F1 – Ferrari muito italiana para o título, diz Ecclestone

Maurizio Arrivabene e Bernie Ecclestone

A Ferrari pode estar pronta para perder seu chefe de equipe.

Depois de Sochi, a mídia italiana concordou amplamente que a disputa da equipe de Maranello pelo título de 2018 está definitivamente encerrada.

“Como a Ferrari perde um campeonato mundial em três meses”, escreveu o La Republica. “Um gol contra depois do outro”.

No entanto, a imprensa italiana também criticou o uso de ordens de equipes pela Mercedes na Rússia, mas Sebastian Vettel, da Ferrari, defendeu a equipe de Lewis Hamilton.

“O que eles fizeram como equipe fez todo o sentido”, disse o alemão. “Eu sei que a mídia adora controvérsia e esse tipo de pergunta e não é o que as pessoas querem ver, mas o que eles fizeram certamente fez sentido”.

Também está claro que, apesar de recentemente ter o carro mais rápido, a Mercedes pode agora ter voltado à frente com seus últimos desenvolvimentos.

“Espero que seja uma história diferente na próxima corrida, mas acho que eles encontraram algo”, disse Kimi Raikkonen.

Bernie Ecclestone acredita que o problema na Ferrari pode ser a total “italianização” da equipe que não vence um campeonato mundial desde o de Raikkonen em 2007.

Rumores da imprensa italiana dizem que o chefe Maurizio Arrivabene pode estar seguindo em frente, tendo sido apontado como um potencial substituto para o técnico da Juventus.

O grande time de futebol italiano é dirigido pela família Agnelli, que tem ligações estreitas com a Ferrari.

O La Republica diz que Arrivabene é o preferido para se tornar CEO. Mattia Binotto seria o primeiro na fila para substituí-lo na Ferrari.

Quando perguntado sobre a disputa pelo título de 2018 da Ferrari, Ecclestone disse à francesa Auto Hebdo: “Agora é uma equipe muito italiana. Eu disse a alguém outro dia que está como era antes”.

Quando perguntado se Ecclestone estava se referindo à era de Schumacher e Todt, Ecclestone esclareceu: “Não, antes disso”.

“Tivemos Jean Todt que os tornou não tanto italiano e Michael foi o verdadeiro líder da equipe”, explicou. “Eu acho que esse tipo de organização está faltando agora”.

Ecclestone disse que a Ferrari pode aprender muitas lições com sua rival Mercedes.

“A Ferrari trabalha de uma maneira totalmente diferente da Mercedes. Eles (Mercedes) têm uma equipe que está apenas correndo, sem nada a ver com a empresa”, disse ele.

Quer concorrer a uma réplica do capacete do Ayrton Senna? Clique AQUI e palpite sobre quem vai vencer o GP do Japão de Formula 1 no próximo domingo!

IB - www.autoracing.com.br

Tags
, , , , , , , , , , , ,

ATENÇÃO: Comentários com textos ininteligíveis ou que faltem com respeito ao usuário não serão aprovados pelo moderador.