Jump to content
Forum Autoracing

Recommended Posts

USP: a inclusão social no lixo

 

 

É profunda a desmoralização em que se encontra a mais importante universidade do país, a Universidade de São Paulo. Era a instituição-líder entre todas as universidades da América Latina. Não é mais. Perdeu o posto para a Pontifícia Universidade Católica do Chile, mais bem avaliada pela consultoria britância QS, especializada em rigorosos estudos comparativos entre instituições de ensino superior.

A queda vai ao encontro do apontado por outro ranking de universidades, o THE (Times Higher Education), que no ano passado fez a USP desabar 68 posições na classificação das melhores do mundo _passou de 158º lugar em 2012 para 226º.

 

É grave porque mostra, entre outras coisas, a perda da relevância científica da USP. Mas é muito pior.

 

Relatório do Tribunal de Contas do Estado provou que a burocracia universitária soube cuidar muito bem dos seus próprios interesses. Assim é que a casta que domina a USP, fingindo-se de morta em relação à lei federal que proíbe os funcionários públicos estaduais de ganhar acima do salário do governador, permitiu-se a festa com recursos públicos:
O próprio reitor e mais 166 docentes foram flagrados pelo tribunal ganhando mais do que Geraldo Alckmin (PSDB) em 2011. Enquanto o governador recebia um contra-cheque mensal de R$ 18.725, os hierarcas uspianos abocanhavam proventos de até R$ 26.000.

 

Para complicar, agora se sabe, a universidade comprometeu 105% dos R$ 6 bi que recebe anualmente do Estado de São Paulo em pagamento de salários. Está falida. Não tem verba para comprar equipamentos, para atualizar as bibliotecas, para investir no futuro. Para pagar as empresas de limpeza e segurança etc. etc. etc.

 

Mas o mais vergonhoso é o estado atual do campus Leste da USP, que sedia a Escola de Artes, Ciências e Humanidades, em Ermelino Mattarazzo, periferia pobre de São Paulo. Na sua inauguração, em 28 de fevereiro de 2005, estiveram presentes, entre outros, o governador Geraldo Alckmin, o vice-governador, Cláudio Lembo; e o então prefeito da Capital, José Serra. “Isso mostra que a USP Leste é uma vitoriosa experiência de inclusão social”, empolgou-se o reitor Adolpho Jose Melfi, em discurso.

 

Para demonstrar a tese, a reitoria evocou a configuração da primeira turma da USP Leste. Dos 1.020 alunos selecionados pelo vestibular, 31% moravam na zona leste (42% se considerados os municípios vizinhos), 47% cursaram o ensino médio em escolas públicas, 21% eram negros e 39% tinham renda familiar de até R$ 1.500,00.

 

Na USP de maneira geral, em 2013, apenas 2,4% dos calouros eram pretos. Os pardos constituíam 11,3% do total de aprovados no vestibular. Os amarelos eram 6,5% e os indígenas apenas 0,2%. O resto (79,6%) era uma Escandinávia branca.

 

“Estamos levando a universidade às regiões mais necessitadas, para alavancar o desenvolvimento de nosso Estado”, disse Alckmin na inauguração. “Hoje foi dado apenas o primeiro passo da USP Leste, que vai continuar crescendo. O Estado de São Paulo tem um compromisso permanente com a Educação”, asseverou o governador.

 

Agora se sabe o tamanho da mentira por detrás dos discursos, já que a USP, sempre tão arrogante e palavrosa a respeito de sua própria excelência , foi de um desleixo acintoso com a sua ala “pobre” na zona Leste. Na prática, “a vitoriosa experiência de inclusão social” produziu uma USP podre.

 

E não por culpa dos alunos.

 

Pois não é que os gênios que projetaram a USP Leste, “o projeto mais participativo em toda a história da Universidade”, nas palavras do professor Celso de Barros Gomes, tiveram a capacidade de colocar estudantes, professores e funcionários para conviver sobre um lixão coalhado de substâncias tóxicas, gás metano e riscos de contaminação?

 

Um mapa com as sondagens feitas em 2013 no terreno da USP Leste mostra a presença –em concentrações superiores aos padrões de referência ambiental– de produtos como cianeto (veneno usado nas câmaras de gás nos campos de extermínio nazistas), arsênio (extremamente tóxico, responde por milhões de doentes e mortos em todo o mundo), além de moléculas menos famosas, como o benzo(b)fluoranteno, de comprovada ação carcinogênica (que causa câncer) ou compostos organoclorados como os PCBs, relacionados a alterações na função do fígado, problemas oculares, elevação do índice de mortalidade por câncer, fadiga, dor de cabeça e nascimentos prematuros com deformações.

 

Todo esse veneno, é bom que se esclareça, foi localizado ao lado de salas de aula, quadras esportivas e restaurante. No estacionamento.

 

Um relatório elaborado a pedido da Reitoria da USP considera que a situação teve origem “no recebimento de terra de origem não especificada em grande volume, a qual foi empregada para retificação do solo”. Um erro primário.

 

Mas a situação seria ruim mesmo sem a terra de origem desconhecia, já que o campus da USP Leste foi construído sobre uma montanha de lama preta, resíduos da dragagem do leito do rio Tietê!

 

Nem precisa ter estudo. Qualquer catador de lixo sabe que esses resíduos cheios de matéria orgânica, ao apodrecerem, geram bolhas subterrâneas, cheias de gás metano (o mesmo usado nos postos de combustível e chamado de gás natural). E foi o que aconteceu no solo da USP Leste.

 

Medições da concentração de metano em um edifício construído para abrigar o restaurante universitário no campus demonstraram que o gás penetrou por fissuras no prédio. Podia ir tudo pelos ares, em explosão.

 

Tamanhos problemas e o resultado foi a interdição total do campus com o remanejamento dos cursos de graduação e pós-graduação para pelo menos 14 diferentes lugares, distantes em até 40 km, distribuídos entre as dependências alugadas de uma universidade privada localizada na zona leste de São Paulo, as cedidas por outra faculdade pública, e pelos demais campus da USP, em Pinheiros e no Butantã, no extremo oposto da cidade.

 

“Estou cansado de ser tratado pior que um animal sem condições de ter a aula de qualidade que sempre almejei. [Me esforcei] por três anos para entrar na USP só para acabar tendo aulas improvisadas . Não quero ser um profissional que se formou de qualquer maneira”, escreveu um estudante de obstetrícia no site “Each e Seus Problemas”

http://eachseusproblemas.wordpress.com/, com depoimentos de professores, estudantes e funcionários.

 

Segundo o Diretório Central de Estudantes da USP, a construção das instalações da USP Leste custou R$ 40 milhões aos cofres públicos. Agora, tudo está às moscas e não há um prazo definido para que as aulas sejam ali retomadas. São necessárias obras para a correção dos problemas.

 

Tristíssima, para não dizer grotesca, é imagem da “inclusão social” feita à moda da USP , com pobres, pretos e egressos da escola pública tendo aulas sobre um lixão tóxico.

 

Em tempo 1: quem escolhe o reitor da USP é o governador do Estado, a partir de uma lista tríplice de candidatos indicados por um conselho formado em sua maioria por burocratas universitários.

Em tempo 2: o Estado de São Paulo é administrado há 20 anos por sucessivas gestões do PSDB.

Link to post
Share on other sites

Engraçado que até agora somente há uma preocupação em mostrar que o PSdb é mentiroso e rouba. Agora por que o Pt não corta na propria carne para dar o exemplo?

Essa transposição do Rio são francisco que não termina,e esse monte de escandalos em que a unica coisa que é dita é que não se pode prejulgar .

Quem deve estar feliz com este governo deve ser quem tem algum vinculo com ele, seja trabalhando ou prestando serviço.

Quem é da iniciativa privada está com a corda no pescoço. Eu mesmo faz muito tempo que não consigo trabalhar uma semana inteira , há relatos de amigos que já ficaram um mês parados , varias transportadora estão se fundindo ou trabalhando em conjunto para reduzir custos , em breve se iniciarão demissões em diversos setores .

Por isso que as coisas não melhoram , por que o atual governo ao invés de governar fica executando seu projeto de poder e fazendo papel de policia .

Isso aqui vai virar uma Cuba . E quem ficar indo pela cabeça do PT vai se lascar também , votaram no prefeito Haddad e ele já está com 50 % de rejeição.

Link to post
Share on other sites
Engraçado que até agora somente há uma preocupação em mostrar que o PSdb é mentiroso e rouba. Agora por que o Pt não corta na propria carne para dar o exemplo?

Essa transposição do Rio são francisco que não termina,e esse monte de escandalos em que a unica coisa que é dita é que não se pode prejulgar .

Quem deve estar feliz com este governo deve ser quem tem algum vinculo com ele, seja trabalhando ou prestando serviço.

Quem é da iniciativa privada está com a corda no pescoço. Eu mesmo faz muito tempo que não consigo trabalhar uma semana inteira , há relatos de amigos que já ficaram um mês parados , varias transportadora estão se fundindo ou trabalhando em conjunto para reduzir custos , em breve se iniciarão demissões em diversos setores .

Por isso que as coisas não melhoram , por que o atual governo ao invés de governar fica executando seu projeto de poder e fazendo papel de policia .

Isso aqui vai virar uma Cuba . E quem ficar indo pela cabeça do PT vai se lascar também , votaram no prefeito Haddad e ele já está com 50 % de rejeição.

 

Não seja binário, Coelho.

 

Primeiro ... aqui é pasta do Aécio/PSDB, e como o assunto é eleição e atinge todo mundo, a briga entre as opiniões é feroz, dentro da civilidade.

 

Se fosse pasta do Corinthians ou da NASCAR eu nem estaria aqui.

 

Segundo ... expor os problemas de uma candidatura não significa querer desviar a opinião para outra.

 

No meu caso, que votei no FHC no primeiro mandato, e votei no Covas, vi que fui iludido por uma equipe ineficiente, sem conhecimento administrativo algum e, pior, com péssimas intenções.

 

Não quero este partido me governando nunca mais, e faço campanha contra o quanto puder, pois é preciso combater a hipnose midiática que eles orquestram há tempos.

 

É o que há de pior como opção, tanto quanto blocos carlistas ou malufistas.

 

Sobre o PT? Abramos uma pasta sobre eles e a forremos de acusações concretas.

 

Me entristece muito ver eleitores de um e de outro argumentarem só com "porque não" sem nada prá ajudar no "porque sim", caracterizando uma ilusão extremamente cega, que só agrava qualquer esperança de tornar isso aqui uma sociedade justa, organizada e em evolução.

Link to post
Share on other sites
Não importa quem vencer, nada vai mudar.

 

Nem opção de projetos existe, nem opção real de voto existe.

 

Porem antes isso doq uma ditadura.

Mas isso É uma ditadura.

Eles ditam e nós obedecemos, até sem perceber. A diferença é que os métodos mudaram.

  • Like 1
Link to post
Share on other sites

O encontro de dois escândalos, matéria do Leonardo Dupin e vale a pena ler, tem imagens e documentos no link onde peguei a matéria.

 

Só colei aqui o texto mas a matéria com detalhes pra quem quiser está no link abaixo.

 

http://blogdojuca.uol.com.br/2014/08/o-encontro-de-dois-escandalos/

 

POR LEONARDO DUPIN*

 

Uma distância de apenas 14 quilômetros separa os dois escândalos recentes da política nacional que envolvem dois senadores por Minas Gerais, o ex-presidente do Cruzeiro, Zezé Perrela (PDT) e o candidato a presidente Aécio Neves (PSDB).

 

A pista de pouso e decolagem construída durante o governo de Aécio Neves em Cláudio, no Centro-Oeste mineiro, em um terreno que pertenceu a fazenda do tio avô do candidato tucano fica distante 14 quilômetros de Sabarazinho, um povoado de Itapecerica, também no Centro-Oeste Mineiro, onde o helicóptero da empresa Limeira Agropecuária, da família do senador Zezé Perrela, fez uma parada para reabastecimento carregado com 445kg de pasta base de cocaína, em novembro do ano passado.

 

A parada em um ponto de Sabarazinho aconteceu três horas e meia antes da apreensão da aeronave por policiais militares e federais em um sítio em Afonso Cláudio, no Espírito Santo. O valor da carga é estimada em R$ 10 milhões, podendo multiplicar por dez com o refino. Segundo o inquérito da PF, o carregamento foi feito em Pedro Juan Cabalero, no Paraguai, e tinha como possível destino Amsterdam, na Holanda, o que configura tráfico internacional.

 

No dia 20 do mês passado, reportagem do jornalista Lucas Ferraz, da Folha de S.Paulo, revelou que Aécio Neves construiu a pista na fazenda que pertenceu a seu tio-avô, além de ficar próxima a uma propriedade da família do candidato.

 

Na última semana, Aécio Neves admitiu que já usou a pista, mesmo o espaço ainda não tendo sido homologado pela Agência Nacional de Aviação Civil.

 

O investimento do governo mineiro para a construção da pista foi de R$ 14 milhões. Cláudio tem 25 mil habitantes e está distante 50 quilômetros de Divinópolis, onde já existia uma pista de pouso e decolagem.

 

O cruzamento dos dois escândalos do helicóptero e da pista é comprovado pelos documentos considerados sigilosos do inquérito da Polícia Federal (PF), que este repórter teve acesso.

 

A PF constatou, com base no rastreamento do GPS do helicóptero e nas anotações do plano de vôo dos pilotos, ambos apreendidos e examinados pela perícia técnica, que o helicóptero carregado com quase meia tonelada de pasta base de cocaína parou em um ponto próximo ao povoado de Sabarazinho.

 

Segundo o inquérito da PF, no dia 24 de novembro de 2013, às 14h17, aproximadamente três horas e meia antes do helicóptero ser apreendido pela polícia no município de Afonso Cláudio, no Espírito Santo, a aeronave ficou parada por trinta minutos numa fazenda do povoado, onde duas pessoas aguardavam o pouso com galões de combustível.

 

A localidade fica a 14 quilômetros da pista de Cláudio e também das fazendas da família Tolentino, onde nasceu Risoleta Neves, esposa de Tancredo Neves e avó de Aécio Neves.

 

O município de Cláudio chega, inclusive, a ser citado no inquérito na análise das mensagens telefônicas dos pilotos, que foram captadas pelas Estações de Rádio Base (ERB), que são os equipamentos que fazem a conexão entre os telefones celulares e a companhia telefônica.

 

 

Mapa mostra distância entre a pista de pouso e o local em que o helicóptero parou para reabastecimento

 

 

Detalhe do inquérito da PF, com o local de parada do helicóptero em Sabarazinho

 

Suspeita que não foi desvendada

 

O helicóptero foi apreendido no dia 24 de novembro. Três dias depois, 27 de novembro, após a apreensão ganhar destaque na mídia, o proprietário da terra fez uma denúncia para a Polícia Militar de Divinópolis. Segundo a PM, tal denúncia foi feita de maneira anônima.O proprietário afirma que avistou um helicóptero sobrevoando a região em baixa altitude e depois encontrou em suas terras 13 galões, de 20 litros cada, com substância semelhante a querosene.

 

Como o Boletim foi realizado após a apreensão do helicóptero, o delegado da Polícia Federal em Divinópolis, Leonardo Baeta Damasceno, afirma no inquérito não descartar o envolvimento de pessoas da região e recomenda como imprescindível uma diligência sigilosa no local, para saber quem são o dono do terreno e as pessoas que tem livre acesso ao local.

 

Porém, ainda de acordo com o inquérito que esse repórter teve acesso a diligência não foi realizada. Em outra página do inquérito, o proprietário é inocentado sem explicação convincente, dessa vez por documento assinado pelo agente da PF, Rafael Rodrigo Pacheco Salaroli, que afirma: A total isenção da propriedade e de seu proprietário na empreitada criminosa, restando, portanto, a terceiros sem ligação com o local, a atuação delituosa de reabastecimento da aeronave.

 

 

Trecho do inquérito descartando a investigação no local do abastecimento em Sabarazinho

 

Parente é serpente

 

Tancredo Aladim Rocha Tolentino é primo de Aécio Neves e filho de Múcio Guimarães Tolentino, o tio-avô do candidato tucano que teve a terra desapropriada para a construção da pista em Cláudio. Quêdo, como é conhecido, é o responsável, segundo o jornal Folha de São Paulo, por controlar a chave do aeroporto público de Cláudio, que fica distante seis quilômetros da fazenda frequentada por Aécio Neves.

 

Em 2012, Quêdo tentou se candidatar a prefeito de Cláudio, mas foi impedido pela lei da Ficha Limpa devido a pendências judiciais. Meses antes, Quêdo foi preso na operação Jus Postulandi, da Polícia Federal, por participar de uma quadrilha especializada na venda de habeas corpus para traficantes de drogas.

 

Quêdo, segundo a denúncia, fazia a intermediação do negócio. Ele recebia a quantia, que variava entre R$ 120 mil e R$ 240 mil dos traficantes, ficava com uma parte do dinheiro e repassava o restante ao desembargador Hélcio Valentim, que determinava a expedição de alvará de soltura dos presos.

 

Em três casos descritos na denúncia realizada pelo subprocurador-geral da República Eitel Santiago, as liminares foram negociadas para favorecer presos por tráfico de drogas. Um dos beneficiários foi preso em flagrante, em julho de 2010, num sítio do distrito de Marilândia, também pertencente a Itapecerica, com cerca de 60 quilos de pasta-base de cocaína.

 

O processo será julgado no STJ e Quedo responderá por formação de quadrilha e três vezes por corrupção, duas delas ativa qualificada.

 

Trechos da denúncia do procurador Etiel Santiago, que acusa o primo de Aécio Neves de participar de uma quadrilha de venda de habeas corpus para traficantes de drogas.

 

* Leonardo Dupin é jornalista e doutorando em Ciências Sociais na Unicamp.

Link to post
Share on other sites

Join the conversation

You can post now and register later. If you have an account, sign in now to post with your account.

Guest
Reply to this topic...

×   Pasted as rich text.   Paste as plain text instead

  Only 75 emoji are allowed.

×   Your link has been automatically embedded.   Display as a link instead

×   Your previous content has been restored.   Clear editor

×   You cannot paste images directly. Upload or insert images from URL.

Loading...




×
×
  • Create New...