Stock Car – Comentários de sábado – Velopark 2019

Marcos Gomes

Thiago Camilo, P1: Toda a equipe sofreu com a nossa falta de resultados em 2018, mas mostramos que as adversidades podem servir como motivação para se trabalhar ainda mais duro e dar a volta por cima. A partir da metade do ano passado, quando já não estávamos mais brigando pelo título, fizemos uma série de experimentações no carro, e a maior parte não deu certo. Trabalhamos em cima disso. Numa categoria extremamente competitiva como a Stock Car, que não tem treinos, saber o que não se deve fazer já é um ponto de partida. Hoje demos o primeiro passo. Amanhã, faça chuva ou faça sol, vamos brigar por essa vitória.

Marcos Gomes, P5: Acredito que não teria como ser melhor largar na terceira fila na estreia de uma equipe. O nível da categoria é altíssimo e acredito que isso torna a situação ainda mais difícil para um time novato do que até mesmo para um piloto. Estou muito contente, logicamente enquanto piloto eu sempre quero estar na frente. Acredito que o Q3 poderia ter sido melhor, poderíamos ter largado pelo menos na quarta posição. O objetivo agora é o de corrigir alguns detalhes do equipamento e deixar os mecânicos tranquilos e concentrados para um pit stop perfeito. Esta será a nossa primeira corrida, não existe pressão nenhuma, mas, com certeza iremos em busca de um bom resultado.

Gaetano di Mauro, P6: Estou muito feliz com o resultado. Sempre trabalhamos o máximo que dá. Tivemos um pouco de dificuldade no ultimo segmento da classificação por causa do pneu mais baixo, mas mesmo assim estou muito contente.

Julio Campos, P7: Foi uma pena não chegar ao Q3, pois eu não tinha treinado na chuva. Mas vamos largar em sétimo, é uma posição boa. A Stock Car é sempre muito disputada e as condições adversas do tempo aqui no Velopark realmente estão atrapalhando bastante todos os pilotos. Fiz uma volta no Q2 e logo o Átila bateu e veio a bandeira vermelha. Quando voltamos pra pista estava chovendo muito. Mesmo assim fui o único que conseguiu melhorar o tempo na segunda saída, não entramos por pouco.

Ricardo Zonta, P8: Era difícil de achar o limite, havia trechos secos e outros pedaços molhados na pista. Era um pouco uma loteria. No Q1, quando cheguei ao segundo trecho, meu pneu já tinha superaquecido porque no primeiro trecho estava seco. No Q2 o carro melhorou bastante, mas teve a bandeira vermelha, o que atrapalhou, poderia ter entrado entre os seis. Como meu ritmo era mais rápido do que alguns carros, dava para brigar para ficar entre os três. A perspectiva para a corrida é boa, não sei como estará a condição da pista, está uma loteria esse tempo. Para nós, independentemente de estar seco ou molhado, as condições são muito boas largando de oitavo.

Cacá Bueno, P9: Será uma corrida de ritmo forte, porque não há rodada dupla e também sem troca de pilotos, ao contrário de anos anteriores. Com certeza para o público será emocionante, já que a disputa terá que ser resolvida na pista. Não era o que a gente esperava, porque lideramos ontem todos os treinos na chuva e hoje pela manhã também andamos bem, então a expectativa era brigar pela pole. Agora teremos que fazer uma prova de recuperação forte desde o início para lutar pelo pódio.

Cesar Ramos, P10: Um pouco frustrante, porque tínhamos carro para estar nas primeiras filas e brigar pela pole. Mas a bandeira vermelha do Q2– ocasionada por uma batida de Átila Abreu – me prejudicou muito. Não consegui fechar volta e, quando voltamos para a pista, a chuva estava mais forte. O décimo lugar foi o máximo que conseguimos, tanto que nenhum outro piloto conseguiu mais alcançar o tempo dos seis primeiros que fizeram a volta antes do acidente.

Gabriel Casagrande, P11: Tivemos alguns pilotos sendo prejudicados porque estavam cruzando a linha de chegada bem na hora em que foi dada a bandeira vermelha no Q2. Foi o meu caso e, como gastamos muito pneu no Q1 e choveu mais forte depois, ficou complicado de melhorarmos os tempos. A sexta fila não é tão ruim e temos boas chances na prova por conta do nosso bom ritmo de corrida. A largada aqui no Velopark costuma ser sempre confusa, então amanhã pode mudar muita coisa já na primeira volta. Estou largando por dentro e espero ganhar posições para ter chances de pódio. Não temos muitas opções de estratégia, já que o pit-stop será único para todos na corrida, e com nosso ritmo vamos brigar para estar lá na frente.

Diego Nunes, P13: Eu fiquei perto de chegar ao Q3. Em uma decisão conjunta com a equipe optamos por deixar o meu carro para uma condição de pista mais molhada e, o do Marquinhos, para um piso intermediário. Estou confiante no acerto do meu carro para uma pista bem molhada, ficamos ali próximos do Top10 e acredito que amanhã temos a chance de fazer uma corrida bastante positiva.

Felipe Fraga, P16: A equipe está investigando o que aconteceu com a performance dos nossos carros, tanto eu quanto o Cacá (Bueno) tivemos muita dificuldade no Q1. O carro saia muito de traseira, foi bem complicado. Agora temos que reagir e pensar em já recuperar terreno amanhã para iniciar o campeonato com o máximo de pontos possível.

Galid Osman, P18: Foi uma pena, fui no grupo em que a chuva caía com mais força, o terceiro no meu grupo, havia muito potencial. Faltou pouco mais de um décimo para chegar ao Q2, e a história teria sido totalmente diferente. Amanhã tentaremos fazer o maior número possível de pontos, é uma corrida longa e espero ir para a frente.

Allam Khodair, P19: A chuva piorou muito entre o primeiro e o segundo grupo. Tanto que somente um piloto do meu grupo conseguiu entrar no Q2 e isso porque ele foi o primeiro a ir para a pista, assim que o box abriu. Uma pena, porque nosso carro era muito rápido.

Marcel Coletta, P20: Nós tínhamos ritmo para entrar no Q2, mas a chuva complicou a pista para todos os pilotos do segundo grupo. O Stock é um carro em que você tem que ser muito preciso no classificatório, já que tem apenas duas voltas para fazer uma boa volta com os pneus. Foi uma pena a pista ter piorado, senão a gente tinha condição de largar no top-10 bem na minha estreia, mas sei que teremos um carro rápido para amanhã. Nosso ritmo para a corrida é bom, estou adaptado ao carro e vamos para cima. Estar na equipe de grandes pilotos: Cacá, Fraga e Casagrande ajuda bastante antes de entrar na pista. Depois que abaixamos a viseira é cada um tentando fazer a sua corrida e espero marcar o máximo de pontos nesta prova de estreia.

Lucas Foresti, P22: O tempo não ajudou muito. Começou a secar a pista, mas na hora de a gente sair a chuva voltou e atrapalhou nossos planos. Infelizmente não conseguimos o resultado que queríamos. Mas amanhã vamos com tudo pra cima. O carro está muito bom e acredito que temos condições de brigar mais na frente. Com certeza estaremos competitivos na corrida de amanhã.

Bia Figueiredo, P24: Ficamos muito longe da posição de largada que desejávamos e poderíamos alcançar, mas tenho um carro melhor que o de 2018 e vou brigar pelos pontos amanhã.

Valdeno Brito, P28: O treino deste sábado vinha sendo tão bom quanto o de ontem, começou com a pista úmida, pneu de chuva e o equilíbrio tinha melhorado mais ainda. Até que paramos para trocar de pneu, pois a pista estava mais seca. Na curva 1 da segunda volta, onde muita gente inclusive passou reto e saiu também, acabei pegando uma parte muito molhada da zebra. Prejudicou o chassi e um tubo que teve que ser trocado, então não deu tempo de classificar. Para amanhã acredito que o carro estará bom, e teremos uma corrida difícil de recuperação. A equipe está trabalhando para recuperar o carro e quero retribuir amanhã nas pistas.

EB - www.autoracing.com.br

Tags
, , , , ,

ATENÇÃO: Comentários com textos ininteligíveis ou que faltem com respeito ao usuário não serão aprovados pelo moderador.