos maciços.

Em Verstappen, a Red Bull tem um piloto que pode virar a maré de uma corrida e, com o pacote certo, ele tem o potencial de ganhar corridas semana após semana. Enquanto isso, Albon, que provou ser um piloto confiável e um ótimo companheiro para Verstappen, vai continuar sua curva de aprendizado durante a segunda temporada de sua carreira na F1.

Todos os ingredientes estão no lugar para a Red Bull, basta reuni-los na ordem certa para que a equipe chegue ao topo.

Clique AQUI para fazer suas apostas esportivas

AS - www.autoracing.com.br

Tags
, , , , , , , ,

ATENÇÃO: Comentários com textos ininteligíveis ou que faltem com respeito ao usuário não serão aprovados pelo moderador.