Bratches: 40 novos locais querem receber a F1

Sean Bratches

Sean Bratches

Sean Bratches, novo chefe comercial da Fórmula 1, disse que interesse foi expresso de cerca de 40 locais diferentes que poderiam se tornar potenciais locais de GPs no futuro.

Ao contrário de aceitar as melhores ofertas comerciais que são oferecidas, a Liberty Media escolherá eventos baseados no que eles podem oferecer para a F1, com grande parte desse foco nos circuitos de rua nas principais cidades em oposição às instalações permanentes, imitando o calendário da Fórmula E.

“No momento, pela operação do Acordo de Concórdia, o limite é de 25 (corridas por temporada)”, afirmou Bratches. “Nos sete meses em que estou neste trabalho, provavelmente eu tive cerca de 40 países, cidades, municípios, principados abordando-me sobre o interesse em hospedar uma corrida de F1, o que é extremamente encorajador”.

“Historicamente, tem sido um processo muito reativo em termos de cidades que chegam à F1 com interesse. Estamos tentando girar e nos tornar muito mais proativos na identificação de cidades e locais que são acentuantes para nossa marca e nossa estratégia de hospedagem de corridas onde você pode ativar grandes bases de fãs – particularmente nos centros da cidade”, acrescentou. “Eu não acho que você terá muitas outras pistas construídas de propósito”.

Quando perguntado quais os locais atuais vão cair fora do calendário da F1, Bratches se recusou a comentar: “você vai ver alguns caindo, e alguns adicionados. Estamos muito ansiosos para maximizar as oportunidades desses GPs”.

Bratches também tem planos para dividir a temporada, reordenar e agrupá-la em diferentes regiões que veriam uma perna asiática, européia e americana da temporada. Isso beneficiaria a Fórmula 1 em logística e marketing.

“Neste momento, estamos pulando por todo o mundo sem cadência pensativa”, disse ele. “Em um mundo ideal e esquecendo a ordem, você teria o primeiro terço das corridas na Europa, o segundo terço nas Américas e a última parcela na Ásia. O que isso faz é permitir que você crie eficiências em termos de viajar nesse circo”.

“Quando atravessamos a Europa, há 350 veículos de 18 rodas que nos levam de volta, e 10 boeings 747 que voam ao redor do mundo. A outra oportunidade do ponto de vista do fã é poder dizer a ele que pelos próximos dois ou três meses, você terá que se levantar cedo para assistir os GPs, nos dois meses seguintes, será ao meio dia, e (então) à noite”, acrescentou.

“Em termos de audiência, acho que é muito interessante. E então, de um ponto de vista comercial, se você possui uma entidade que só opera na Europa, é muito difícil agora ativá-la nos GPs na Europa, porque nós chegamos e vamos. Agindo dessa forma, cria-se oportunidades patrocinadoras”, concluiu Bratches.

EB - www.autoracing.com.br

Tags
, , , , , , , , , , , , , , ,

ATENÇÃO: Comentários com textos ininteligíveis ou que faltem com respeito ao usuário não serão aprovados pelo moderador.