MotoGP 2019 – São outros quinhentos

Lançamento da Honda 2019

Colaboração: Carlos Alberto Goldani

No século XIII os fidalgos de linhagem na Península Ibérica podiam requerer indenização de qualquer injúria, sendo o agressor condenado a pagar 500 soldos ou ser preso. O agressor poderia incorrer na mesma pena caso voltasse a insultar a vítima. A legislação entendia que qualquer outra vilta, vitupério sem razão, posterior à multa cobrada, não seria incluída na primeira. Era matéria para novo julgamento, outra culpa, outro dever. Seriam, evidentemente, outros quinhentos.

A expressão “outros quinhentos significa algo diferente, outra história, outro elemento e é usada para enfatizar que, apesar de eventuais similaridades, os objetos da comparação são independentes.

A MotoGP conviveu na última década trocando o protagonismo de pilotos e fabricantes. Em 2010 A Yamaha com Jorge Lorenzo reinou absoluta, abrindo 138 pontos de vantagem sobre a Honda de Dani Pedrosa, o segundo classificado. Em 2011 a Honda deu o troco com Casey Stoner e venceu o campeonato com larga margem, 90 pontos. As temporadas de 2012 e 2013 foram equilibradas entre Yamaha e Honda, com o campeonato sendo decidido na última prova. A RC213V da Honda deu um salto de qualidade em 2014 e Márquez venceu com folga, 67 pontos. O ano de 2015 presenciou uma disputa interna entre os pilotos Lorenzo e Rossi da Yamaha, caso raro entre pilotos com o mesmo equipamento.

A temporada de 2016 foi diferente, em tese os regulamentos extinguiram o gap de tecnologia existente entre os fabricantes e equalizaram as condições entre as fábricas, nivelando por baixo com a eletrônica padronizada e a mudança do fornecedor de pneus. Foi o primeiro ano em que a francesa Michelin substituiu a nipônica Bridgestone. A engenharia da Honda foi mais eficiente na adaptação e Márquez venceu o mundial com antecedência abrindo 49 pontos sobre a Yamaha de Rossi. Em 2017 a Ducati recuperou os bons tempos de 2007 de Casey Stoner, e Andrea Dovizioso se apresentou na última prova da temporada ainda com chances (muito remotas) ao título.

Os prognósticos de 2018 eram de uma temporada com disputas acirradas, terceiro ano da eletrônica padrão, restrições relacionadas a aerodinâmica e sem nenhum fabricante apresentando grande vantagem sobre os demais. A Michelin implementou alterações no comportamento dos compostos que algumas equipes custaram a encontrar um ajuste aceitável. O talento de Marc Márquez frustrou as esperanças dos organizadores vencendo 9, a metade das provas, a equipe da Ducati ficou com 7 etapas, porém com a pontuação pulverizada entre seus pilotos (4 vitórias de Dovizioso e 3 de Lorenzo). A Yamaha de Vinales e a Honda da independente LCR ficaram com as duas restantes. Para a alegria dos promotores, os três primeiros colocados no campeonato foram pilotos de fábricas diferentes, Honda, Ducati e Yamaha.

Todo este prólogo foi necessário para tentar antever a temporada de 2019. Já está evidente que Honda e Ducati optaram por estratégias distintas, a Repsol-Honda aposta em dois campeões do mundo e assume o compromisso de adequar os equipamentos ao gosto de seus pilotos, ou seja, ajustes distintos. A Ducati, com um novo patrocínio, já deixou claro que aposta todas as suas fichas em Andrea Dovizioso. Seu companheiro, Danilo Petrucci, sabe que é apenas um auxiliar, mudou-se para perto da residência do colega e trocou seu pessoal de apoio, médico e psicólogo, para os indicados pelo piloto principal da equipe. Na Yamaha ainda persiste uma atenção maior para Valentino Rossi, que ainda batalha para ser o maior vencedor na história da MotoGP. Maverick Vinales está gradativamente tendo uma voz mais ativa na equipe e tem a seu favor a única vitória da fábrica na temporada passada.

A Suzuki, que passou sabática na temporada passada, acredita nos jovens pilotos Alex Rins e Joan Mir, entusiasmada com o desempenho dos equipamentos no final de 2018. A austríaca KTM acredita que pode lutar pelo pódio em algumas provas, investiu pesado na contratação de Johann Zarco para fazer companhia a Pol Espargaró. A KTM decidiu equipar uma equipe independente, mais motos disputando nas pistas significa mais feedbacks para a engenharia, a divisão de competições da fábrica tem pressa. Andrea Iannone e Aleix Espargaró vão comandar as duas Aprilia sem muitas aspirações além de ficar entre os top ten.

Existem algumas novidades entre as independentes, a Monster Yamaha Tech 3 muda para Red Bull KTM Tech 3 e surge a Petronas Yamaha SRT, o nome da equipe satélite da Yamaha. LCR continua com a Honda, Pramac e Avintia continuam a competir com equipamentos Ducati.

Tudo acontece como se as disputas da nova temporada serão equilibradas, com as Ducati, Yamaha, Honda e Suzuki em iguais condições de disputar vitórias, KTM e Aprilia podem eventualmente aparecer nos pódios. No início da temporada todos os holofotes estarão centrados nos boxes da Repsol-Honda para acompanhar o trabalho conjunto de dois pilotos multi-campeões, com características distintas, Márquez com sua impetuosidade peculiar e uma capacidade imensa de improvisação, Lorenzo com uma técnica suave e refinada, que parece estar pilotando sobre trilhos.

Na apresentação da Ducati, as novidades ficaram por conta de um novo patrocinador e um grafismo com muito mais vermelho que a temporada passada. Gigi Dall’Igna, gestor da equipe oficial disse que a Desmosedici GP19 é uma evolução do modelo anterior, não uma revolução. A equipe de engenharia tenta aprimorar o comportamento do protótipo nas curvas, mantendo o desempenho em frenagens e acelerações. A GP19 também trabalha na aerodinâmica e apresentou nos teste uma haste de torque visando conseguir mais aderência na roda traseira.

A Yamaha também trocou o principal patrocinador. A Movistar foi substituída pela Monster Energy e é esperado um novo visual da carenagem, com o tradicional azul cedendo espaço para o verde fluorescente habitual da gigante dos energéticos. Por enquanto a nova identidade visual é só especulação, que deve permanecer oculta até a apresentação oficial em 4 de fevereiro.

Poucos se animam a fazer previsões para a próxima temporada, além de esperar mais disputas. Tudo indica que, no jargão popular, a temporada da MotoGP em 2019 tenha um resultado mais imprevisível, afinal são “outros 500”.

Carlos Alberto Goldani
Porto Alegre – RS

Quer ver todos os textos de colaboradores? Clique AQUI

Os artigos publicados de colaboradores não traduzem a opinião do Autoracing. Sua publicação obedece ao propósito de estimular o debate sobre automobilismo e abrir um espaço para os fãs de esportes a motor compartilharem seus textos com milhares de outros fãs.

AS - www.autoracing.com.br

Tags
, , , , , , ,

ATENÇÃO: Comentários com textos ininteligíveis ou que faltem com respeito ao usuário não serão aprovados pelo moderador.