Jump to content
Forum Autoracing

miane

Members
  • Content Count

    1,403
  • Joined

  • Last visited

  • Days Won

    62

Everything posted by miane

  1. Rafael Camara venceu a primeira etapa do WSK Champions Cup, bateu o Jr da Mercedes Andrea Kimi Antonelli nas últimas voltas. O Miguel Costa Jr que é piloto da Sauber com 11 anos ficou dentro do top 10 na maior parte da final, depois caiu para 13, bom resultado também.
  2. Na live do Dudu parece que o Bortoleto vai ir para a FRECA e não ficar mais um ano na F4. Acho um tiro no pé poderia fazer mais um ano de F4 e pegar a F3 regional bem mais fraca ano que vem e em uma equipe melhor, visto que a Prema já está com o trio fechado.
  3. Se não me engano a questão do alongamento da parte dianteira foram para ganhos de segurança, então acho difícil mudarem muito na dianteira.
  4. Esse ano o grid está muitoooo competitivo. Paul Aron piloto Mercedes, não foi muito bem ano passado mas se espera vir bem mais forte. Gabriele Mini exterminou a concorrência na F4 italiana, inclusive o Dino que é piloto Ferrari. Esse apesar de ter tomado um pau ano passado conseguiu acompanhar e às vezes até andar na frente do Zhou na F3 asiática no mesmo carro. Vidales estreou com vitórias na Formula Renault ano passado, para alguns dizem que é o próximo Alonso. Hadrien David teve um ano ruim ano passado também mas venceu a F4 francesa na estreia. Isack Hadjar teve bons resultados na F3 asiática parece um bom piloto assim como o Saucy. No meio desse povo todo o Barrichello está ali, sem experiência na europa, tudo novo pra ele, eu acho que vai ser bem difícil ele andar até no top 10. Tomara que surpreenda.
  5. Saiu hoje que fraturou o maxilar, torcer pra ter sido só isso.
  6. Comentaram no Reddit que ele vai ter um engenheiro que era da Prema. Talvez isso ajude bastante. E dessa vez a vantagem da experiência do Martins é reduzida porque neste carro em si os dois são novatos.
  7. Se transmitirem certinho a F2 e F3 talvez eu não assine devido a estar em uma fase da vida que estou economizando rs Mas tem coisas bem legais como selecionar a câmera dos pilotos etc.
  8. Vazou hoje: 29 mensal e 280 anual. Se pensar que só temos 9 meses de corrida não compensa o anual, só pra quem quer ver replay.
  9. Ele "só" tem que vencer o Martins e conseguir alguns bons resultados. O difícil vai ser ele vencer o Martins.
  10. Collet confirmado com o Martins na MP.
  11. O Samaia não sei nem o que foi fazer na F2, ele correu com o Drugovich na Euroformula e lá já não foi grande coisa, imagina na F2. Porém nos testes pós-temporada ele surpreendeu alguns com bom ritmo, vi comentários de alguns pilotos até sem entender porque ele estava tão rápido (ele testou pela Charouz).
  12. O filho dele já era meio que gerente da equipe e pelo que ouvi é também o Empresário (manager) do Petecof agora.
  13. Todos os boatos era que ele queria contrato de 3 anos ou 2 e a Mercedes que queria apenas de 1 ano. Passou algum tempo e esses boatos se confirmaram, isso pode forçar ainda mais a decisão dele sair.
  14. Talvez tenha sido uma boa ideia já que ficar na HWA iria colocar muita pressão por resultados em uma equipe não tão boa. Só acho que poderia ter ido direto para a Indy Lights.
  15. Vai ser bem difícil se sobressair na Campos, pelo menos ele tem o primeiro ano sem pressão nenhuma. Acho que é uma jogada BEM melhor do que ficar na F3 em uma equipe pequena.
  16. Enzo vai pros EUA na Indy Pro 2000 pela Andretti. Collet muito provavelmente pela MP. Como conversei com o Mitz e concordo com você seria bom se fosse na F2 mas vai ser na F3 mesmo. Igor Fraga saiu da Red Bull e perdeu a vaga na Hitech, até agora sem notícias. Petecof até agora sem notícias também.
  17. Se não me engano ele tem 500mil dólares da premiação da FREC e também ainda o patrocínio da Shell, da Americanet e outra empresa que esqueci o nome. Eu acho que deve ser suficiente pra correr por uma equipe mediana na F3. Ai é depender dele tirar um leite de pedra. Se não fosse o dólar tão alto ajudaria bem mais os patrocínios.
  18. Matéria bem interessante do Caio Collet: Espero em breve contar para vocês onde estarei correndo este ano, mas enquanto negociamos os últimos detalhes, decidi escrever um pouco mais sobre a minha vitória em Ímola, em outubro do ano passado, quando corremos junto com a Fórmula 1. Cheguei a mencionar na última coluna que foi um dos dias mais atípicos que eu já tive e vivenciei na minha vida. Nesta etapa, a Fórmula Renault Eurocup correu como preliminar da Fórmula 1. Então, tínhamos de estar na pista bem cedo. O evento teve apenas dois dias em sua programação oficial (sábado e domingo). Na sexta-feira, tivemos de fazer o teste de Covid-19, como protocolo de segurança. No entanto, só saberíamos o resultado no sábado, chegando ao autódromo. Por volta de 7 horas, eu já estava na pista. Só entraria no paddock quem estivesse com o teste negativo, obviamente. Felizmente, meu teste deu negativo, bem como o do Claudio (Monteiro), um dos meus patrocinadores, que estava comigo nesta corrida. Cheguei nos boxes, cumprimentei o pessoal e vi que estavam faltando algumas pessoas. Nossa equipe, a R-ace GP, era composta por um total de oito pessoas e só tinham seis. Foi quando descobri que um mecânico, que cuidava da montagem e desmontagem dos pneus, e meu engenheiro (Cyril Comte) não puderam entrar, pois tiveram o teste positivo para Covid-19. Ou seja, meia hora antes do primeiro treino, eu estava sem engenheiro e foi tudo na correria. Colocamos o chefe de equipe (Thibaut de Merindol) como meu engenheiro para fazer o primeiro treino, só pra ter alguém para falar comigo no rádio e passar algumas informações básicas. Foi um pouco estranho, mas já havíamos planejado no dia anterior o que deveria ser testado neste treino e também foi uma sessão bem curta. Mas… Como diz o ditado, não há nada tão ruim, que não possa piorar (risos). Depois deste treino, as pessoas que tiveram contato direto com o meu engenheiro nos dias anteriores também foram obrigadas a se retirarem e ficarem em quarentena. Um foi o meu chefe de equipe, além de uma outra pessoa que cuidava da logística da R-ace GP. Então, no final, da equipe inteira sobrou um engenheiro (Benjamin Schrutt, do meu companheiro Michael Belov) e dois mecânicos. Fomos para a tomada de tempos assim. Eu fiquei em terceiro no grid e, da tomada para a corrida, me comuniquei por celular com meu engenheiro. Ele fez eu escrever tudo o que gostaria de mudar no carro, eu baixei os dados de telemetria, tive de virar um engenheiro por um dia pra me virar (risos). Começamos a discutir por celular o que iríamos fazer. Passei tudo para um papel e entreguei para o mecânico, para ele poder mexer no acerto do carro. O mecânico fez os ajustes corretos, mas eu ainda precisava de alguém pra ficar comigo durante a corrida, passando as informações, falando como eu estava e principalmente para ajudar com os ajustes finos, após a volta que saímos dos boxes, se fosse preciso mudar algo no grid. O engenheiro do meu companheiro de equipe acabou ficando comigo no rádio e fizemos algumas mudanças ali no grid, que sem dúvida ajudaram muito na vitória desta corrida. Foi uma prova bem movimentada, com dois Safety Car. Larguei em terceiro, mas logo na largada eu consegui assumir a ponta e venci. Foi um dia inesquecível e que vai ficar marcado na minha memória para sempre. Nunca imaginei que um dia eu iria correr sem engenheiro, sem chefe equipe, sem mecânicos… Então, foi uma experiência de muita superação e, no final, de alegria para todos da R-ace GP.
  19. Petecof nada. Ele tem alguma grana, provavelmente acho que consegue uma vaga, problema é em que equipe. Já o Igor Fraga não sei, talvez escolham outro rumo pra carreira dele, até porque ele já está uns 2-3 anos acima da média de idade da F3. Vesti foi confirmado como Jr da Mercedes e vai correr na Art. O Smolyar também foi confirmado na Art. Acho que a terceira vaga está entre o Collet e o Martins.
  20. Igor Fraga não irá correr pela Hitech, a vaga foi para o Stanek (que era um dos nomes cogitados na Art). Aparentemente o Fraga também saiu do programa da Red Bull.
  21. Pelo visto a Art vai fechar com Smolyar, Vesti com certeza. A terceira vaga parece estar para o Stanek mas ainda há chance. E ainda estaria na briga o Martins além do Collet. O que tem se falado é que Martins, Collet e Van der Helm vão ir para a MP, o que não é de todo ruim mas não é o ideal para quem quer chegar na F1 é um belo golpe. Vamos esperar pra ver se rola a vaga na Art, que não é também muito melhor que a MP mas é mais consistente.
  22. Saiu o ranking do Formula Scout (maior site sobre as categorias de acesso à F1): 1. Yuki Tsunoda 2. Mick Schumacher 3. Callum Ilott 4. Theo Pourchaire 5. Oscar Piastri 6. Robert Shwartzman 7. Christian Lundgaard 8. Felipe Drugovich Although there were little doubts over Drugovich’s talents, considering his demolition of the 2018 Euroformula Open field and part in the 2017 ADAC F4 title fight, few people expected him to be challenging for wins in his maiden F2 campaign – particularly with a team that had only ever won two sprint races since it joined the second tier in 2013. Not only did Drugovich challenge for and win races, but he also dominated them too – right from his debut weekend at the Red Bull Ring when he converted reversed-grid pole position into a comfortable first F2 victory. Having already qualified on the front row on debut, he proved he wasn’t just a driver who could only bag good results in sprint races when he took pole position during the second Silverstone weekend. He felt he should have won the Barcelona feature race which went instead to his MP Motorsport team-mate Nobuharu Matsushita, but he did go on to win the sprint race. Spa marked his lowest point of the year as he and Matsushita collided at Blanchimont, another contributing factor towards unrest within the team that threatened to derail Drugovich’s solid rookie year. Drugovich firmly put his season back on track with a fourth-place finish in a crazy Mugello race, and he earned his first-ever feature race victory in the first race in Bahrain. This led to praise from F2 rival Callum Ilott, who called on F1 teams to watch him closely. He took third-place one week later to secure ninth in the drivers’ championship, and he was confirmed as Ilott’s replacement at Virtuosi for 2021. Based on the evidence of his stellar rookie F2 year, Drugovich has to be among the title favourites next year. 9. Logan Sargeant 10. Victor Martins 11. Frederik Vesti 12. Liam Lawson 13. Caio Collet Collet was in a fairly unenviable position this year: Tasked as a Renault junior with beating a driver who had been let go by the manufacturer because he finished second in the championship the year before. In the end, he couldn’t do it, but there should be little shame in coming second to Victor Martins given that Collet is a year younger and a year less experienced. His year didn’t exactly start well. He looked quick when the Toyota Racing Series began, but too many crashes took their toll and left him seventh in the standings. Then he was one of the Renault junior drivers forced to spend two weeks quarantined in a Tenerife hotel after a training camp. Once the Eurocup season finally got underway, all of that was quickly forgotten about, and Collet took his opportunity to grab his first win at Monza and become the early championship leader. In the middle of the season there was a run of five races in which Collet and Martins locked out the top two places. That Collet only won one of those hurt him in the championship, but the margin between the pair was usually much smaller than the one back to third place – most strikingly at Zandvoort. Collet continued to challenge with his wins at Imola and Hockenheim, but he was thwarted by retirements through no fault of his own in the other races on those weekends. The resulting final margin of 44 points was unfair on Collet, who deserves to keep his Renault ties for a move up to FIA F3. 14. Gabriele Mini 15. Jak Crawford 16. Jonny Edgar 17. Nikita Mazepin 18. Franco Colapinto 19. Gianluca Petecof Even if Petecof had run out of budget mid-season as many feared, he still would have come fifth in FREC such was his early form. The results may have tailed off once that extra sponsorship was secured, but he still won the title and was the strongest of the full-time drivers on the grid. All four of his wins came in the first nine races, and either by a small margin or a substantial one he was the driver to beat in the opening three rounds at Misano, Paul Ricard and the Red Bull Ring. Five poles in a row demonstrated his single-lap prowess, and his race pace was very strong too. The racecraft that had made him such a tricky rival to beat wheel-to-wheel in F4 wasn’t as aggressive as it used to be, but he didn’t have to really use it until his Prema team stopped being the dominant force in FREC. At that point you do wonder if Petecof needed to bring back some of his Schumacher-style ability in combat, but what he’d toned down there had made him a more rounded driver more capable of picking up results. It wasn’t until the second half of the season that he finished a race lower than fourth, and he was one of two drivers to score points in all 23 races. Once his highly-rated team-mate Arthur Leclerc tried to put his mark on the title, Petecof responded calmly to just pick up more points and reduce any advantage his fellow Ferrari junior had pulled out. 20. David Vidales 21. Arthur Leclerc 22. Dan Ticktum 23. Lirim Zendeli 24. David Beckmann 25. Alex Quinn 26. Guanyu Zhou 27. Yifei Ye 28. Oliver Rasmussen 29. Juri Vips 30. Francesco Pizzi 31. Louis Deletraz 32. Linus Lundqvist 33. Ritomo Miyata 34. Patrik Pasma 35. Alex Peroni 36. Kas Haverkort 37. Sting Ray Robb 38. Jake Hughes 39. Luke Browning 40. Kaylen Frederick 41. Zak O’Sullivan 42. Ayumu Iwasa 43. Igor Fraga Igor Fraga’s 2020 was more up-then-down rather than up-and-down. The Brazilian defeated defending Toyota Racing Series champion Liam Lawson to the crown to kick off the year in style. His championship-winning campaign was aided by his knowledge of the Regional F3 car, but it was still impressive considering he’d never raced on any of the New Zealand circuits. This led to Fraga earning Red Bull junior driver status as he prepared for his maiden FIA F3 campaign with Charouz Racing System. He began the season with a spirited charge from last on the grid (30th) to 16th, but he had to wait until the second Silverstone round to earn his first point of the season. Fraga earned Charouz’s best qualifying result of the year at Monza with a seventh-place (post-penalties for nine drivers), and he overtook championship contender Logan Sargeant to move into sixth place in the early stages of the race before technical issues dropped him to 24th. He was also wiped out of the Hungarian reverse-grid race earlier in the season by eventual race winner Bent Viscaal whilst he was running in a points-paying position. It was a move which cost Viscaal his maiden FIA F3 victory and Fraga some valuable points. It’s telling that all three of Charouz’s original line-up left the team before the final round, and Fraga deserved better than the measly one point he picked up. While an early debut with Hitech GP was denied at Mugello, he can hope for much better with the team in 2021. 44. Lorenzo Colombo 45. Jehan Daruvala 46. Clement Novalak 47. Alexander Smolyar 48. Christian Rasmussen 49. Louis Foster 50. Hunter Yeany
  23. Éééé se for analisar por fatos ele tem boas coisas no currículo. Em 2018 foi vice na GP3 ficou na frente do Ilott e perdeu por pouco para o Hubert. Este ano também ele foi muito bem, superou o Guiotto mais experiente e ficou em um bom quinto no campeonato. Estes dois anos sozinhos já são bem mais relevantes que qualquer coisa que Pietro tenha feito na carreira. Eu não me surpreenderia se ele bater o Schumacher ano que vem, anote aí.
×
×
  • Create New...