Stock Car – Comentários de sábado – Corrida do Milhão 2018

Átila Abreu

Félix da Costa, P3: Acabei errando por um mix de fatores. Eu queria demais essa pole, havia um pouco de pressão e eu também estava me cobrando. Acabei errando e saindo da pista no Q1. Mas ainda bem que consegui salvar a situação e fechar uma volta boa para entrar no Q2. Depois foi mais calmo e entrei na Q3, mas acho que danifiquei um pouco o carro na Q1. Foi um pouco de falta de experiência na categoria. Largar em terceiro é mais que suficiente para ter condição de tentar a vitória. No final estou contente. Vamos pra cima.

Lucas Di Grassi, P5: Escapou por pouco, eu cometi um pequeno erro na Curva 1. Como os tempos estão muito juntos, isso foi o suficiente para me tirar a chance de brigar pelo primeiro lugar. O grid está muito apertado e mesmo sendo um erro aparente você acaba perdendo um pouco de tempo. Mas saindo de quinto dá para vencer. Na Fórmula E já vencemos saindo de 11º e também largando de quinto, em Zurique. Vamos fazer o mesmo aqui.

Bruno Baptista, P9: Acho que minha classificação só não foi perfeita por que não fomos para o Q3, mas foi muito boa. A equipe trabalhou muito bem e estou satisfeito com o meu trabalho também. Mas sempre fica um gostinho de quero mais. Poderíamos ter ido para o Q3, faltou muito pouco para isso. Vamos agora pensar em uma estratégia para tentar a vitória amanhã. Teremos que sacrificar alguma coisa (no acerto) para ir bem na prova. Vamos ver o que podemos fazer.

Átila Abreu, P10: Se analisarmos os treinos de ontem e hoje pela manhã, tivemos uma grande evolução. O carro melhorou, fiquei mais confortável, mas qualquer meio décimo faz diferença. Explorei o máximo do carro e virou o que tinha de virar. Vamos tentar melhorar um pouco mais para ter um bom ritmo de corrida. Apesar de ser uma prova de 40 minutos, com duas paradas, tudo pode acontecer. Tomara que a galera nos ajude com o Fan Push para virmos crescendo. Corrida é corrida e largando de décimo temos chance de ganhar. Não era onde gostaríamos de estar, mas fico mais tranquilo para amanhã.

Antonio Pizzonia, P11: Ontem tivemos um dia bem positivo, portanto resolvemos não alterar muita coisa no carro. Mas a pista acabou mudando bastante e prejudicou muito o carro de manhã. Ficamos focados em reverter a situação ao invés de continuar progredindo no desempenho de ontem, em que eu estava tomando dois décimos do mais rápido. A corrida de amanhã será competitiva, principalmente com o traçado que tem duas retas muito longas, muito vácuo. Vou tentar evoluir o carro ao máximo e tentar ir o mais pra frente possível, ganhar posição.

Julio Campos, P13: Hoje foi um dia muito bom apesar de algumas dificuldades que estamos enfrentando. O carro está com um problema crônico de velocidade de reta, a gente já trocou o motor ontem e ainda não resolveu, apesar da dedicação total da equipe que está trabalhando muito para corrigir isso. Conseguimos passar para ao Q2 na classificatória, estou tentando tirar mais do que o carro tem pra dar, e para amanhã o objetivo é fazer pontos com foco no campeonato.

Ricardo Zonta, P14: Aqui é uma pista na qual, por ser de apenas duas curvas, os carros ficam muito próximos. Então, o ajuste fino, finíssimo, faz muita diferença para você conseguir meio décimo ou um décimo, o que pode render até dez posições. Trabalhamos bastante, temos coisas a fazer ainda para amanhã. A posição não é o que esperávamos, mas vamos para uma estratégia bem agressiva para buscar esse milhão.

Rafael Suzuki, P15: Vai ser uma questão de encaixar tudo: uma boa estratégia, um bom ritmo, um bom pit stop. E também não se envolver em ‘enrosco’. A gente viu na corrida da Stock Light que teve bastante confusão, mas é algo imprevisível. Vamos tentar fazer uma corrida limpa, ter um bom ritmo e acertar a estratégia para conseguir ter uma chance de brigar lá na frente e somar pontos importantes no campeonato. Estávamos com dificuldades no acerto do carro. Pela manhã, o resultado do treino livre foi longe do que a gente queria. Mas a equipe viu que havia algo errado no carro e fizemos todo um trabalho entre o treino e a classificação. Apesar do tempo apertado, encontramos um novo acerto, arrumamos algumas coisas e o carro já era completamente diferente. Infelizmente, só na classificação consegui ter um ‘feeling’ melhor do carro, mas antes tarde do que nunca. Já é o nosso segundo Q2 em três corridas e isso é importante. Essa posição nos ajuda a ter o objetivo de pelo menos chegar entre os 10 primeiros. Estou feliz com a evolução.

Galid Osman, P17: Eu fiquei chateado com a classificação porque a gente tinha um ritmo bom nos treinos, sempre ali no top 10, sendo competitivos, mas na classificação meu carro não entrou a calibragem foi entrar só no último minuto da tomada e, isso, impossibilitou nossa entrada para o Q2, se fosse para o Q2 a história seria bem diferente, faltou meio décimo só, de resto vamos fazer uma corrida boa amanhã, pensar na estratégia e fazer dois bons pits stops.

Thiago Camilo, P18: A gente trabalha para fazer a pole position e vencer a corrida, mas muitas vezes as coisas não saem como queremos. É um traçado novo para todo mundo e usamos vários caminhos nos treinos livres, que não deixaram o carro rápido o suficiente para brigar pelos nossos objetivos. Fizemos algumas mudanças para a classificação, que deixaram o carro dianteiro. Eu consegui acertar um pouco mexendo nas barras, mas já não estava na volta ideal do pneu e não consegui melhorar nem um décimo. Aqui, em um anel externo super rápido onde a volta tem menos de cinquenta segundos, um décimo faz toda diferença. Amanhã vamos ter que arriscar a estratégia, ter um carro rápido e constante e ainda contar com a sorte. Tudo tem que conspirar a nosso favor para brigar pela vitória, mas a história mostra que não é impossível.

Diego Nunes, P19: Uma corrida que pra mim não importa tanto o pole position, vai ser uma corrida de duas paradas obrigatórias, onde o líder provavelmente vai tomar volta quando parar no box, então tudo pode acontecer. Eu acho que para essa disputa você tem que estar entre o dez e estamos um pouco longe disso. Vamos largar de décimo nono, mas corrida é corrida. A prova terá duas paradas obrigatórias: uma para troca de pneu e outra para abastecimento. Por exemplo, de repente o piloto que acertar a primeira parada volta na frente e entra um safety car na segunda parada dele e ele termina em vigésimo a corrida, como pode ser que um piloto que está em décimo quinto pode ganhar a corrida, não tem nada perdido ainda. Precisamos só acertar o carro para amanhã andar melhor de reta, que eu acho que o problema maior nosso são as retas. Não é o carro em si, não é o motor, é acerto mesmo. A corrida será muito disputada não temos a menor ideia de quem vai ganhar e tudo pode acontecer.

Nelsinho Piquet, P20: Sabíamos que a classificação seria difícil, mas todos na equipe sofreram com a velocidade de reta. O balanço do carro melhorou, mas faltou velocidade para ir melhor, eu e meus companheiros de equipe, exceto o Rubinho, tivemos o mesmo problema. Ficaria mais preocupado se fosse apenas eu. Não vamos desistir, sabemos que neste momento não temos um carro para andar na frente, mas vamos trabalhar para conseguir entrar entre os cinco, dez primeiros.

Guilherme Salas, P21: A temperatura da pista aumentou bem na classificação. Nosso carro perdeu algumas características que eram boas durante os treinos e faltou um conjunto. No último treino fizemos um simulado de corrida e o carro estava bom. A estratégia vai fazer a diferença, porque é uma corrida curta, com duas paradas nos boxes e a equipe vai contar muito.

Cesar Ramos, P23: Uma pena não ter conseguido uma posição melhor. Mas não podemos baixar a cabeça por causa disso. A corrida será cheia de possibilidades. No ano passado também não larguei bem, mas consegui chegar em sétimo lugar. Foi um resultado importante na época. Então vamos focar em fazer o melhor para somar pontos e evoluir o carro.

Allam Khodair, P24: Meu carro sofreu com falta de grip e não teve mesmo como tirar mais nada do carro neste circuito. Mas agora vamos trabalhar para amanhã. Conquistar o Milhão pode parecer uma tarefa impossível, mas temos que pensar também na temporada e em conquistar o maior número de pontos possíveis. E, dentro deste cenário, o que vier, é lucro.

Felipe Lapenna, P25: Na verdade mudou muito o setup do carro do treino para a tomada e a gente acabou mudando nada do carro, não arriscamos mexer,  para não perder velocidade de reta e acabou que nosso carro ficou muito traseiro e não virou o tempo que tinha que virar e amanhã vamos tentar marcar uns pontinhos largando lá de trás.

Quer concorrer a uma réplica do capacete do Ayrton Senna? Clique AQUI e palpite sobre quem vai vencer a Corrida do Milhão da Stock Car!

EB - www.autoracing.com.br

ATENÇÃO: Comentários com textos ininteligíveis ou que faltem com respeito ao usuário não serão aprovados pelo moderador.