Stock Car – Comentários de domingo – Interlagos 2018

Ricardo Zonta

Ricardo Zonta, P1: Eu estava administrando a diferença que eu tinha, de quase 4 segundos, então sobrou push ainda. Então foi uma corrida fantástica, o carro é brilhante, é muito bom o carro. Então deu tudo certo, graças a Deus deu tudo certo.

Julio Campos, P2: Só que perto da janela de pit stops, ele começou a ter um rendimento melhor e vimos que não daria pra ganhar. Então, foi questão de me concentrar no resultado, em poupar e tentar conseguir o pódio pra assegurar o terceiro lugar no campeonato. Conseguimos! Foi um ano de momentos difíceis, mas de uma grande virada no segundo semestre.

Felipe Fraga, P5: Mesmo tendo ficado sem o título, eu sou hoje um Felipe melhor do que o de 2016 e melhor ainda que o de 2017. Foi um campeonato muito bom e estou feliz porque, como piloto, a minha performance melhorou a cada ano. É uma pena, faltou pouco para ser campeão, mas o Daniel está de parabéns, o título está em boas mãos e agradeço todos da Cimed Racing pelo trabalho neste ano. Nós vamos seguir trabalhando muito no ano que vem. Seguirei com a Cimed Racing, que é a equipe perfeita. Esse ano muita coisa saiu do nosso controle e isso nos tirou de estar em uma disputa mais mano a mano. Temos que dar o mérito para o Daniel e para a equipe dele. Acertaremos os erros e os detalhes para vir com tudo de novo em 2019.

Marcos Gomes, P7: Eu estava muito rápido sempre durante o ano, com uma velocidade incrível, mas foi uma temporada complicada. Tivemos algumas dificuldades e muita coisa deu errado durante as provas. Faltou realmente muita sorte, mas estou feliz com meu desempenho e o do carro. Hoje nós cravamos a melhor volta da prova e que isso nos sirva de incentivo para um 2019 melhor.

Antonio Pizzonia, P8: Foi uma corrida boa, divertida. Eu vinha em um ritmo bom e escalei bem o pelotão nas primeiras voltas. Depois, os pneus acabaram e terminei em oitavo. Mas é muito bom encerrar esse ciclo entre os dez primeiros.

Átila Abreu, P9: Achei que foi uma corrida muito curta, uma corrida com poucas variáveis de estratégia. O regulamento não ajudou muito a ter um espetáculo melhor, mas largando de 22º eu precisava tentar algo diferente para crescer. Eu apostei em um safety car no meio da corrida e ali eu tentei guardar um pouco mais de push para estar bem no final, e não veio o safety car. Então me custou algumas posições, com certeza eu tinha ritmo para terminar ali em 5º ou 6º, junto com o Fraga e o Barrichello, antes da parada eu já estava na frente deles, mas são estratégias que você assume quando precisa de um algo a mais. Mas não me arrependo, foi uma boa prova, a gente acaba o ano com uma performance positiva, a equipe vencendo com o Zonta. Acho que foi um ano muito bom. Então parabenizar a equipe, que fez um segundo semestre excelente e focar agora para fechar as coisas para o ano que vem pra estar no grid.

Thiago Camilo, P14: Sair lá de trás é muito complicado, ainda conseguimos chegar à zona de pontuação, mas numa posição abaixo do potencial do carro se não houvesse as condições adversas na classificação. Esta certamente não foi a temporada que esperávamos, mas a Ipiranga Mattheis está investindo para voltar a andar na frente em 2019.

Lucas Foresti, P15: Foi uma temporada de bastante aprendizado. Nós quase conseguimos um pódio no Velopark, lideramos a Corrida do Milhão, mas a temporada não foi o que a gente queria por causa de alguns resultados. Sobre a corrida, nós largamos em uma boa posição, o carro na pista molhada é sempre muito rápido e foi assim ontem. Hoje, no seco, o carro estava um pouco traseiro e mais difícil de guiar. Terminamos em 15º e conquistamos mais alguns pontos.

Bia Figueiredo, P17: No início me envolvi em algumas disputas ao meu ver pouco leais, em que minha opção era bater e abandonar a corrida ou perder a posição, e preferi não bater. Principalmente porque o carro estava bom, eu ainda ficaria na zona de pontuação (até o 15º). Na segunda metade da prova meu carro perdeu rendimento na reta, e também perdi algumas posições no pit stop. Como um todo, foi um ano de crescimento para mim, apesar de a equipe ter um rendimento abaixo do que entrega historicamente. Tenho certeza de que em 2019 a equipe vai voltar a crescer de rendimento, e vou junto.

Denis Navarro, P19: Agradeço a todos da Cimed e da Cavaleiro Sports pela temporada. A equipe vem crescendo a cada etapa e agora é pensar na temporada 2019.

Nelsinho Piquet, P20: O ano terminou e infelizmente não da forma como queríamos. Começando atrás e numa corrida única é difícil. Para completar, peguei o Vitor Genz na primeira volta, ele travou o câmbio em segunda marcha no meio da curva 3. Enchi a traseira dele e perdi muitas posições. Depois teve problema no pit stop e acabou a gasolina. Mas o nosso carro estava bom, um dos mais rápidos da pista. Foi um ano em que esperávamos mais, mas corrida é assim. Não é todo ano em que você tem as melhores condições, mas esperamos aprender e melhorar. Não é fácil para equipe e piloto, mas vamos saber desenvolver e ajudar a equipe a achar a direção certa para chegar a um caminho vitorioso.

Rafael Suzuki, P22: Não foi o que a gente queria. Até consegui fazer uma boa largada. Me posicionei bem, com o pessoal que estava rápido, mas não conseguimos ter o ritmo que gostaríamos e isso prejudicou um pouco o resultado final. Não é legal fechar o ano deste jeito, mas fica o balanço geral, principalmente o pódio e os Top-10 que fizemos. Tivemos altos e baixos, mas é normal. É um começo de trabalho e agora é entender, analisar para que a gente consiga fazer corridas mais consistentes no futuro. Saio satisfeito do ano, mesmo não pontuando não caímos muito no campeonato. O objetivo inicial era o Top-15, ficamos em 16º, então foi muito perto. Agora é levantar a cabeça, tirar um pouco de férias e continuar trabalhando. É minha melhor posição final no campeonato, mas foi um ano que chegamos a estar entre os 10 no início da disputa. Sempre estivemos da metade pra frente. Então, isso é positivo.

Ricardo Sperafico, P25: Nós tínhamos a expectativa de terminar entre os 10 ou 15 primeiros na corrida e fui até cauteloso na largada. Mas recebi um toque e saí da pista. Até voltar, já que eu estava numa linha perigosa, acabei perdendo quase todas as posições. Não consegui passar ileso na primeira curva e isso basicamente acabou com a minha corrida. Era uma corrida curta, não dá pra mexer em estratégia e acabamos fora dos pontos.

EB - www.autoracing.com.br

ATENÇÃO: Comentários com textos ininteligíveis ou que faltem com respeito ao usuário não serão aprovados pelo moderador.