IMSA – Barbosa e Albuquerque vencem em Long Beach pela segunda vez

F.Nasr, E.Curran, P.Derani

A corrida teve apenas 1h40 de duração, mas não faltaram emoções na disputa da 3ª etapa do IMSA WeatherTech SportsCar Championship, neste sábado (dia 13), nas ruas de Long Beach, na Califórnia (EUA). Melhor para os portugueses João Barbosa e Filipe Albuquerque que levaram o #5 Mustang Sampling Cadillac DPi-V.R da equipe Action Express Racing à segunda vitória seguida nesta pista.

Os companheiros Felipe Nasr e Pipo Derani, que venceram as 12 Horas de Sebring no mês passado e chegaram em segundo nas 24 Horas de Daytona ao lado de Eric Curran, tinham tudo para faturar mais uma. Mas um problema após o pit stop da equipe acabou com as chances dos brasileiros.

Nasr largou em segundo e, na oitava volta, já estava na ponta com o #31 Whelen Engineering Cadillac DPi-V.R. O piloto liderou até sua parada, quando Derani assumiu a direção. Um problema no pit, no entanto, fez Derani perder uma das rodas, obrigando-o a voltar aos boxes.

Como entrou no pit para recolocar a roda perdida no momento dedicado apenas aos carros GT, na sequência, Derani ainda precisou cumprir um stop&go. De volta à pista, o brasileiro acelerou forte (fez, inclusive, a melhor volta da corrida) e foi ganhando posições até chegar em sexto lugar. A colocação deu à dupla a liderança isolada da competição, com 92 pontos. Hélio Castroneves e Ricky Taylor, que chegaram em segundo em Long Beach, são os vice-líderes, com 90 pontos, um a mais que Barbosa e Albuquerque.

“Foi uma pena, porque parecia a corrida perfeita até então”, disse Nasr. “Tive um carro muito bom e estava liderando a prova. Estava tudo sob controle. Quando veio a bandeira amarela, estávamos prontos para uma parada completa. Infelizmente, quando o Pipo entrou no carro uma das rodas se soltou e tivemos de parar de novo”, lembrou o brasileiro, atual campeão do IMSA.

Depois da punição por ter seguido o procedimento incorreto neste pit stop de emergência, Derani voltou em 14º no geral. Mas rapidamente superou os carros da GTLM no tráfego para ganhar posições.

“Em primeiro lugar devo dizer que acabamos tendo sorte num dia de muita falta de sorte”, comentou Derani. “Temos de nos reunir e entender o que aconteceu. Senti que a corrida era nossa hoje. Tivemos um carro fantástico o final de semana inteiro”, continuou o três vezes campeão de Sebring.

“Assim que saí dos pits, sabia que havia algo errado e depois que a roda saiu o objetivo era ‘sobreviver’ e conseguir voltar aos boxes. E, quando voltamos, era o momento errado, porque os carros de GT estavam lá. Por isso, tivemos uma punição. Então, considerando tudo isso, foi bom terminar em sexto. Estávamos muito rápidos e fiz a volta mais rápida da corrida, o que mostra o quanto o carro estava bom. Definitivamente, não foi fácil no final, havia um desgaste dos pneus, mas isso era esperado já que aceleramos o tempo todo para tentar escalar o pelotão”, completou Derani.

Nasr fez a melhor volta durante o seu stint e Derani continuou no mesmo ritmo e, com a volta em 1min11s932, estabeleceu um novo recorde para o IMSA em Long Beach.

“Hoje tivemos um dia ruim. Sei que campeonatos são conquistados com dias bons e ruins. Ainda conseguimos nos recuperar e marcar alguns pontos. Assim são as corridas”, finalizou Nasr.

Festa Portuguesa
A vitória de Albuquerque e Barbosa foi muito comemorada, principalmente, porque o time enfrentou problemas no início da disputa nas estreitas ruas de Long Beach. Depois de largar em quarto, Barbosa perdeu algumas posições na primeira volta e caiu para oitavo, evitando contato com outros carros. Graças a uma estratégia perfeita nos pits e um ritmo forte, o experiente piloto pode entregar o carro a Albuquerque com boas chances de brigar pela vitória.

Mas eles ainda teriam de enfrentar mais um momento adverso. Um pneu furado fez Albuquerque entrar nos pits na volta 39, parando antes dos demais competidores. A equipe trocou apenas este pneu e o piloto pode assumir a ponta na volta 45 das 73 disputadas.

Apesar de pressionado no final por Ricky Taylor, o piloto soube lidar muito bem com o tráfego nos minutos finais e venceu com 0s740 de vantagem.

“A maneira como começamos me fez pensar que iríamos apenas somar alguns pontos. Quando entrei no carro, ele estava ótimo e a estratégia foi perfeita. Nas últimas 15 voltas, perdi o equilíbrio na traseira do carro e, por isso, o carro da Penske começou a se aproximar. Sabia que eles queriam vencer. O Ricky Taylor estava esperando eu cometer um erro e chegou muito rápido em mim. Sabia que nós não tínhamos a velocidade dos Acura ou Mazda, mas nessa pista apertada de Long Beach uma coisa é chegar, outra é passar”, destacou Albuquerque.

“Tivemos um início difícil na corrida e eu só estava pensando em evitar todo aquele caos para entregar um bom carro para o Filipe no final”, lembrou Barbosa. “Paramos na hora certa, quando o pneu furou e a equipe tomou a decisão correta de trocar apenas um. A equipe fez um trabalho inacreditável”, completou Barbosa, que já havia subido ao pódio com o companheiro este ano com o terceiro lugar em Sebring.

A próxima etapa do IMSA acontecerá no dia 5 de maio em Mid-Ohio.

Os seis primeiros da categoria DPi em Long Beach:
1 #5 J. Barbosa / F. Albuquerque (Mustang Sampling Racing Cadillac DPi) 73 voltas em 1h41min01s368
2 #7 R. Taylor / H. Castroneves (Acura Team Penske Acura DPi) a 0.740
3 #6 J. Montoya / D. Cameron (Acura Team Penske Acura DPi) a 1.873
4 #77 O. Jarvis / T. Nunez (Mazda Team Joest Mazda DPi) a 21.066
5 #84 S. Trummer / S. Simpson (JDC-Miller MotorSports Cadillac DPi) a 25.483
6 #31 F. Nasr / P. Derani (Whelen Engineering Racing Cadillac DPi) a 35.280

EB - www.autoracing.com.br

ATENÇÃO: Comentários com textos ininteligíveis ou que faltem com respeito ao usuário não serão aprovados pelo moderador.