MotoGP – O Início da temporada 2017

Ducati lidera o pelotão

Ducati lidera o pelotão

Colaboração: Carlos Alberto Goldani

Na próxima terça-feira, 15 de novembro, inicia em Valência a temporada de 2017 da MotoGP. Durante dois dias estarão no circuito os pilotos, chefes de equipe, mecânicos e assessores de imprensa das equipes inscritas para disputar o mundial do próximo ano. Algumas novidades são esperadas, como a troca de pilotos, pessoal de apoio e a presença de uma nova fábrica, a KTM.

O centro das atenções será com certeza o box da Ducati, com a presença do três vezes campeão do mundo da principal classe, o espanhol Jorge Lorenzo em seu primeiro contato com a Desmosedici GP17. A importância deste dia para a fábrica de Bolonha pode ser medida pela decisão de reter Michele Pirro trabalhando com a GP17 e não permitir que ele substituísse o acidentado Andrea Iannone nos testes de Motegi. A Ducati acredita que o novo equipamento e o talento de Lorenzo possam devolver a sequência de performances obtida por Casey Stoner na década passada, e conta para isso com o trabalho do chefe de equipe Cristian Gabarrini, o mesmo que trabalhou com o piloto australiano em sua passagem vitoriosa na equipe. A fábrica aprontou uma única GP17 para cada condutor, portanto ousadia não deve ser a tônica dos testes. Qualquer avaliação calcada nos resultados de Lorenzo será prematura, ele não conhece o equipamento, entretanto a performance de Dovizioso deve proporcionar o melhor indicador das evoluções do novo modelo. Os pilotos esperam um equipamento mais dócil para conduzir, com um comportamento mais suave nas curvas, porém sem perder a velocidade nas retas.

A Yamaha aposta em Maverick Vinales para substituir Lorenzo e recompor um ambiente tranquilo nos boxes. Vinales encerra uma ótima temporada na Suzuki e quebrou o monopólio das duas grandes (Honda e Yamaha) em pistas secas, vencendo o GP da Inglaterra em Silverstone. Tudo indica que sua adaptação deve ser rápida, o comportamento da M1 é muito semelhante ao da GSX-RR e ele herda toda a estrutura de Lorenzo, com exceção de um mecânico que o está acompanhando em sua transferência para a Ducati. Valentino Rossi continua a ser o grande nome da equipe, seu relacionamento com Vinales até o momento está sendo mantido em termos extremamente amigáveis e é uma incógnita se vai sobreviver a uma disputa real nas pistas. Marco Melandri, um piloto italiano que participou com Rossi em provas da MotoGP entre 2003 e 2010, afirmou em uma ocasião que o convívio com o italiano é extremamente fácil, enquanto ele está vencendo. A Yamaha não confirmou o novo modelo nos testes de Valência, como é o desejo dos pilotos. Caso não seja possível, no final do mês está programado um teste privado em Sepang em companhia dos novatos da satélite Monster Tech 3.

A Suzuki anuncia uma mudança radical de sua linha para 2017. Andrea Iannone, que inclusive obteve uma vitória este ano, trocou a Ducati pela fábrica japonesa e vai ter como colega de equipe Alex Rins, promovido da GP2. A expectativa é um bom desempenho de Iannone, até porque a condução de GSX-RR deve exigir menor esforço físico que a GP16. O italiano também inicia os testes com uma motivação extra, ter sido dispensado pela Ducati para abrir a vaga de Lorenzo. Marco Rigamonti, seu chefe de equipe nesta temporada o acompanha na mudança. Alex Rins foi muito bem cotado na Moto2, mas sua performance em 2016 foi decepcionante e há dúvidas sobre sua capacidade na MotoGP.

As novidades da Aprilia estão centradas nos pilotos, a nova moto, um projeto em desenvolvimento, ainda não estará pronta. Aleix Espargaro, que estava pilotando uma Suzuki, assume como piloto principal da fábrica, secundado por Sam Lowes, que encerra um ano complicado na Moto2. A Aprilia conta com a experiência de Espargaro, um piloto com amplo conhecimento em diversos tipos de motos, para obter resultados mais consistentes na próxima temporada.

O acontecimento que deve rivalizar com a estreia de Lorenzo na Ducati em termos de atrair a atenção da mídia é a entrada (ou retorno) da KTM para a MotoGP. Para o comando das motos a fábrica não bancou apostas, contratou os experientes pilotos Pol Espargaro e Bradley Smith, que dividiram os boxes da Monster Tech 3 em 2016. A expectativa é grande, principalmente pela novidade (ou retorno às origens) do quadro de aço tubular com estrutura em treliça. Todas as demais fábricas já abandonaram este conceito, trocado por fibra de carbono ou viga de alumínio. A KTM vai ter o piloto de testes Mika Kallio competindo como “Wild Card” na prova de Valência, ele recentemente declarou que o comportamento do quadro de aço em treliça é diferente da viga de alumínio e que levou algum tempo antes de se adaptar. Um período semelhante de adaptação talvez seja necessário para de Smith e Spargaro.

A Honda rigorosamente não apresenta novidades em relação ao pessoal de apoio, mas o que a HRC está preparando para a nova temporada desperta muita curiosidade. Há um boato, estimulado por vazamentos da fábrica, que um motor muito diferente vai equipar as RC213V. Comenta-se que a ordem de disparo, (mais corretamente, o intervalo de disparo) foi modificado para facilitar o gerenciamento da geração de potência do motor. Qualquer dúvida neste sentido será esclarecida assim que o som da nova moto for ouvido. O som gerado por um motor “Screamer” tem uma característica muito diferente do “Big Bang”. Pilotos e engenheiros da HRC são extremamente reticentes em comentar as novidades, porém há indícios que as mudanças para 2017 foram concentradas em pequenas alterações no chassi e uma grande melhoria no poder de aceleração. Considerando que as Honda venceram nove das dezessete corridas já realizadas nesta temporada com um motor complicado, uma melhoria nesta área pode resultar em uma vantagem expressiva. A Honda costuma utilizar a moto mais recente neste primeiro teste exclusivamente para os pilotos de fábrica, porém este ano Cal Crutchlow tem desempenhado um papel importante no programa de desenvolvimento e deve receber um modelo atualizado.

Os testes de Valência tem uma conotação diferente para as equipes satélite. As equipes de fábrica utilizam estes dois dias para experimentar evoluções tecnológicas, enquanto as não fábrica ficam presas aos equipamentos que competiram durante a temporada. Não há novidades nas motos, a dança das cadeiras entre pilotos e pessoal de apoio está sendo consolidada. Na Marc VDS Racing Team o atual chefe de equipe de Jack Miller, Cristian Gabarrini, está de mudança para a Ducati, assume em seu lugar Ramon Aurin, que este ano chefiou a equipe de Dani Pedrosa e vai ser substituído por Giacomo Guidotti.

A Monster Tech 3 está esperando as Yamaha M1 de 2016 para seus novos pilotos, Johann Zarco e Jonas Folger, que foram promovidos da Moto2. Em termos de equipamento a história se repete, as M1 utilizadas pelos pilotos da Movistar Yamaha na corrida de Valência são entregues para a equipe e permanecem inalteradas durante todo o próximo ano. A única equipe satélite da Yamaha está reassumindo a função de formadora de talentos para a fábrica e os resultados dos pilotos nos testes não são muito significativos.

Se a situação das japonesas Honda e Yamaha é relativamente simples, as coisas são um pouco mais complexas para as satélite da Ducati, em função do número de motos que a fábrica alinha no grid de largada. Complica ainda mais porque cada equipe recebe equipamentos diferentes para cada piloto. Nos testes de Valência, a Avintia terá uma GP16 para Hector Barberá e uma GP15 para Loris Baz, na Aspar Álvaro Bautista terá um modelo GP16 e Karel Abraham um GP15. A Pramac ainda não definiu a distribuição dos equipamentos, a equipe está realizando uma disputa paralela entre Danilo Petrucci e Scott Reding, considerando os resultados entre as provas da República Tcheca e a última do ano, descartando o pior resultado. O vencedor deste minicampeonato vai pilotar uma evolução da GP16 com alguns dos desenvolvimentos da GP17, o perdedor recebe uma GP16.

Valência não vai decidir o campeonato este ano, mas os testes nos dias seguintes são repletos de atrações.

Carlos Alberto Goldani
Porto Alegre – RS

Quer ver todos os textos de colaboradores? Clique AQUI

Os artigos publicados de colaboradores não traduzem a opinião do Autoracing. Sua publicação obedece ao propósito de estimular o debate sobre automobilismo e abrir um espaço para os fãs de esportes a motor compartilharem seus textos com milhares de outros fãs.

AS - www.autoracing.com.br

Tags
, , , , , , ,

ATENÇÃO: Comentários com textos ininteligíveis ou que faltem com respeito ao usuário não serão aprovados pelo moderador.