F1 – Mercedes não concorda em mudar regra do parque fechado

Toto Wolff

O chefe da Mercedes, Toto Wolff, disse que o formato proposto para 2021 e as novas regras do parque fechado não seriam benéficos para o esporte e “abririam uma lata de vermes” com potencial para mais penalidades.

Embora as regras de 2021 ainda não tenham sido finalizadas, algumas informações foram divulgadas, incluindo uma proposta para reduzir o dia de quinta-feira na imprensa e, em vez disso, empurrar as duas sessões de treinos de sexta-feira de volta para a tarde, permitindo que as atividades de comunicação social sejam realizadas na manhã de sexta-feira, juntamente com a análise minuciosa do carro.

A proposta também inclui a mudança do parque fechado para sexta-feira, antes dos treinos, em vez da pré-classificação, como é atualmente. Isso significaria que o mesmo carro de especificação deve ser executado durante todo o fim de semana sem alterações – como a substituição da asa dianteira por uma versão atualizada.

Enquanto Wolff apoiaria um fim de semana mais curto, desde que isso não afete o espectáculo ou a capacidade dos promotores de ganhar dinheiro, ele diz que a Mercedes “não está interessada” em alterar as regras do parque fechado.

“Eu acho que se você pode comprimir (o fim de semana) sem reduzir o show, então isso é algo para que devemos olhar”, disse ele na sexta-feira. “Eu acredito que para os promotores não é grande coisa. A sexta-feira é um dia importante quando eles são capazes de gerar alguma receita e atrair alguns públicos”.

Ele acrescentou: “Não estamos interessados no formato de parque fechado de sexta-feira a domingo. Não há nenhuma categoria que não permita que os carros sejam tocados durante o fim de semana e acho que não devemos começar com a Fórmula 1, o auge do automobilismo”.

Wolff considera que tal mudança pode resultar em ainda mais penalizações, especialmente se um carro enfrentar um problema durante o treino e precisar ser reconstruído.

“Abre-se uma lata de vermes com penalizações porque os carros vão acabar na parede e vão ter de ser reconstruídos e penso que pela simples ideia de como podemos acrescentar mais variabilidade, mais imprevisibilidade, ter mais carros freando, penso que vamos conseguir o contrário”, explicou.

“Vamos gastar mais tempo e recursos no mundo virtual, fazer com que os carros se tornem mais difíceis em dínamos para durarem, porque sabemos que não podemos desmontá-los durante três dias, por isso não acho que isto seja algo que devamos tocar. Há muitas outras áreas que fazem sentido, mas esta, não para nós”, concluiu.

EB - www.autoracing.com.br

Tags
, , , , , , , , , ,

ATENÇÃO: Comentários com textos ininteligíveis ou que faltem com respeito ao usuário não serão aprovados pelo moderador.