Os quase 50 anos de Bernie Ecclestone na F1

f1-ecclestone-comanda

Bernie Ecclestone

Bernie Ecclestone foi demitido oficialmente de sua posição como executivo-chefe da Formula 1, cargo que ocupou durante quatro décadas. Há emoções antagônicas na comunidade da Formula 1, uma vez que ao mesmo tempo que ele é considerado o grande Messias da categoria, ele também tem sido em grande parte culpado pela estagnação da audiência do esporte nos últimos anos.

Nascido em 1930, Ecclestone abandonou o ensino médio aos 16 anos para trabalhar em testes de pureza de gás em uma fábrica de gás local. Tendo estudado química na Universidade de Greenwich, Ecclestone usou sua paixão por motocicletas para comprar e vender peças sobressalentes durante suas pausas para o almoço após o fim da Segunda Guerra Mundial. Mais tarde, ele se associou a Fred Compton para fundar a concessionária de motocicletas Compton & Ecclestone. Após o sucesso do negócio, Ecclestone comprou a participação da Compton e cresceu o negócio para se tornar uma das maiores concessionárias de motocicletas na Grã-Bretanha.

Ecclestone chegou a começar uma carreira de piloto na Formula 3, mas seu foco foi mudado para o mundo dos negócios depois de sofrer um grande acidente em Brands Hatch em 1949. Ele voltou ao automobilismo em 1957 como o gerente da Stuart Lewis-Evans. Usando fundos que tinha ganho de alguns investimentos imobiliários rentáveis, Ecclestone comprou carros da equipe Connaught para participar de duas corridas. Ele pegou um dos três carros e ficou atrás do volante no GP de Mônaco em 1958, com Bruce Kessler e Paul Emery nos outros dois carros. Nenhum dos pilotos se classificou para o evento. Ele também contratou Jack Fairman e Ivor Bueb para o GP da Inglaterra de 1958, mas ambos os carros tiveram problemas.

Ecclestone continuou a orientar Lewis-Evans ajudando-o a conseguir um assento na equipe Vanwall. O motor de Lewis-Evans pegou fogo durante o GP do Marrocos causando um acidente em alta velocidade. Lewis-Evans foi transportado para o hospital, mas morreu alguns dias depois. Vanwall retirou-se do esporte e Ecclestone também desapareceu do automobilismo por vários anos.

No entanto, mais tarde ele tornou-se amigo de Roy Salvadori, que dirigia a equipe Cooper. Isso permitiu que ele conhecesse o piloto austríaco de Formula 1 Jochen Rindt (único campeão post mortem da F1 em 1970), mais tarde levando a uma parceria, já que Ecclestone se tornou seu agente. Durante este tempo, Ecclestone ficou fortemente envolvido com o gerenciamento da equipe Lotus de Formula 2. No entanto, Ecclestone desapareceu do automobilismo mais uma vez após a morte de Jochen Rindt no GP da Itália de 1970, quando o austríaco bateu de forma violenta na entrada da curva Parabólica.

Colin Chapman e Bernie Ecclestone

Colin Chapman e Bernie Ecclestone

Mas Bernie não conseguia ficar longe da Formula 1 e em 1972 comprou a equipe Brabham por aproximadamente USD 120 mil. Juntou forças com Colin Chapman (Lotus), Teddy Mayer (McLaren) , Max Mosley (March), Ken Tyrrell (Tyrrel) e Frank Williams (Williams) em 1974 para formar a Associação de Construtores de Formula 1. Ecclestone liderou a associação em uma batalha contra a FIA sobre os direitos comerciais para o esporte e foi nomeado o executivo-chefe da associação.

Assim que a equipe perdeu seu patrocinador principal, Ecclestone vendeu a Brabham por mais de USD 5 milhões em 1987 para a Alfa Romeo. Ele então formou o que agora é chamado de Formula One Management (FOM). A empresa recebia 23% da receita de TV, com 47% indo para as equipes e os restantes 30% para a FIA. A empresa também recolhia todas as taxas pagas pelos organizadores de cada evento em troca de oferecer prêmio em dinheiro para as corridas. Em 1995, os direitos comerciais completos foram dados à FOM em troca de uma taxa anual para a FIA, mas com as equipes sendo cortadas dos lucros.

O contrato não foi assinado até 1996 porque McLaren, Williams e Tyrrell recusavam-se a assinar naqueles termos. No entanto, as três equipes restantes assinaram o acordo em 1998, depois de perder renda e influência no esporte. Quando o contrato expirou mais tarde, Ecclestone ofereceu um pagamento às equipes para renová-lo. Foi renovado novamente em 2013 e é válido até ao final de 2020.

Ecclestone se envolveu em várias controvérsias ao longo de sua carreira. Em 1997, ele se opôs à proibição da publicidade ao tabaco. Seu ponto de vista sobre as mulheres no automobilismo têm sido o desprezo. Em 2000 e 2015, ele afirmou que as mulheres nunca iriam se destacar na Formula 1 e mais tarde insultou Danica Patrick, que pilotava na Indy em 2005. Ele elogiou o estilo de liderança de Adolf Hitler durante uma entrevista em 2009. Em 2013, ele foi acusado de suborno, mas conseguiu um acordo pagando 60 milhões de libras esterlinas para não ser preso. Ele também foi investigado por £ 1,2 bilhões de evasão fiscal por muitos anos. Ele tem sido culpado nos últimos anos pela pobre cobertura online de treinos e corridas da Fórmula 1, bem como a maioria das mudanças de regras, muitas delas consideradas ruins pelos fãs e por gente da própria F1.

Bernie Ecclestone e Nelson Piquet - Brabham

Bernie Ecclestone e Nelson Piquet – Brabham

Sua maneira narcisista e arrogante de negociar com promotores, equipes e até a imprensa que cobre a F1 também não o tem ajudado muito. Ele tem sido visto como um executivo antigo e egoísta, que coloca os lucros pessoais em primeiro lugar sem pensar nas equipes e na própria Formula 1.

No entanto, Ecclestone também fez um monte de coisas boas para o esporte ao longo dos anos. Mais notavelmente, ele tornou a F1 altamente profissional, fez com que ela passasse a gerar muito dinheiro e aumentou a segurança do esporte diminuindo muito a quantidade de mortes. Ele contratou Sid Watkins como o médico oficial da Formula 1 em 1978. Ele também fez com que as equipes obtivessem algumas receitas dos direitos de TV e abriu novos mercados para a categoria na Ásia e no Oriente Médio.

Apesar do cargo praticamente decorativo que ele ocupa agora – Presidente de Honra da F1 – Ecclestone ainda tem muita expertise a oferecer aos novos donos e administradores da F1. Ele provavelmente ainda será bastante procurado por Chase Carey, Ross Brawn e Sean Bratches para oferecer seus conselhos em vários aspectos que envolvem a categoria mais complexa, rica e com mais prestígio do automobilismo no mundo.

AS - www.autoracing.com.br

ATENÇÃO: Comentários com textos ininteligíveis ou que contenham ofensas não serão aprovados pelo moderador.