F1 – Resolvida a crise da Red Bull?

f1-mario-illien-adrian-newey

Mario illien e Adrian Newey

Uma fonte inglesa está afirmando que provavelmente a maior crise deste ano na F1 finalmente terminou. Ter cancelado seu contrato de motor para 2016 com a Renault sem ter uma nova parceira de motor pareceu bastante estúpido. Depois de tantas acusações por parte da Red Bull de que o motor não servia e a Renault não investia, muitos acreditaram que a relação com os franceses não teria mais volta.

A Red Bull ameaçou várias vezes nos últimos meses abandonar a F1 com suas duas equipes, caso não conseguisse um motor competitivo para 2016.

No entanto, parece que isso não vai acontecer, pois nesta noite eles fecharam um acordo e terão um novo motor para alimentar o RB12. Este motor será construído parcialmente pela própria Red Bull no prédio 9 de sua sede.

A Red Bull vai usar a última atualização do motor Renault em Interlagos, algo que já poderia ter feito tanto em Austin como no México. Esta última atualização da unidade de potência – chamada de Renault 12 tokens – é o resultado de um esforço conjunto entre a Renault e o consultor da Red Bull, Mario Illien. E a razão pela qual a Red Bull se recusou a usar essa unidade de potência nas duas últimas corridas foi porque o acordo sobre a propriedade intelectual conjunta ainda não tinha sido finalizado.

Mario Illien, o ex-guru de motor da Ilmor, tem trabalhado no prédio novo nº 9 de Milton Keynes há mais de um ano e ajudou a Renault na resolução de falhas fundamentais de design em sua unidade de potência. Grande parte girando em torno do bloco do motor.

O resultado é que a Renault concordou em fabricar e fornecer para a Red Bull o motor a combustão atualizado e co-projetado, enquanto a Red Bull irá fornecer seus próprios componentes híbridos de sua unidade de potência.

Além disso, foi acordado entre as partes que a Red Bull poderá desenvolver o motor a combustão sem precisar de permissão da Renault, e que a propriedade intelectual da unidade base será de propriedade conjunta. Desentendimentos entre a Renault e a Red Bull sobre a propriedade intelectual do motor “co-desenvolvido” foram a razão da Red Bull ficar desesperada atrás de um parceiro temporário de motor para 2016. Estas questões parecem estar agora resolvidas.

A unidade de potência da Red Bull Racing para 21016 deverá ter a marca Infiniti, caso a Renault-Nissan concordar com isso. Se não, os custos de desenvolvimento de motores daqui para frente serão da Red Bull e um outro parceiro será creditado.

A Red Bull está confiante que vai começar a temporada 2016 extraindo mais 40 hp da versão ‘Renault 12 tokens’ que vai usar agora em Interlagos. Se isso de fato acontecer, eles terão um motor realmente competitivo em 2016.

A Renault vai agora concluir a aquisição da Lotus para correr como equipe de fábrica em 2016, e assim teremos uma batalha entre o Renault de fábrica e o Red Bull Renault que pode ser muitíssimo interessante na próxima temporada.

Quem diria que uma empresa de energéticos iria um dia fabricar uma parte de um motor de F1 e desenvolver outra.

Só na Formula 1 mesmo…

AS - www.autoracing.com.br

ATENÇÃO: Comentários com textos ininteligíveis ou que contenham ofensas não serão aprovados pelo moderador.