F1 – Hamilton x Vettel nas sete corridas finais

Lewis Hamilton e Sebastian Vettel

Lewis Hamilton e Sebastian Vettel

A revista Autosport fez uma longa reportagem sobre a disputa Hamilton x Vettel para as sete corridas finais de 2017.

Sobre os carros não há novidades. A reportagem diz as mesmas coisas que o Autoracing vem dizendo, ou seja, a disputa está muito equilibrada e algumas pistas vão favorecer mais a Ferrari e outras a Mercedes.

O que a reportagem não diz é que a confiabilidade do equipamento e as performances de Raikkonen e Bottas terão papel fundamental nessas sete corridas restantes.

Abaixo você lerá a opinião de quem já trabalhou com ambos os pilotos e de companheiros de equipe que já os venceram.

Paddy Lowe e Lewis Hamilton

Paddy Lowe e Lewis Hamilton

Visão de Paddy Lowe sobre Lewis Hamilton, que trabalhou na McLaren e na Mercedes com ele.
Lewis é um piloto especial e todos vêem isso. A história o colocará entre os melhores de todos os tempos – e ele ainda não terminou. O que é notável sobre ele é o seu desempenho em corrida. Ele é incrivelmente bom nas corridas. Ele tem uma sensação tão natural de onde colocar o carro, então normalmente ele é melhor em qualquer disputa dentro das corridas.

Ele também tem uma boa sensação do limite, e enquanto ele é um piloto duro, ele não passa da linha, não é desleal. Sua esportividade nunca está em questão e isso é especial. Eu costumava dizer tanto a Nico quanto a Lewis, durante os últimos períodos de dominância na Mercedes, que a esportividade é o mais importante porque as pessoas vão se lembrar de você por “como” você fez as coisas, não pelo que você fez.

Sebastian parece ter uma boa compreensão da esportividade também, mas numa disputa direta, acho que Lewis é o melhor piloto. Então, se essa é a competição, acho que Lewis vai ganhar.

No primeiro ano de Lewis na McLaren, 2007, ele ultrapassava os adversários toda hora e lembro-me de um pouco de mau humor contra ele por isso. Eu entendi, porque sei que os pilotos acham que, se alguém os ultrapassar, eles são, por definição, insanos, e se eles te seguram é porque são idiotas. Lewis fazia ultrapassagens fantásticas em grandes pilotos e isso os irritou; Foi um golpe para eles – então houve um pouco disso no primeiro ano.

Durante uma batalha pelo título, Lewis ganha vida. É uma força, porque ele pode relaxar um pouco demais quando ele não está sob pressão ou pensa que não está sob pressão. Mas quando a pressão vem e ele precisa fazer o trabalho, é quando ele faz seu melhor. Ele se torna massivamente mais focado. Não fica tenso: ele simplesmente vai lá e entrega.

Muitas vezes, quando ele está sob pressão, ele vai lá e ganha três corridas em seguida. Nós vimos isso no ano passado quando ele percebeu uma ou duas corridas muito tarde que ele realmente precisava dar seu melhor. Então ele foi completamente dominante no final da temporada depois de Cingapura. E isso é um sinal assustador para quem está tentando competir contra ele.

Christian Horner e Sebastian Vettel

Christian Horner e Sebastian Vettel

Visão de Christian Horner sobre Sebastian Vettel, que foi seu chefe de equipe dutante anos na Red Bull
Sebastian usa seu coração na luva e ele está envolvido em uma batalha muito intensa. Ele vê uma oportunidade de ser um campeão novamente este ano, e ele sabe que ele precisará ter tudo a seu favor para conseguir isso. Ele tem zero filtro entre o que ele pensa e o que ele diz – ou mesmo o que ele faz às vezes, e esse é o grande lado dele. Mas pode colocá-lo em apuros também.

Ele sempre foi muito contundente na Red Bull quando as coisas não caminhavam como ele queria, mas as coisas caminhavam mais frequentemente da maneira como ele queria do que o contrário. Ele ganhou 39 GPs aqui e quatro campeonatos consecutivos e ele estava em um estágio inicial de sua carreira, se desenvolvendo como piloto e de um menino para um jovem. Ele está no negócio há dez anos agora e, obviamente, as pessoas evoluem e mudam.

A Ferrari é uma equipe emocional, e a atmosfera latina alimenta a própria emoção de Seb. Isso não quer dizer que seja ruim, mas mostra que ele é humano e com quanta fome ele consegue seu objetivo. Ele é um indivíduo muito focado e ele lidou extremamente bem com a pressão na Red Bull. Era quase como se houvesse mais pressão, melhor ele responderia – especialmente no final de um campeonato. Ele era notavelmente forte em sua cabeça e em sua abordagem.

Geralmente, quando você ia às corridas em outros continentes, você sabia que se houvesse um cheiro de campeonato, ele entregaria. Sua abordagem, sua aplicação, sua atenção aos detalhes e sua ética de trabalho foram o que lhe permitiu ganhar esses quatro títulos mundiais. Dois deles – 2010 e 2012 – foram por um fio. Em 2012, lembre-se, ele ganhou apenas uma corrida na Europa, mas depois ganhou quatro a partir de Cingapura…

Lewis Hamilton e Nico Rosberg

Lewis Hamilton e Nico Rosberg

Como vencer Hamilton? Nico Rosberg conta como ele fez…
Em 2016, o título foi por um fio. Nico Rosberg venceu seu companheiro de equipe e disse basta. Aqui ele explica como ele acumulou uma vantagem mental sobre Lewis

Quando perdi o título de 2015 para Lewis no GP dos EUA em Austin, foi difícil. Eu coloquei minha vida inteira em ganhar na pista de corrida tentando ser o melhor do mundo – então, quando você sofre uma perda assim, é difícil engolir. Mas é graças a essa perda que agora sou campeão, porque lutei nos momentos sombrios e saí com uma motivação que nem eu sabia que tinha.

Claro que Lewis é um dos melhores pilotos: seu nível é extremamente alto, ele é ótimo nas disputas roda a roda e ele é muito inteligente. Então, para competir com ele, eu sabia que tinha que dar tudo, começando por reorganizar minha vida privada para garantir que eu tivesse toda a energia possível para me concentrar 100% no trabalho.

Eu sempre explorei o lado mental do esporte – porque sempre treinamos muito nossos corpos, mas nós não fazemos muito por nossas mentes. Então achei que ainda era possível encontrar aquele extra no lado mental, então eu realmente aumentei a concentração o ano passado e encontrei uma maneira de trabalhar intensamente com um treinador mental.

Meu foco principal foi a meditação, que é uma palavra que muitas vezes é mal interpretada. No meu caso, era sobre a prática de concentração e aprender a controlar sua mente. Você não pode desligar emoções negativas, mas você pode mudar a maneira como você reage a elas. Se você está ciente, você pode diminuí-las e mover sua mente para pensamentos mais positivos. Trabalhei nisso durante 20 minutos todas as manhãs e à noite e foi benéfico – tanto para minhas corridas quanto para minha vida como um todo ao longo do ano.

Mesmo assim, o sentimento mais intenso que já tive em uma corrida foi durante as últimas quatro voltas em Abu Dhabi, porque meu sonho de infância estava prestes a acontecer, mas eu não sabia se funcionaria até chegar na última curva. A intensidade e a adrenalina eram inacreditáveis, e na minha mente eu perdi o campeonato duas vezes nessas quatro voltas.

Isso pode soar longe da calma … mas talvez fosse ainda mais extremo se não tivesse feito todo o trabalho em minha mente. Poderia ter me feito cometer um pequeno erro que teria sido a diferença entre ganhar e perder o campeonato mundial – quem sabe?

Daniel Ricciardo e Sebastian Vettel

Daniel Ricciardo e Sebastian Vettel

Como vencer Vettel? Daniel Ricciardo relembra o que fez…
Quando Sebastian tem confiança no carro e no pacote, ele normalmente leva o carro para onde precisa ir. Quando cheguei à Red Bull para 2014, não havia nada em sua técnica de condução que eu senti que tinha que adotar. Havia algumas coisas que eu não tinha visto antes, no entanto. Ele se sobrepunha um pouco na frenagem e no acelerador para equilibrar o carro, e isso era interessante porque não era uma técnica usada na Toro Rosso.

Aquele técnica era bastante efetiva para a Red Bull durante a era do escape soprado, e ele continuou assim. Isso foi interessante.

A grande força de Seb, que também pode ser sua fraqueza, estava fora do carro. Ele tem uma grande paixão pelas corridas. Ele investe muito tempo no que faz, às vezes demais. Ele dedica muito da vida a esse esporte e ele se apaixona por conseguir que as coisas funcionem como ele quer que funcione.

Ele é bastante intenso sobre essas coisas. Quando éramos companheiros de equipe, ele levava seus engenheiros para um lado e tinha muitas reuniões privadas com eles, além das reniões padrão – tentando descobrir tudo em pequenos detalhes. Esse tipo de coisa pode ser uma força, mas também acho que você pode exagerar. Eu acho que ele os deixou coçando a cabeça o tempo todo. Eu sabia que o venceria mesmo ele colocando um enorme esforço – e isso realmente o irritava!

Obviamente, o jeito dele funciona bem para ele, e ele levou isso muito além do seu pequeno grupo de engenheiros dedicados. Seb organiza jantares em equipe e coisas assim. Ele gosta de agradar para ser consciente de ter todos juntos para apoiá-lo. Não é de forma egoísta, mas sim uma forma inteligente e respeitosa para todos na equipe. Para você ter uma ideia, ele costumava enviar presentes de Natal. Na verdade, ele ainda me manda um cartão de Natal agora. Algumas dessas coisas me fazem pensar que não faço o suficiente – mas também acho que ele provavelmente faz um pouco demais.

AS - www.autoracing.com.br

Tags
, , , , , , , , , ,

ATENÇÃO: Comentários com textos ininteligíveis ou que faltem com respeito ao usuário não serão aprovados pelo moderador.