F1 – Ferrari tem o melhor motor, mas não são 55 hp

UP Ferrari 2019

A Ferrari possui a UP mais potente da F1 há mais de um ano, e continua confundindo todo mundo como Maranello está conseguindo fazer isso.

Enquanto as outras UPs finalmente parecem convergir – acredita-se que Renault e Honda, com suas especificações mais recentes, estejam em média a 15 hp da Mercedes – a Ferrari continua a ter uma vantagem decisiva sobre todos. A análise de GPS é fornecida às equipes em cada corrida pela FIA, além de um aparelho – que algumas equipes usam – chamado audímetro que mede a potência do som, certificam isso na prática.

O GPS mostra também que o torque/aceleração da UP Ferrari é a melhor de todas. Os carros vermelhos aceleram mais rápido e portanto chegam antes na velocidade final. E essa é uma grande vantagem.

A partir dessas informações, pode-se calcular – com um grau de precisão decente – o que todos têm. A vantagem da Ferrari no Q3 sobre a Mercedes tende a ser de cerca de 20 hp e metade disso na corrida.

Foi no meio da temporada do ano passado, quando o Cavalinho Rampante começou a dar coices mais fortes e manteve essa vantagem mesmo quando os outros melhoraram. Mas em Spa e Monza, mesmo considerando os pacotes aerodinâmicos de baixo downforce que essas pistas exigem, a diferença sobre a Mercedes aumentou – chegando a 30 hp na qualificação e 20 na corrida.

Relatos loucos de uma vantagem da Ferrari acima de 50 hp em Monza parecem ser simplesmente uma tradução direta das velocidades lineares sem levar em conta a diferença de downforce/arrasto entre o SF90 com seu pacote aerodinâmico específico de Monza e o W10, com uma asa traseira idêntica à a de Spa, exceto pela exclusão da borda posterior do elemento superior.

Mas, ainda assim, deixa um aparente mistério do por que a brecha sobre a Mercedes subitamente aumentou nos dois últimos eventos. Há um elemento de paranoia na consulta da concorrência sobre essa vantagem no questionamento da Mercedes e da Red Bull. Realmente começou um ano atrás, quando Toto Wolff, no pós-corrida em Spa, disse: “É completamente humano que se você esteja sendo superado na pista, você está olhando para si mesmo e para onde está faltando e então está olhando para seus concorrentes.”

“E se você não tem a explicação, está tentando imaginar todas as coisas desagradáveis possíveis. Não tenho nenhuma informação, mas tenho verdadeira fé na FIA. Há um grande grupo de pessoas que está no topo das coisas, que controlam toda e qualquer equipe com mente aberta. No que me diz respeito, elas estão fazendo todas as coisas certas.”

Essa paranoia ainda não havia desaparecido um ano depois, após comentários de Toto que a aparente vantagem da Ferrari é “ridícula nesse tipo de pista”. Mas por que especificamente a aparente nova vantagem nas duas últimas corridas? Bem, não pode-se publicar as leituras reais do GPS, mas elas são fáceis o suficiente para acessar a partir do paddock. E o que elas mostraram em Spa é a aparente potência da Mercedes diminuindo em relação à Renault e à Honda. A diferença entre Ferrari e Renault / Honda permanece praticamente a mesma.

E isso sugere que a UP da Mercedes havia estagnado, enquanto todas as outras melhoraram.

Essa foi a corrida em que a Mercedes lançou seu novo motor Spec 3 – que falhou na Racing Point de Sergio Perez (no treino) e na Williams de Robert Kubica (no Q1). A Mercedes disse que não extraiu toda a potência de seus motores como medida de precaução. Será? Na corrida, as comunicações de rádio de Hamilton e Bottas com a equipe sugeriram o oposto.

A vantagem da velocidade linear da Ferrari em relação à Mercedes foi realmente “ridícula” em Spa, mas foi uma combinação de arrasto mais baixo usual da Ferrari somado a uma vantagem de potência ainda maior do que o habitual.

As leituras de GPS no primeiro setor da classificação mostram que a Racing Point, movido a Mercedes, foi significativamente mais rápida nas retas, mas não compensou o que perdeu para a Mercedes pela lentidão na La Source no início da volta. De fato, o rastreio de velocidade da Racing Point tem praticamente a mesma forma que o da Ferrari, confirmando o aspecto do arrasto.

Em Monza, a Ferrari lançou sua própria atualização de motor. Mas sua vantagem sobre a Mercedes não foi maior do que em Spa – ou seja, ainda em torno de 30 hp na classificação, 20 na corrida. Mas a Mercedes havia subido em relação à Renault e à Honda. Tudo isso sugere que os alemães se sentiram confiantes o suficiente para executar o motor com mais força do que em Spa, mas isso apenas manteve a diferença em Spa – graças à nova UP Ferrari spec 3.

Obviamente, existem todos os tipos de teorias sobre a fonte da vantagem de potência da Ferrari. Elas incluem, de alguma forma, arrefecer ainda mais a carga de entrada para aumentar o fluxo de combustível, mas são apenas teorias. Obviamente há uma razão pela qual o motor Ferrari é atualmente o melhor. Assim como havia boas razões para a Mercedes ter o melhor motor nos quatro anos anteriores. É provavelmente uma razão muito engenhosa e guardada a 70 chaves. Mas isso é apenas competição. Esqueça a histeria de ’55 hp de potência a mais’.

AS - www.autoracing.com.br

Tags
, , , , , , , ,

ATENÇÃO: Comentários com textos ininteligíveis ou que faltem com respeito ao usuário não serão aprovados pelo moderador.