A trajetória de Ron Dennis na Formula 1

f1-dennis-mclaren-rosto-700

Ron Dennis

Acabou a história de mais de 37 anos de Ron Dennis na McLaren. O que você vai ler abaixo é um histórico de como ele começou e tudo que fez nessa trajetória ultra bem sucedida de um dos homens mais importantes da história da F1.

As principais fontes desse resumo são o site da McLaren, a BBC, a Wikipédia e o próprio Autoracing, que acompanhou de perto os últimos 17 anos de Ron Dennis na Formula 1.

Quando ele foi forçado a sair da McLaren em novembro, Dennis disse às pessoas que ele voltaria, que ele encontraria uma maneira de se vingar dos antigos amigos e parceiros que haviam acabado seu reinado na empresa que era sua vida.

Mas isso nunca aconteceu, dado o poder e a riqueza de seus adversários dentro da empresa.

O anúncio de sexta-feira de que Dennis havia vendido a participação restante de 25% na McLaren para esses adversários e formalmente se separou da empresa, foi o resultado de um golpe numa sala de reuniões durante o inverno no final de 2016.

Dennis é um gigante da F1 e da indústria britânica, que foi forçado a sair da empresa que ele construiu – que o tornou o chefe de equipe mais bem sucedido da história da F1, que agora é um dos principais fabricantes de carros esportivos do mundo – por seus próprios parceiros.

É uma história com muitos aspectos de uma tragédia grega: um homem brilhante, que perde o que mais gosta, pelo menos em parte por causa de suas próprias falhas.

Em seu coração é a história de uma amizade quebrada – entre Dennis e seu parceiro Mansour Ojjeh, que foram aliados próximos por três décadas antes de se desentenderem alguns anos atrás.

Por quê? Há histórias no paddock da F1, incluindo algumas que vamos detalhar no final desse texto.

O que está claro é que o problema tornou-se muito pessoal antes que Ojjeh finalmente ganhasse a batalha.

f1-mansourojjeh-dennis

Mansour Ojjeh e Ron Dennis

Na verdade, não é difícil ver como alguém poderia se desentender com Dennis.

Sem dúvida, um homem brilhante, ele também tem uma personalidade intensamente complexa: generosa e leal por um lado, sem tato e arrogante do outro. Ele também pode ser muito encantador, divertido e auto-depreciativo.

E há 20 anos, ele contou uma história muito engraçada sobre suas próprias tendências obsessivas-compulsivas bem conhecidas.

Era sobre a nova casa que ele e a esposa Lisa compraram, nas quais as fontes haviam sido instaladas nas roseiras. Quando a fonte foi ativada pela primeira vez, Dennis disse que ficou horrorizado ao ver que elas jorraram em linha, ao invés de tudo ao mesmo tempo.

Aquilo não servia, ele disse ao designer do jardim. Elas tinham que funcionar tudo de uma só vez. “Mas Sr. Dennis”, respondeu o designer, “custará uma fortuna para começar novamente, instalar todas as bombas necessárias e assim por diante”. Dennis disse que não se importava. Tinha que ser feito. Ele não podia olhar para aquilo do jeito que estava.

No entanto, sua condescendência e a sua atitude paternalista podem tirar o fôlego e ele fez muitos inimigos ao longo do caminho.

Frank Williams e Ron Dennis

Frank Williams e Ron Dennis

Para os jornalistas, ele se orgulhava publicamente de sua repetida afirmação de que ele seria econômico com a verdade, mas na verdade não mentiria para você. No entanto, às vezes ele mentia.

No final da década de 1990, Andrew Benson da BBC descobriu que a Mercedes estava prestes a comprar uma participação significativa, mas ainda minoritária, na McLaren e foi a Dennis para verificar isso. “Quem é a sua fonte?” perguntou Dennis. Quando Benson disse que não revelaria a fonte, Dennis respondeu que Benson deveria obter uma nova fonte, porque aquela estava totalmente fora da realidade.

Duas semanas depois em Silverstone, Dennis anunciou que a Mercedes comprou uma participação de 40% na McLaren.

Quando foi questionado sobre isso, ele inicialmente tentou afirmar que a pergunta havia sido feita de modo errado, antes de eventualmente confessar que havia mentido. “Eu tive que”, disse ele.

Em Silverstone, no ano passado, quando perguntado o que aconteceria quando seu contrato acabasse em meados de janeiro de 2017. Ele disse: “Oh, não se preocupe com isso. Eu assinei por mais dois anos”.

Dennis nasceu e cresceu em Woking, na Inglaterra, e estudou engenharia automotiva no Guildford Technical College. Ele começou a trabalhar para a equipe Cooper de Formula 1 em 1966 como mecânico aos 18 anos, onde trabalhou ao lado do piloto principal, Jochen Rindt. Em 1968, Rindt foi para Brabham e levou Dennis com ele. Para a temporada de 1969, Rindt mudou-se para a equipe Lotus; Entretanto, Dennis preferiu continuar trabalhando para Jack Brabham.

Ron Dennis trabalhando para Jack Brabham

Ron Dennis trabalhando para Jack Brabham

Quando Brabham resolveu se aposentar em 1971, Dennis e seu amigo Neil Trundle decidiram começar sua própria equipe. Em 1971, a Rondel Racing foi fundada em Woking. Dinheiro era necessário para ter uma equipe competitiva e Dennis tentou encontrar patrocínio. Através da namorada de Ron, que era filha de John Phelps, diretor de Phelps Antique Furniture na cidade de Twickenham, um dos seus clientes regulares Tony Vlassopulos, filho de um armador grego, foi convidado a patrocinar a equipe Rondel. Vlassopulos perguntou a seu amigo Ken Grob, presidente da Alexander Howden, corretora de seguros em Londres, se ele estava interessado em patrocinarem juntos a equipe. Grob disse sim na condição de que seu filho Ian Grob pudesse fazer parte da equipe, o que foi acordado. A partir desse momento, Vlassopulos tornou-se o primeiro patrocinador de Dennis.

Rondel Racing Dennis é o segundo da esquerda para a direita

Rondel Racing Dennis é o segundo da esquerda para a direita

Em meados da década de 1970, a equipe estava desfrutando um sucesso considerável na Formula 2. A Rondel aspirava ser mais do que uma equipe cliente, no entanto, e Dennis logo conseguiu encontrar um patrocínio adicional com a fabricante francesa de óleos lubrificantes Motul, para ajudar a financiar um carro Rondel de F1. Para 1974, um carro de F1 desenhado por Ray Jessop foi planejado, mas a crise de energia afetou o apoio da Motul. No entanto, em última análise, Dennis não tinha o dinheiro de qualquer maneira e, assim, Trundle continuou com o carro já desenhado por Jessop e Vlassopulos e Grob assumiram a posse, com o carro se tornando The Token.

Ron Dennis, John Barnard e John Watson

Ron Dennis, John Barnard e John Watson

Mas Dennis não desistiu e formou uma equipe de F2 apoiada pela Marlboro com dois pilotos talentosos e bem patrocinados do Equador. Em 1975, Dennis fundou a equipe Project Three, e seus carros voltaram a se tornar vencedores de corrida. No final da década de 1970, Dennis fundou o Project Four Racing.

Esta equipe teve um grande sucesso na Formula 2 e na Formula 3, conquistando campeonatos em 1979 e 1980 com o apoio da Philip Morris (Marlboro). A Project Four também participou do programa de construção de carros de corrida Procar BMW M1. À medida que seus interesses comerciais se tornavam cada vez mais lucrativos, Dennis tentou retornar à F1, contratando o talentoso projetista John Barnard para encabeçar o projeto e o desenvolvimento de um novo e inovador carro de F1.

O retorno de Dennis à Formula 1 foi no tempo certo. A recente e fraca atuação da equipe McLaren, ex-vencedora de campeonatos mundiais, levou o executivo da Philip Morris, John Hogan, a iniciar uma aquisição da marca pela operação do Project Four de Dennis. A operação foi bem sucedida criando a McLaren International e, em última instância, colocando o filho de trinta e quatro anos no controle total da empresa. Além de contratar Barnard para começar a trabalhar no novo e revolucionário chassi com compósito de fibra de carbono da equipe, o MP4/1, Dennis também recrutou com sucesso a Porsche para construir os motores dos carros de 1984 a 1987.

Watson vence GP da Inglaterra no primeiro carro de compósito de fibra de carbono

Watson vence GP da Inglaterra no primeiro carro de compósito de fibra de carbono

A designação “MP4” originalmente representava o Marlboro Project Four (o projeto MP4/1 estava completo antes da fusão). Após a mudança de patrocinador título em 1997, a mesma abreviação foi mantida, com o ‘M’ agora significando McLaren. O sistema de numeração foi mantido até 2017 quando foi substituído por “MCL” após a partida de Dennis.

Após três títulos de pilotos e dois de construtores entre 1984 e 1986 com Niki Lauda e Alain Prost, a competitividade da McLaren começou a piorar, já que foram superados pela Williams-Honda. Dennis assinou com o brilhante projetista da Brabham Gordon Murray, convenceu a Honda a deixar a Williams pela McLaren e assinou com Ayrton Senna. Em 1988, a combinação McLaren-Honda-Senna-Prost varreu tudo que podia, deixando de conquistar apenas uma corrida.

A McLaren dominou por mais três anos, mesmo depois de Prost, no final de 1989, após seus famosos problemas com Senna. Então, a Williams com motores Renault, tornou-se a força dominante do início e meio dos anos 90.

Ayrton Senna em Monza 1988

Ayrton Senna – McLaren 1988

Mas Dennis não terminou com a pilhagem da Williams. Em 1996, ele convenceu seu projetista, Adrian Newey, a se juntar a ele, um movimento que iniciou o próximo período de dominação da McLaren em 1998-99 com os títulos de Mika Hakkinen, antes da Ferrari assumir o comando com Michael Schumacher.

Em 2000 Dennis foi nomeado Comandante da Ordem do Império Britânico.

Em 2001, Dennis enfrentou uma crise entre seus funcionários quando o chefe da Jaguar, Bobby Rahal, tentou tirar Newey da McLaren. Os detalhes de como Dennis convenceu Newey a permanecer são extremamente vagos, mas os rumores na imprensa especializada em automobilismo sugeriram um acordo que permitia ao projetista trabalhar em barcos de corrida. No mesmo ano, o piloto Mika Hakkinen, anunciou que deveria deixar o esporte. Diante da perda de seu principal piloto bicampeão mundial, Dennis assinou com outro finlandês, Kimi Raikkonen.

Em 2005, Dennis permaneceu no topo do esporte depois de um ano ruim em 2004. Apesar de produzir sua performance mais forte por vários anos e ganhar mais grandes prêmios do que qualquer um de seus rivais, a McLaren foi batida em 2005 e 2006 pela equipe da Renault F1. Mais um golpe foi o anúncio de que Adrian Newey se juntaria à Red Bull Racing no início de 2006.

Em dezembro de 2005, a McLaren anunciou um acordo de patrocínio-título com a Vodafone estimado em 500 milhões de libras esterlinas, além de assinar com o bicampeão mundial Fernando Alonso, ambos para começar em 2007. Entretanto, a McLaren teve uma temporada difícil em 2006, não conseguiu ganhar uma corrida pela primeira vez desde a temporada de 1996. No meio da temporada de 2006, a McLaren desistiu de aperfeiçoar seu carro atual e a equipe focou no carro MP4-22 de 2007.

O início da temporada de 2007 viu a McLaren em melhor condição, com apenas a Ferrari como desafiante pelo título. Sua dupla de pilotos era explosiva, com Fernando Alonso e o novato-fenômeno Lewis Hamilton na corrida pelo campeonato de pilotos contra Raikkonen e Massa da Ferrari.

Hamilton e Alonso em 2007 na McLaren

Hamilton e Alonso em 2007 na McLaren

No entanto, ao longo da temporada de 2007, a equipe sofreu com a luta entre Alonso e Hamilton. Relembrando Prost x Senna, Dennis sempre defendeu o tratamento igualitário entre seus dois pilotos.

No entanto, após o GP da China de 2007, ele disse: “Não estamos correndo contra Kimi, estamos basicamente correndo contra Fernando”. O jornal The Times disse que esse comentário “não combinava com suas alegações de tratar seus pilotos de forma igual”, mas a insistência da equipe na paridade até a última corrida no Brasil sublinhou a filosofia do núcleo de Dennis, mesmo que, em última análise, a equipe tenha perdido o campeonato mundial.

A temporada também foi notável pela controvérsia da espionagem sobre a Ferrari, onde a equipe foi julgada como cúmplice no roubo e uso da propriedade intelectual da Ferrari. A McLaren tomou uma multa recorde de USD 100 milhões da FIA, e foi despojada de todos os pontos do campeonato de construtores daquela temporada.

Fernando Alonso foi considerado um traidor por chantagear a McLaren em razão de alguns emails que ele havia trocado com Pedro de la Rosa. O espanhol ameaçou mostrar esses e-mails para a FIA (em relação ao caso de espionagem) e ficou totalmente sem clima dentro da equipe. O Autoracing na época tinha uma fonte dentro da McLaren e foi o primeiro veículo de imprensa no mundo a publicar que Alonso tinha sido demitido no dia 9 de outubro de 2007, mais de 20 dias antes do anúncio oficial.

Ron Dennis anunciou em 16 de janeiro de 2009 que ele desistiria de ser diretor da equipe McLaren em 1 de março de 2009, para ser substituído por Martin Whitmarsh. Em 16 de abril de 2009, Dennis teria entregue o controle completo da equipe da McLaren F1 a Whitmarsh, citando o desejo de enfrentar novos desafios, especialmente com foco nos carros de rua esportivos da McLaren.

Martin Whitmarsh

Martin Whitmarsh

Em 17 de novembro de 2011, o primeiro-ministro David Cameron abriu formalmente o Centro de Produção da McLaren, um novo edifício ao lado do Centro de Tecnologia McLaren. “Quero que este país seja respeitado pelo que fazemos, bem como os serviços que oferecemos”, afirmou o primeiro-ministro. “A McLaren, ao abrir novos caminhos, é uma poderosa resposta para aqueles que dizem que a base de fabricação da Grâ Bretanha se foi. As visitas a lugares como este me deixam otimista de que podemos sair da tempestade e sair com força”. No período compreendido entre 22 de abril de 2005 a 16 de junho de 2011, o Partido Conservador aceitou £ 126.200 em doações de Ron Dennis.

Mas depois de 2008, quando Hamilton ganhou o título com um McLaren na última curva da última volta da última corrida daquela temporada – o GP do Brasil -, a McLaren não conquistou mais nenhum título da F1. Martin Whitmarsh foi demitido em agosto de 2014 e Ron Dennis voltou a ser o chefe de equipe.

Lewis Hamilton e Ron Dennis

Lewis Hamilton e Ron Dennis

O Autoracing entende que que a sequência de erros que levou à derrocada final de Dennis na McLaren, começou no final de 2012 quando Lewis Hamilton anunciou que deixaria a McLaren pela Mercedes e seus sócios culparam Dennis por sua intransigência nas negociações com o piloto, que muitos já consideravam como sendo o melhor do mundo.

O segundo grande erro de Dennis veio um pouco depois, quando também foi considerado culpado pela perda do patrocínio da Vodafone, por pedir um valor alto demais na renovação. A parceria terminou no GP do Brasil de 2013.

Em 2014 a F1 inaugurou um regulamento totalmente novo de motores extremamente complexos e únicos no mundo. A McLaren parecia bem, pois era parceira de décadas do melhor fabricante dos novos motores; a Mercedes. Mas no final do ano Dennis rompeu a parceria com a Mercedes e trouxe a Honda de volta para a Formula 1. E o fracasso – até aqui retumbante dessa parceria, provavelmente foi a gota d’água que faltava para os sócios de Dennis conspirarem contra ele até conseguirem o tirar completamente da organização na sexta-feira passada.

Lógico que pagaram por isso. Dennis vai levar 275 milhões de libras esterlinas (cerca de R$ 1.175 bilhão) por sua parte na organização. Justamente dos que conspiraram contra ele.

Ron Dennis era o “último dos moicanos” da velha guarda na F1 que ainda estava na ativa até seis meses atrás. Agora, com 70 anos não parece provável que ele retorne à F1 com outra equipe, apesar do clamor de muitos fãs que adoram e respeitam a grande obra que o britânico construiu praticamente a partir do zero com a equipe Rondel Racing em 1971.

Ronald Dennis

Ronald Dennis

AS - www.autoracing.com.br

ATENÇÃO: Comentários com textos ininteligíveis ou que contenham ofensas não serão aprovados pelo moderador.