Stock Car – Comentários de domingo – Interlagos 2017

Marcos Gomes

Marcos Gomes, P4: Nós tivemos uma boa disputa ali com o Serrinha, mas acabou faltando um pouco de velocidade de reta para podermos retomar o terceiro lugar, posição em que largamos na prova. O carro manteve um ritmo constante e estava semelhante ao do classificatório, tentei até o limite, mas não conseguimos recuperar a posição que perdemos no box. A temporada teve altos e baixos e vamos voltar a brigar pelo título em 2018.

Diego Nunes, P6: Nós fizemos uma excelente prova neste domingo, o carro estava muito bom e a equipe trabalhou perfeitamente. Saímos de Interlagos com a missão cumprida, onde terminamos com pontos e entre os melhores. Tivemos um início de ano complicado, com muitos problemas e não conseguimos cumprir com nossas metas, pra estar mais acima da tabela do campeonato. Mas isso faz parte, vamos voltar para o nosso lugar na temporada 2018, onde a gente esta acostumado a andar.

Augusto Farfus, P7: Saio daqui muito feliz, o 7º lugar foi uma maneira bacana de terminar minha participação na Stock Car. Durante o fim de semana, a gente andou sempre entre os primeiros, com um ritmo muito competitivo. Interlagos é uma prova de fogo, e essa é a última prova do ano, todo mundo quer mostrar serviço, ninguém economiza nada. Na corrida, a partir das 10ª volta, o motor começou a falhar um pouco, e isso nos fez ficar para trás, mas vínhamos forte, estava em 6º antes no pit-stop. Mas foi uma experiência fantástica, tenho de agradecer a Hero, e espero voltar o mais rápido possível.

Felipe Fraga, P8: O carro esteve bom o final de semana inteiro, na classificação ele também está rendendo bem e poderia ter largado ali na frente junto com o Marcos (Gomes), mas foi um erro meu e isso acabou prejudicando a volta. Na corrida de hoje estávamos com o mesmo carro e a diferença foi que acertamos em praticamente tudo. Eu consegui administrar bem o desgaste, tive uma boa disputa ali com o Thiago (Camilo) e acredito que o título está em boas mãos, já que o Daniel é merecedor dessa conquista.

Denis Navarro, P11: Nós tivemos um começo de ano difícil, mas nas últimas três etapas nós encontramos um bom acerto pro nosso carro e melhoramos em ritmo de classificação e de corrida também. Tentamos ficar entre os dez primeiros e faltou um pouco para alcançar o Vitor (Genz). Estou satisfeito por terminar em alta essa reta final de trabalho na Cimed Racing e isso me deixa bastante motivado para a próxima temporada.

Ricardo Zonta, P13: A equipe fez um belo trabalho durante o ano. Na primeira parte do campeonato, infelizmente acabei envolvido em alguns acidentes e não pontuei muito. Mas na segunda metade, tivemos vitórias e vários pódios. A equipe ter acabado em terceiro no campeonato foi muito importante para nós. Por ter sido meu primeiro ano na equipe, na próxima temporada estaremos ainda mais conectados e isso vai ajudar bastante para iniciarmos a o campeonato com ainda mais fôlego.

Felipe Lapenna, P16: Esse final de semana foi muito bom, andamos bem nos treinos conseguimos passar para o Q2, classificar entre os dez primeiros que é sempre nosso objetivo. Na corrida tínhamos um carro um pouco dianteiro e vinha disputando posições com o Thiago (Camilo) e o Felipe (Fraga), mas aí acabamos ficando um tempo parado no box, onde acabei perdendo algumas posições, mas está bom. Acabamos um ano de muito trabalho e desenvolvimento.

Cacá Bueno, P17: Foi um ano de bastante trabalho e aprendizado aqui na Cimed Racing. Tivemos bons finais de semana como na Corrida do Milhão, Velopark e Velo Citta, mas em outras etapas estivemos longe de disputar as primeiras posições. Todos nós aprendemos muito aqui na Cimed Racing e esperamos voltar em 2018 brigando por vitórias.

Gabriel Casagrande, P18: Saio feliz desta temporada onde iniciamos uma parceria que se mostrou bem-sucedida e conquistei resultados inéditos na minha carreira. Agradeço imensamente a todos da equipe Júpiter Baterias/Vogel Motorsport pelo empenho e a todos os patrocinadores pela confiança. Se neste ano ficamos em décimo, no ano que vem o objetivo é ainda maior. Tivemos um fim de semana difícil em Interlagos e ele não refletiu a temporada que se passou. Mas agora o foco é outro: a temporada de 2018. Antes disso tem meu Grêmio na terça-feira, então posso dizer que no meu caso a emoção não acabou nessa bandeirada de hoje!

Sérgio Jimenez, P19: Larguei muito bem, ganhei duas posições e o ritmo das seis primeiras voltas era bom. Estava andando bem, mas infelizmente no pit stop houve um erro e acabei caindo lá pra trás. Mas, independentemente do resultado, acho que foi a nossa melhor corrida no ano, tanto de performance, como para ter um carro competitivo. Uma pena não termos conquistado um resultado melhor, mas vamos em frente. Gostaria de agradecer a todos da Hot Car e da Bardahl. Não foi um ano fácil, mas sei que todos se esforçaram. Em breve, vou anunciar minha equipe e sigo na Stock no ano que vem.

Allam Khodair, P22: Foi uma pena não conseguir alcançar um pódio para encerrar a parceria com a Full Time e a Texaco da forma que merecíamos. Mas tivemos um ciclo de muitas conquistas que foi de grande importância e evolução para todos. Desejo toda sorte do mundo ao time para a próxima temporada e só tenho a agradecer por esses quatro anos de parceria.

Rafael Suzuki, P23: A homenagem da equipe foi uma surpresa muito especial, realmente não esperava, e me deu uma motivação extra para a corrida. Tivemos um ano de muito trabalho, aprendizado e evolução, dentro e fora das pistas, e creio que muitos objetivos foram alcançados tanto para mim como para a equipe. Agradeço muito a todos da Cavaleiro Sports pela parceria, dedicação e compromisso. A nossa prova final não foi como queríamos, mas isso não diminui o ótimo ano que tivemos juntos. Agora vou descansar um pouco e me preparar para as 500 Milhas de Kart na semana que vem.

Lucas Foresti, P25: Da vida a gente leva os bons momentos e vamos guardar muitas boas memórias juntos. Das festas juninas aos carros comemorativos, o pódio de Cascavel, as vezes em que a gente fez banquetes atrás dos boxes, enfim, ótimas coisas que vivemos juntos. Desejo tudo o de melhor para todos eles e já estou ansioso para começar meus trabalhos na minha nova casa.

Cesar Ramos, P26: Foi uma pena. Tivemos uma quebra na roda, um dos mecânicos acabou se atrapalhando, um erro que nos custou muito caro. Mas, apesar disso, saímos de Interlagos com um saldo pra lá de positivo. O carro era muito rápido, tanto na classificação quanto na corrida, e dá uma ideia do que vai ser este time em 2018. Nosso primeiro ano foi de muita evolução e agora queremos mostrar todo nosso potencial na próxima temporada.

Átila Abreu, P27: Foi um ano muito positivo, com duas vitórias minhas e duas do Zonta, pole position, seis pódios para mim. Cheguei a brigar pelo terceiro lugar no campeonato, mas largando lá atrás seria mais complicado. Até que tive um bom ritmo de corrida, vim de 24º e estava em 12º brigando pelos dez primeiros. Perdi muito tempo no começo, o que me distanciou dos adversários. Se eu tivesse largado mais à frente, com certeza teria terminado entre os três primeiros no campeonato. No fim, uma pane seca nos tirou da corrida, mas pelo resultado que eu estava teríamos terminado mesmo em quarto, ou seja, não influenciou no campeonato. Fizemos um bom ano, de muito crescimento, de muita evolução. Este quarto lugar é a melhor posição de um piloto da Shell Racing num campeonato e fico muito feliz em trazer para a Shell seu melhor resultado na categoria. Tenho certeza de que juntos vamos conquistar muito mais nos próximos anos. Meu objetivo é trazer o primeiro título para a Shell entre os pilotos. Estamos no caminho, trabalhamos no limite e errar é humano, e esperamos evoluir para aproveitar as oportunidades. Agora é tirar de lição e comemorar os bons pontos e resolver esses pequenos. Somos um dos favoritos ao título em 2018.

Márcio Campos, P31: Foi uma corrida complicada, mas o mais importante neste momento é exaltar o ano fantástico que eu tive ao lado de toda equipe. Juntos, conquistamos um pódio em Tarumã e evoluímos muito e isso é motivo de sobra para comemorarmos.

Guga Lima, P32: Na largada, fiquei um pouco, mas comecei a recuperar. Já vinha num ritmo bom e o Márcio Campos estava a minha frente e vi que ele estava distracionando bastante. Tentei uma ultrapassagem no Laranjinha, mas não fui porque vi que não teria espaço. Ele me fechou de última hora, eu esperei e, na saída do Pinheirinho, ele saiu distracionando de novo. Consegui sair mais rápido que ele e no Bico de Pato tentei passa-lo, sem usar o push. Estávamos lado a lado, mas ele me fechou e acabou tendo um toque. Ele rodou e, na hora que voltou acertou a minha roda traseira. Tentei continuar, mas acho que quebrou alguma coisa no carro e tive de abandonar.

EB - www.autoracing.com.br

ATENÇÃO: Comentários com textos ininteligíveis ou que contenham ofensas não serão aprovados pelo moderador.