Kimi 34. Por Fernanda de Lima

Kimi Raikkonen

“Dirigir é a única coisa que gosto da F1″

17 de outubro de 2013. Hoje o homem de gelo, Kimi Raikkonen, completa 34 anos de vida. Kimi, uma das figuras mais carismáticas da F1, exatamente pelo fato de não ser carismático, nasceu na jovem Espoo, fundada em 1972, na Finlândia. Como é de praxe, o finlandês começou no kart, mas com uma diferença que talvez tenha definido o “animal selvagem” que Raikkonen se tornou. As pistas quase sempre escorregadias e perigosas da fria Finlândia, exigiam arrojo, coragem e talento de seus pilotos.

Aos 8 anos, Kimi começou a se aventurar no kart. Foi no kartódromo de Bembole (berço também de Keke Rosberg e Mika Hakkinen), em Espoo, que começou a ser escrita a história do campeão mundial de 2007, atual piloto da Lotus e futuro-número-quem-sabe da Ferrari em 2014. Do kart para a Formula Renault direto para a Formula 1. Raikkonen chegou à categoria, que deixaria em 2009 e retornaria em 2012, para ser piloto da Sauber, no ano de 2001. Tendo como companheiro de equipe o alemão Nick Heidfeld, Kimi era, naquela época, o piloto com menos experiência em um carro de F1. O apelido de homem de gelo veio mais tarde, mas, desde sua chegada, a sua frieza, calma e “indiferença” já eram notadas. Na sua estreia, no GP da Austrália, em 2001, Kimi tirava uma soneca até 20 minutos antes da prova! Hoje, o finlandês é um dos mais experientes do grid, ao menos se considerarmos a idade. Com a saída de Mark Webber no fim desse ano, Raikkonen será o piloto mais velho à frente de um F1 na próxima temporada. Será como o vinho? Quanto mais velho, melhor?

O que os 34 anos de Raikkonen podem oferecer de perigo ao posto de Fernando Alonso na escuderia italiana em 2014? Creio que absolutamente nada. E espero honestamente estar errada. A selvageria de Kimi não é páreo para a fúria espanhola. Fui buscar ao pé da letra o significado da palavra selvagem: “Relativo a selvas ou próprios delas: vida selvagem. Inculto, agreste. Que vive nas selvas ou fora do convívio humano: homem selvagem. Bravio, não domesticado: gato selvagem. Despovoado. Silvestre. Que nasce sem cultura: planta selvagem. Bárbaro, rude, bruto, ignorante: índole selvagem. Que evita o convívio humano, ou gosta de viver só”. Em contrapartida, o significado de fúria ou furioso: “Tomado de fúria. Arrebatado, cheio de ira, enraivecido, exasperado. Possuído de paixão excessiva por alguma coisa; entusiasta. Forte, violento: temporal furioso. Impetuoso, veemente. Extraordinário, grande: esforço furioso”.

Certa vez li em um jornal uma declaração sobre Kimi que dizia mais ou menos assim: “Ele ama correr, mas odeia todo o resto na F1”. Talvez a onda de Kimi seja apenas essa: correr. Vencer? Quem sabe. A quatro corridas do fim da temporada, Raikkonen declarou que, apesar da mudança de escuderia em 2014 já estar definida, sua motivação para esse ano ainda não acabou. E é desse ponto que partiremos para uma recapitulação do aniversariante do dia em 34 declarações:

1 – “O fato de estar trocando de equipes não significa uma mudança para mim, ainda quero vencer corridas este ano. Não estou interessado em apenas ficar pilotando, quero sempre fazer meu melhor, então o que acontecerá no próximo ano ainda não me interessa.”

2 – “Não vejo um motivo para fazer algo que eu não aproveite. É claro que existem coisas que não sou muito fã, mas, pelo menos, a corrida compensa. Estou feliz em como as coisas estão indo e espero que no futuro sejam ainda melhores”, completou após falar sobre a sua motivação para o restante da temporada.

3 – “Não é só isso (grana). Eu senti que a Ferrari realmente me queria e eu tenho boas memórias de lá. Acho que, no final, eu consegui o que eu queria. Estou muito feliz com a minha decisão”, sobre o seu retorno à Ferrari. O que é que Kimi queria? Apenas retornar ou mostrar pra italianada: olha só o que vocês perderam? Me mandaram embora pelo Alonso e agora precisam de mim para botar ordem na casa.

4 – “Quando eu estive lá não havia pilotos número 1 ou número 2. Obviamente isso mudou ao longo dos anos, mas eu sei o que vai acontecer e o que eu vou ganhar, então não me preocupo”, Ferrari deixará os meninos se entenderem na pista?

5 – “As razões pelas quais eu vou sair (da Lotus) são puramente financeiras, não recebo meu salário. É lamentável”, se a Ferrari não o convenceu a ir para Maranello apenas por dinheiro, a Lotus definitivamente o ajudou na sua saída pela falta dele.

6 – “Eu não vou a uma escola de línguas para aprender italiano. Não foi isso que vim fazer na Ferrari”, declarou em sua primeira passagem pela escuderia.

7 – “Eu conheci Sebastian há muito tempo em uma corrida. Ele era jovem e, em seguida, comecei a falar com ele. E desde aquela vez nos falamos sempre que nos encontramos. Ele é um cara simples e eu gosto disso”, sobre a amizade com o futuro tetracampeão, Sebastian Vettel.

8 – “Eu faço as coisas do meu jeito, algumas pessoas gostam e outras não. Uma coisa que nunca tentei foi agradar. Talvez isso seja popular nos dias de hoje”, sobre a sua popularidade após o seu retorno à F1.

9 – “Ele é meu chefe”, sobre qual o tipo de relação mantinha com Peter Sauber, em sua passagem pela Sauber.

10 – “Ele não vem e diz aos pilotos coisa alguma. E eu, pelo menos, não preciso de seus conselhos”, sobre Michael Schumacher na Ferrari.

11 – “Se tem uma luz vermelha quando você sai, você tem de parar. Então vem um olho de madeira, bate em você e quebra o carro”, sobre o choque de Lewis Hamilton na traseira da sua Ferrari na saída do pitlane no GP do Canadá de 2008.

12 – “Se você tentar ser outra pessoa, não vai funcionar. O que quer que você faça, você não vai deixar todo mundo feliz”, sobre as lições que aprendeu na F1.

13 – “Para nós, ter um banheiro fora da casa era normal. Era assim que sempre tivemos, e era o que te fazia levantar nas manhãs de inverno. A decisão foi tomada e com certeza ajudou”, sobre a opção de seu pai, que abdicou da decisão de construir um banheiro dentro de casa para comprar um kart para Kimi.

14 – “É fácil de estacionar e bom de dirigir”, sobre seu Fiat 500, o carro que Kimi dirigia na época em que se tornou campeão mundial. Dá pra imaginar Kimi com dificuldades de estacionar?! Haha

15 – “Eu não vi e não estou nem um pouco interessado no que a Ferrari fez”, sobre o fatídico “Hoje não, hoje não, hoje sim…”, no GP da Áustria de 2002, entre Michael Schumacher e Rubens Barrichello.

16 – “Eu não tenho heróis, mas Hunt tinha um jeito diferente. E acho que era um jeito agradável. Ele fez as coisas boas que tinha de fazer, mas ele viveu de uma maneira diferente de muitos outros”, sobre James Hunt, nome que Kimi adotou para participar de competições em outros esportes, como em uma corrida de lanchas na Finlândia, em que apareceu vestido de gorila.

17 – “Eu durmo”, sobre o que faz antes das corridas.

18 – “Somente quando estou um país à frente, como em Melbourne ano passado (2007). Então você está pensando em outras coisas ou brincando com os botões no volante. Então de repente eu perdi um ponto de freada. Esse ano, infelizmente, não tivemos uma corrida dessas”, respondendo à pergunta: “é verdade que às vezes você fica entediado no carro?”

19 – “Enquanto eu gostar de correr, vou continuar correndo. Depois disso não tenho planos. Um dia quero ter família e crianças. Mas agora não é a hora certa. Eu viajo muito. Quando se tem filhos, seria legal vê-los”, em entrevista ao The Telegraph em 2008.

20 – “Protege a minha cabeça”, questionado sobre o significado especial do capacete para muitos pilotos.

21 – “Bom, no verão, pescar e transar. E no inverno, a pesca é ruim”, sobre o que se fazer na Finlândia.

22 – “Eu não ligo para o que as pessoas pensam de mim. Eu não sou Michael Schumacher.”

23 – Qual o momento mais excitante num final de semana de corrida? “A largada, sempre.” E o mais tedioso? “Agora”.

24 – “Eu li em algum lugar que eu dirijo com a sorte de um bêbado.”

25 – Qual a sensação de correr a 300km/h? “Normal”.

26 – “Minha vida teria sido muito mais fácil se eu tivesse sido um piloto nos anos 70. Eu definitivamente nasci na época errada.”

27 – Você iria para outra equipe além da Ferrari? “Não, provavelmente não.” Definitivamente não? “Eu disse provavelmente”, em sua primeira passagem pela Ferrari.

28 – “Me deixa em paz, eu sei o que estou fazendo”, clássica! Em resposta ao rádio da Lotus, no GP de Abu Dhabi de 2012. Ao invés de criar caso, a Lotus adotou o estilo irreverente.

29 – “Somos velhos o suficiente para saber o que estamos fazendo e a equipe está trabalhando para fazer as coisas do jeito certo. Se acontecer alguma coisa, tenho certeza que podemos conversar e chegar a uma solução. Não é como se tivéssemos 20 anos ainda. Eu posso estar enganado, mas o tempo vai dizer. Acredito que faremos uma boa parceria”, sobre o futuro companheiro de equipe, Alonso.

30 – “Completamos um monte de corridas e tivemos diversas recuperações. Uma hora essa sorte ia acabar. Tive um problema nos freios, então não tinha porque tentar continuar”, sobre o abandono da Lotus no GP de Spa 2013.

31 – “Por que vocês estão gritando na p**** do rádio?”, para a equipe, na Nascar.

32 – Como você acha que está o ambiente na McLaren? “Muito bom, eu aposto!”, sobre o caso de espionagem da equipe britânica.

33 – “No rally é tudo completamente diferente da F1. Tem muitas variáveis, diferentes condições, pistas e superfícies. É um grande desafio. Cada curva é diferente. Na F1 não acontece isso”, sobre o Mundial de Rally que participou em 2010.

34 – “Dirigir é a única coisa que gosto da F1”, RAIKKONEN, Kimi.

Fernanda de Lima

Leia e comente outras colunas de Fernanda de Lima

AS - www.autoracing.com.br

Tags
, , ,

ATENÇÃO: Comentários com textos ininteligíveis ou que faltem com respeito ao usuário não serão aprovados pelo moderador.