F1 – Ferrari, Mercedes e Red Bull lideram oposição às regras de 2021

Formula 1 – GP do Brasil

Seis das dez equipes indicaram em um questionário organizado pela Ferrari, Mercedes e Red Bull que elas não concordam com parte dos planos originais da FIA e Liberty Media para 2021.

Somente Alfa Romeo, McLaren, Renault e Williams preferiram as novas regras propostas às existentes. A Toro Rosso seguiu a Red Bull, a Racing Point a Mercedes e a Haas a Ferrari.

E duas dessas quatro propuseram subsequentemente mudanças nas regras de 2021.

As partes se reunirão em 16 de outubro para discutir mais a questão.

Há um prazo final de 31 de outubro para que as regras técnicas de 2021 sejam decididas e até agora não houve indicação da FIA, órgão mundial do automobilismo ou F1 de que eles recuarão.

Se um compromisso não puder ser alcançado, a Ferrari tem o direito de vetar o pacote de regras para 2021, mas entende-se que a equipe italiana prefere que as questões não cheguem nesse ponto.

Ferrari, Mercedes e Red Bull enviaram um questionário após uma reunião no GP de Cingapura no mês passado, na qual as equipes receberam o último rascunho das regras de 2021.

A introdução de restrições mais severas à liberdade de desenhos levou várias equipes a expressarem preocupações.

Na reunião, o presidente da FIA, Jean Todt, disse que não queria impor um conjunto de regras sem acordo. O francês pediu às equipes que indicassem suas posições sobre as várias questões e sugerissem alternativas.

O questionário fez cerca de 10 perguntas, incluindo se as equipes preferiram seguir adiante com as regras propostas para 2021 ou seguir as regulamentações existentes. No caso das novas regras, também foi perguntado se deveria haver mais liberdade de desenho e o que as equipes achavam sobre a padronização de peças.

Apenas Alfa Romeo, McLaren e Renault indicaram imediatamente que escolheriam a atual proposta de 2021, enquanto a Williams o fez alguns dias depois.

As respostas das equipes foram comunicadas ao Conselho Mundial da FIA, o órgão legislativo do esporte, pelo chefe da equipe da Ferrari, Mattia Binotto, em 4 de outubro.

Desde então, houve uma reunião do grupo de trabalho técnico da FIA e dos principais engenheiros das equipes, em que a Alfa Romeo e a McLaren estavam entre as que propuseram mudanças nas regras de 2021.

A F1, sob a liderança do ex-chefe da Mercedes, Ross Brawn, trabalha há mais de dois anos em um novo conjunto de regulamentos técnicos, com o objetivo de equilibrar o grid e criar corridas melhores , facilitando as ultrapassagens.

Um limite de orçamento já foi acordado e conta com o apoio das principais equipes, mas as discussões sobre as mudanças planejadas nos carros ainda estão em andamento.

A F1 quer mudar a maneira como os carros produzem downforce para facilitar que os carros sigam uns aos outros de perto e, portanto tenham chances maiores de ultrapassar, com a proposta de uma maior proporção do downforce ser produzida pelo assoalho, numa espécie de efeito-solo, que não é tão eficaz como o do fim dos anos 70 e início dos 80.

A ideia é que o ar turbulento produzido pelo carro na frente seja bastante reduzido.

A F1 também quer limitar a liberdade de desenho, a fim de tornar mais difícil para aqueles com mais recursos desfazer o trabalho de agora e criar carros com essa vantagem sobre os outros.

Espera-se que isso acabe com a natureza de dois níveis da F1, que tem um segundo pelotão mais de um segundo por volta mais lento que as três equipes principais – Mercedes, Ferrari e Red Bull.

Quais são as objeções às novas regras?
As principais equipes têm preocupações com as regras existentes por vários motivos:

A possibilidade de consequências não intencionais, bem como o risco de introduzir tantas mudanças significativas nas regras de uma só vez, enquanto se afasta das regulamentações que foram desenvolvidas organicamente ao longo de muitos anos. A F1 está introduzindo um desenho de carro totalmente novo, várias peças padrão e alterando o tamanho dos pneus de 13 polegadas para 18 polegadas e pneus de perfil muito baixo, que têm um efeito significativo no desenho da suspensão e da aerodinâmica.

Mudar as regras pode levar o grid a se espalhar ainda mais, em vez de diminuir as diferenças atuais, especialmente porque as principais equipes poderão dedicar seus recursos muito maiores ao pacote de regras para 2021 no próximo ano, antes que o limite de orçamento entre em vigor.

Eles argumentam que as regras técnicas não são a principal causa de problemas quando os carros correm juntos e afirmam que a natureza frágil dos pneus Pirelli – que superaquecem facilmente quando os pilotos pressionam muito ou seguem outro carro – é uma questão muito maior.

Eles acreditam que as regras propostas para 2021 são muito restritivas e farão com que os carros pareçam iguais – ainda mais do que hoje.

Eles se opõem às propostas de peças padrão, que acreditam não apenas ir contra a filosofia da F1, mas também não reduzirão custos e levarão a carros mais pesados ​​e de menor qualidade.

Algumas equipes menores – assim como outras da F1 – acreditam que Ferrari, Mercedes e Red Bull estão tentando proteger sua vantagem competitiva mantendo as regras iguais. As principais equipes negam que essa seja sua motivação.

O que acontece depois?
Ferrari, Mercedes e Red Bull apresentaram sua própria proposta para 2021 para a FIA e F1 na quinta-feira. Isso foi baseado na proposta da F1, considerando o que eles consideram aspectos mais positivos e adicionaram espaço para desenvolvimento para garantir que os carros não fossem todos iguais.

Sob a estrutura de governança existente, a FIA e a F1 podem simplesmente impor as regras às equipes.

Todt sempre preferiu administrar o esporte com uma abordagem conciliatória e colegiada, em contraste com o adotado por seu antecessor, Max Mosley.

E tentar impor as regras corre o risco de a Ferrari usar seu veto – o que efetivamente forçaria a FIA a seguir os regulamentos existentes.

AS - www.autoracing.com.br

Tags
, , , , , , , , ,

ATENÇÃO: Comentários com textos ininteligíveis ou que faltem com respeito ao usuário não serão aprovados pelo moderador.