F1 – McLaren, Honda e Alonso juntos novamente em 2018?

Fernando Alonso

Fernando Alonso

A McLaren ter admitido, anunciado ou seja lá o que for, que vai continuar com a Honda foi ou será uma péssima decisão no meu ponto de vista. Eu iria de Mercedes até 2020 e então decidiria o que fazer a partir de 2021.

A Honda conseguiu um progresso medíocre em três anos tentando melhorar seu motor numa equipe excelente como a McLaren e tendo um super-piloto como Alonso. Mesmo assim os japoneses estão muito atrás dos motores Mercedes e Ferrari. Estão bem atrás inclusive do Renault, que é o mais fraco dos três melhores.

O motor Honda vai melhorar? Lógico que sim, mas quem disse que Mercedes, Ferrari e Renault também não vão? Na parte híbrida, na recuperação de energia – justamente o pior item da Honda – ainda tem muito avanço a ser feito pelos melhores -, portanto as chances da McLaren ser campeã nos próximos três anos com Honda são próximas de zero.

Mais, dependendo do tipo de motor que a F1 escolher para entrar a partir de 2021, a McLaren podia fazer seu próprio motor e assim usar a F1 como a Ferrari usa, ou seja, para vender 10x mais carros super-esportivos de rua do que a McLaren.

Pra mim a única razão que escolheram continuar com a Honda é porque a Mercedes não deve ter aceitado fornecer os mesmos motores que fornece para sua equipe, mas sim o motor do ano anterior. Some-se a isso o fato da Honda “contribuir” com cerca de USD 100 milhões com a equipe e pimba, tempos a combinação perfeita para a saúde financeira da McLaren abrindo mão de reais chances de um título pelas próximas três temporadas.

Ron Dennis deve estar dando risada em sua casa…

E Fernando Alonso?
Eu digo que Alonso não fica mais andando atrás ou no máximo no meio do pelotão, ou seja, ele não continua na McLaren, a menos que ele encontre as portas fechadas na Mercedes, Ferrari e Red Bull.

Isso quer dizer que a McLaren vai virar uma equipe “estepe” para Alonso, no que ele está muito certo. A ironia é que até alguns anos atrás os pilotos se estapeavam para conseguir um assento ma McLaren…

A melhor chance de Alonso é a Ferrari no lugar de Raikkonen, a menos que o finlandês tenha mais uma vida, o que seria sobrenatural ao quadrado…

Ferrari e Alonso já fizeram as pazes, a Ferrari já reconheceu oficialmente que nunca entregou um carro capaz de ganhar um título pra ele. Mesmo em 2010 o que Alonso fez beirou o milagre em levar a disputa até a última corrida daquele ano. Sim, se ele tivesse conseguido ultrapassar Petrov em Abu Dhabi ele teria sido campeão com a Ferrari, mas aí temos que considerar dois fatores.

O primeiro é que um título não se ganha ou se perde numa única corrida, ou nesse caso numa única manobra. Um título é o resultado da soma do que acontece durante toda uma temporada. E a Red Bull era um carro muito melhor desde a segunda metade da temporada de 2009.

O segundo é que se Alonso não conseguiu ultrapassar Petrov naquele dia é porque muito provavelmente ninguém conseguiria.

A segunda melhor chance de Alonso é na Red Bull. Isso mesmo, Red Bull. A família Verstappen não está nada satisfeita com a equipe austríaca. Max fala em sair toda hora e seu pai Jos já foi visto várias vezes conversando com o pessoal da Ferrari, principalmente Arrivabene, que nega tudo de pés juntos, mas está louco pelo holandês.

O problema é a Red Bull aceitar perder um fenômeno para um concorrente direto. O outro problema é Jos Verstappen fazer o ambiente da equipe virar um inferno, caso eles não liberem seu filho para a Ferrari. Os austríacos sabem de tudo isso e por essa razão não querem que Carlos Sainz saia da Toro Rosso de jeito nenhum.

Mas existe o fator Alonso, que compensaria imediatamente a perda de Verstappen. Alonso é um piloto absolutamente pronto, maduro, experiente, um cara que se sentar na Red Bull vai tirar tudo do carro no mesmo dia. E ele está tão louco por um assento competitivo que aceita abaixar muito seu salário atual, já que a Red Bull é uma equipe que paga muito menos para seus pilotos do que Mercedes e Ferrari.

O temperamento também melhorou bastante. Os anos estão fazendo muito bem para o espanhol e o paddock está impressionado em como Alonso está muito mais calmo do que costumava ser.

A Mercedes também é uma opção, mas é a que menos eu aposto neste momento. Hamilton ainda tem contrato para 2018 e Bottas vai mostrando que é melhor que a encomenda, além de ter carinho e atenção especiais de Toto Wolff desde os tempos da Williams.

Quanto a vetos, que é algo que os fãs adoram falar, isso não existe mais na F1 há tempos. Não há qualquer piloto na F1 atual que tenha direito a veto sobre contratação de companheiro de equipe. Qualquer uma dessas equipes citadas acima contrata o piloto que quiser sem precisar sequer consultar algum de seus pilotos.

E se essas minhas previsões estiverem certas, Sebastian Vettel vai finalmente ter uma senhora pedreira como companheiro de equipe em 2018. Isso acontecendo, será a chance do alemão calar a boca de muita gente, ou dar-lhes razão. Quem sabe…

Em tempo: Na primeira vez que Vettel teve um companheiro de equipe pedreira, não deu muito certo. Em 2014 Daniel Ricciardo chegou sem fama de “bicho papão” na Red Bull e cravou o tetracampeão mundial na época.

Adauto Silva
Leia e comente outras colunas do Adauto Silva

AS - www.autoracing.com.br

ATENÇÃO: Comentários com textos ininteligíveis ou que contenham ofensas não serão aprovados pelo moderador.