F1 – Renault: Mudanças de 2019 não fazem justiça às equipes

Renault

O diretor técnico da Renault, Bob Bell, acredita que as regras aerodinâmicas da Fórmula 1, programadas para serem introduzidas em 2019, não “farão justiça” às pesquisas realizadas pelas equipes.

Uma série de mudanças de regulamentação para 2019, entre elas uma asa dianteira e um duto de freio simplificados e uma asa traseira mais larga e mais profunda, foram aprovadas pela comissão da F1 na última reunião no mês passado.

Estas foram inicialmente propostas pelo departamento de Pesquisa e Desenvolvimento da F1, mas as equipes foram então convidadas a conduzir pesquisas próprias, cujos resultados, segundo a FIA, indicaram que as mudanças teriam “um impacto positivo nas corridas e ultrapassagens”.

Apesar disso, as equipes que montaram propostas para 2019 foram superadas em número por equipes que votaram contra, com a medida também exigindo o apoio dos representantes da FIA, FOM, patrocinadores e promotores. Passou então a ideia da FIA.

Bell, cuja empregadora Renault acredita estar entre as detratoras do plano, disse que a decisão da FIA de envolver equipes na pesquisa foi positiva, mas argumentou que elas não produziram evidências suficientes a favor das mudanças.

“Contribuímos para (a pesquisa) – o que é um bom passo, porque acho que as equipes são as organizações com toda a capacidade de fazer esse tipo de coisa e saber como fazê-lo”, disse Bell. “Mas eu não tenho certeza se foi feita justiça, acho que está tudo atrasado”.

“Eu não sou contra o princípio de mudar o design dos carros para tentar melhorar as ultrapassagens, ninguém seria. Mas acho que o que eu seria contra é tentar fazê-lo apressadamente, sem realmente provar que elas (mudanças) são o caminho a seguir, e também fazê-lo com pressa, forçando as equipes a reagir a um custo maior”, explicou.

“Eu não acho que isso tenha sido totalmente provado, a extensão que essas mudanças trarão. E nós estamos apresentando-as no último minuto. Eu pessoalmente preferiria esperar, colocar todo o nosso esforço em acertar as regras de 2021, e não tentar introduzir com pressa algo que não tenha sido necessariamente pensado completamente”, disparou.

O chefe da equipe Red Bull, Christian Horner, que anteriormente criticou as propostas de 2019 como “apressadas” e baseadas em “pesquisa imatura”, argumentou que elas serviriam apenas para criar “uma divergência maior” em um grid de F1 já espalhado.

E quando perguntado se as mudanças aerodinâmicas criariam uma oportunidade para a Renault fechar a lacuna para as três grandes equipes da F1, Bell repetiu o ponto de vista de Horner.

“Há duas escolas de argumento, suponho”, comentou ele. “Se você jogar todas as fichas no ar e houver uma chance de que isso atrapalhe as equipes que estão atrás, de alguma forma, haverá mais oportunidades, isso nivelará o campo de jogo”.

“Não tenho certeza. Acho que isso tende a favorecer os pontos fortes das equipes maiores que têm mais recursos, porque agora estamos diante de uma decisão que será pior do que seria de outra forma – quando começaremos a recuar no desenvolvimento do carro deste ano para se concentrar no próximo ano? Se você tem mais recursos, mais pessoas, então é uma decisão um pouco mais fácil”, concluiu.

EB - www.autoracing.com.br

Tags
, , , , , , , , , , , ,

ATENÇÃO: Comentários com textos ininteligíveis ou que faltem com respeito ao usuário não serão aprovados pelo moderador.