F1 – Quem está para o tudo ou nada em 2018?

Romain Grosjean

Com a temporada de Fórmula 1 de 2018 a poucos meses de distância, a ESPN dá uma olhada em quais pilotos estarão sob pressão para realizar este ano, na procura de garantir seu futuro no grid, ou conseguir um carro de ponta.

Valtteri Bottas
Valtteri Bottas fez o suficiente em 2017 para ganhar outra temporada na Mercedes. Ele teve um primeiro ano misto com a equipe, com alguns dos melhores resultados e desempenhos espalhados entre o que foi finalmente uma campanha decepcionante (admitido por ele mesmo) que o viu incapaz de desafiar o título de Lewis Hamilton. Uma grande melhoria é necessária este ano, se ele ainda quer pilotar para a Mercedes em 2019.

Kimi Raikkonen
Mais uma vez, Kimi Raikkonen entra em uma temporada em uma situação desconcertante. Ele mostrou vislumbres do velho Raikkonen em 2017, garantindo uma pole no GP de Mônaco, mas ainda ficou muito longe dos níveis que costumávamos esperar do campeão mundial de 2007. Ele conseguiu outra extensão de contrato no ano passado, mas o presidente da Ferrari, Sergio Marchionne – que rotulou o finlandês “de retardado” no meio da temporada – sugeriu que esta será a última chance de Raikkonen de mostrar que ele merece um lugar no grid além de 2018 .

Romain Grosjean
Romain Grosjean se juntou a Haas para manter-se na mira da parceira técnica da equipe americana, a Ferrari, mas suas chances de um emprego em Maranello parecem estar diminuindo a cada temporada. Com a perspectiva de a equipe demitir Raikkonen depois de 2018 ser muito real, e o surgimento do júnior da Ferrari Charles Leclerc, a janela de Grosjean para dar um passo para uma equipe de ponta parece pronta para fechar, a menos que ele faça algo drástico este ano.

Nico Hulkenberg
O que será de Nico Hulkenberg? Ele foi apontado como material de um campeão mundial quando chegou ao grid da F1 com a Williams em 2010, mas as peças nunca realmente se encaixaram para o alemão. A mudança da Force India para a Sauber no final de 2012 pareceu sensata na época, mas acabou coincidindo com o início de uma queda para ambas as equipes. Um ano baixo na Sauber significou que ele não conseguiu mostrar seu talento e, em última instância, perdeu uma possível mudança para a Ferrari em 2014.

Sergio Perez
Outro homem que parece ter perdido uma segunda chance em um carro em uma das melhores equipes da F1. Os níveis consistentes de desempenho de Sergio Perez ao longo dos últimos anos tem visto seu nome flutuando, mas a situação de Raikkonen/Leclerc na Ferrari, a confiança da Red Bull em seu programa júnior e a decisão da Mercedes de contratar Bottas na temporada passada, deixaram as possibilidades de Perez de conseguir uma unidade competitiva e de ponta, presa por um fio.

Marcus Ericsson
Embora não tenha marcado nenhum ponto em 2017, Marcus Ericsson esteve muitas vezes mais perto do conceituado colega Pascal Wehrlein do que muitos esperavam, particularmente no final da temporada. Mesmo assim, Ericsson ficou suando sobre sua carreira na F1 no final da temporada passada e ele pode enfrentar um cenário semelhante no final de 2018 devido à parceria da equipe suíça com a Alfa Romeo. A parceria, juntamente com o acordo da Sauber com a fornecedora de motores Ferrari, permitiu que a Scuderia colocasse o altamente cotado Leclerc no grid.

IB - www.autoracing.com.br

ATENÇÃO: Comentários com textos ininteligíveis ou que faltem com respeito ao usuário não serão aprovados pelo moderador.