Mundo da F1 agora está agradecido pela segurança do “Halo”

Jean Todt

O mundo da F1 está se adaptando rapidamente à era “Halo” do esporte. O sistema de proteção ao cockpit foi introduzido no ano passado no meio de um grande cepticismo, mas desde então tem provado o seu valor numa série de incidentes assustadores.

No acidente fatal de Anthoine Hubert na F2 no fim de semana passado, outro piloto foi atingido no Halo por detritos em alta velocidade. Juan Manuel Correa, atualmente em coma, deslizou com seu carro destruído ao longo da pista de cabeça para baixo, protegido pelo Halo.

E em Monza, no sábado, apesar de ter sofrido uma vértebra quebrada em um horrível acidente, o piloto de Fórmula 3 Alex Peroni atingiu as barreiras com o Halo. “Ele provavelmente pode agradecer ao Halo por não ter ficado gravemente ferido”, disse o antigo piloto de Fórmula 1 Derek Warwick.

Pierre Gasly concordou: “Nem quero imaginar como teria sido sem o Halo”.

A manchete da revista Speed Week diz que Peroni tem “1000 anjos da guarda”. Mas o presidente da FIA, Jean Todt, diz que os pilotos podem agradecer as constantes melhorias de segurança do esporte.

“Uma vítima já é demais”, declarou Todt ao jornal De Telegraaf em Monza. “E temos milhares de pilotos”.

“Quando introduzimos o Halo, os críticos disseram que não precisávamos dele. Agora dizem que precisamos dele mais do que nunca. Como sempre, é uma discussão emocional”, prosseguiu.

“O automobilismo é menos perigoso do que antes, mas ainda é perigoso”, acrescentou o presidente da FIA.

EB - www.autoracing.com.br

Tags
, , , , , , , , ,

ATENÇÃO: Comentários com textos ininteligíveis ou que faltem com respeito ao usuário não serão aprovados pelo moderador.