Red Bull renova ameaça de abandonar a F1

Christian Horner e Dietrich Mateschitz

Christian Horner, chefe da Red Bull, reconheceu que sua equipe pode abandonar a Fórmula 1 se não concordar com a direção das regras de 2021.

As equipes de F1 ainda não assinaram um novo Pacto de Concórdia, e a Liberty Media deixou claro que aquelas que ganharam acordos preferenciais de Bernie Ecclestone, como a Red Bull, terão de aceitar condições de igualdade nos pagamentos relacionados ao desempenho.

Horner admite que Dietrich Mateschitz, proprietário da Red Bull, pode tirar sua equipe da F1 se não estiver satisfeito com o formato da categoria em 2021.

“Com certeza. E é um direito dele”, declarou Horner ao site Autosport. “Ele é apaixonado por automobilismo e pela F1, está entusiasmado com a nova parceria de motor com a Honda e com o potencial que isso traz”.

“Mas é claro que a F1 também precisa dar resultados para a marca Red Bull. Ela tem de ser empolgante, eficiente em termos de custos e deve ter igualdade de condições entre as equipes independentes e de fábrica. Acho que, como todos nós, ele está aguardando para ver como será a F1 pós 2020”.

Horner afirmou que um bom começo de parceria com a Honda não é essencial para manter a motivação de Mateschitz.

“Nos dias bons e ruins, ele sempre demonstrou um apoio tremendo e provavelmente investiu mais na F1 do que qualquer outra entidade. Duas equipes de F1, um GP e toda a promoção que a Red Bull faz em todo o mundo apoiando a F1, que é enorme. Ele não faria isso se não acreditasse na categoria”.

 

LS - www.autoracing.com.br

ATENÇÃO: Comentários com textos ininteligíveis ou que faltem com respeito ao usuário não serão aprovados pelo moderador.