F1 – Autoracing Power Ranking 2019 – Parte 1

Autoracing Power Ranking

Nessa semana, assim como prometido, o Autoracing vai divulgar o Ranking Geral dos pilotos de F1 de 2019. Você vai ver as colocações de todos os pilotos começando hoje e terminando nessa sexta-feira!

O critério para as notas é o menos empírico possível e levou em consideração os erros e acertos de cada piloto nos treinos livres, na classificações e corridas de toda a temporada de 2019. Mas o mais importante foi a performance relativa ao nível do carro de cada piloto e a seus adversários mais diretos, com os eventuais erros das equipes sendo descartados.

O ranking abaixo é o resultado da médias das notas que cada piloto recebeu em todos os GPs de 2019.

Os textos foram distribuídos entre os votantes de todas as corridas de 2019 assim:

Do P20 ao P17 – Eduardo Behling
Do P16 ao P13 – Leandro Schimidt
Do P12 ao P9 – Bruno Aleixo
Do P8 ao P5 – Fabio Campos
Do P4 ao P1 – Adauto Silva

Robert Kubica

20. Robert Kubica

Uma história linda de superação. Robert Kubica voltou a competir na Fórmula 1 oito anos após sofrer um grave acidente de rally, que danificou seriamente os movimentos do seu braço direito. Desde então, vinha competindo esporadicamente de rally. Foi piloto reserva da Williams em 2018, sendo promovido no ano seguinte, tendo um bom patrocínio polonês a tiracolo.

Mas nas pistas, o desempenho não correspondeu. Claro que há de se considerar que tinha em mãos disparadamente o pior carro da temporada. Nem ele nem George Russell conseguiam sair da última fila do grid, a não ser com problemas adversários. Kubica “apanhou” de Russell por humilhantes 21 a 0 em definições de grid, sendo sempre cerca de meio segundo mais lento em todas as pistas. Em corridas, vez por outra, conseguia andar na frente. E conseguiu, pasmem, o único ponto da Williams em 2019, um décimo lugar no “maluco” GP da Alemanha, após ser beneficiado pela desclassificação dos carros da Alfa Romeo.

Romain Grosjean

19. Romain Grosjean

Romain Grosjean cumpriu com o que se esperava dele após suas últimas temporadas na Fórmula 1. Ou seja, muito pouca coisa. Sempre envolvido em confusões dentro das pistas, não é surpresa que tenha sido o piloto que mais abandonou corridas em 2019. O franco-suíço não completou sete dos 21 GPs, a maioria por causa de acidentes. Em velocidade pura, tem sido superado com frequência pelo companheiro de equipe Haas, Kevin Magnussen. Perdeu por 13×8.

Também foi vítima do carro de sua equipe, que tinha velocidade em treinos mas despencava nas corridas, sendo mais rápido apenas do que a Williams. Fez pontos em apenas três corridas, com dois 10º lugares na Espanha e em Mônaco e um sétimo na Alemanha. Terminou o ano com oito pontos, em 18º na tabela,

Lance Stroll

18. Lance Stroll

Muito pouco se esperava de Lance Stroll na Racing Point. A antiga equipe Force India foi comprada por seu pai, Lawrence, que lhe presenteou com uma vaga ao lado do experiente Sergio Perez. Em treinos classificatórios, definitivamente o canadense deixou a desejar. Era figura constante como um dos eliminados no Q1. Largou à frente do colega mexicano em apenas três dos 21 GPs disputados.

No entanto, em corridas, Stroll conseguia progredir melhor. Uma grande qualidade sua era ser um bom largador, e constantemente ganhava posições em primeira volta, sempre se escapando de enroscos e toques com outros pilotos. Chegou por quatro vezes em nono e uma em décimo lugar, mas seu melhor resultado foi um surpreendente quarto lugar no GP da Alemanha, disputado em pista molhada, onde se deu muito bem em termos de estratégia e foi para a frente no trecho final da prova. Totalizou 21 pontos, sendo 15º na temporada.

Kevin Magnussen

17. Kevin Magnussen

Ao contrário da temporada passada, Kevin Magnussen não apareceu com grande destaque em 2019. O piloto dinamarquês foi muito limitado pela piora do carro da Haas, que tinha seus momentos de brilho nos treinos classificatórios, mas caía drasticamente de rendimento durante as corridas, devido a problemas com os pneus Pirelli. Por outro lado, viveu menos polêmicas do que em 2018, falando de toques com outros pilotos. Teve alguns enroscos com Romain Grosjean, seu companheiro de equipe.

Magnussen conseguiu vencer por 13×8 Grosjean em disputas de grid. Começou bem com um sexto lugar no GP da Austrália, mas que acabou sendo seu melhor resultado do ano. Foi sétimo colocado no GP da Espanha, oitavo na Alemanha e nono na Rússia, e foram as únicas quatro vezes em que marcou pontos, tendo abandonado duas provas. Terminou o campeonato em 16º lugar com 20 pontos.

Ranking Piloto  Média final
17 Kevin Magnussen 6,22
18 Lance Stroll 6,1
19 Romain Grosjean 5,73
20 Robert Kubica 5,37

Eduardo Behling
Santa Cruz do Sul – RS

Quem votou?

Adauto Silva: publicitário, jornalista, ex-kartista, ex-piloto amador, editor chefe do Autoracing e comentarista do Loucos.
Fabio Campos: jornalista especializado em automobilismo e comentarista do Loucos.
Bruno Aleixo: kartista, jornalista especializado em automobilismo e comentarista do Loucos.
Leandro Schmidt: jornalista especializado em automobilismo, vice-campeão mundial de simulador de F1, vencedor da única etapa do Trofeu Maserati que participou em Interlagos e colaborador do Autoracing.
Eduardo Behling: jornalista especializado em automobilismo e colaborador do Autoracing.

Clique AQUI para fazer suas apostas esportivas

AS - www.autoracing.com.br

Tags
, , , , , , ,

ATENÇÃO: Comentários com textos ininteligíveis ou que faltem com respeito ao usuário não serão aprovados pelo moderador.