F1 – GP dos EUA é parte essencial do plano da Liberty para expansão da Formula 1

Torcida no GP dos EUA

A Formula 1 retorna a Austin, Texas neste fim de semana para o Grande Prêmio dos EUA, uma corrida com um significado simbólico crescente para as ambições do proprietário da F1, Liberty Media, para o esporte.

Uma pista emocionante projetada especificamente para a F1 pelo engenheiro alemão Hermann Tilke, é um dos cinco circuitos anti-horário no calendário e viu Mercedes, Ferrari e Red Bull conquistarem vitórias desde a primeira visita em 2012 – mesmo que Lewis Hamilton tenha vencido a maioria.

Tilke, que também projetou pistas na Malásia, Bahrain, China e a do Grande Prêmio do Vietnã do ano que vem, foi criticado em alguns setores por produzir circuitos chatos, mas este combina os melhores elementos do automobilismo, com alterações de relevo, curvaas de todos os tipos e muitas oportunidades de ultrapassagem.

Sua posição no calendário também resultou no título do campeonato de pilotos em mais de uma ocasião, com Hamilton adiando Nico Rosberg em 2015 para conquistar o título, enquanto no ano passado uma vitória de Kimi Raikkonen atrasou a quinta coroação do britânico.

Projeto da Liberty
No domingo, Hamilton terá a chance de selar seu sexto título, já que o campeonato pode terminar em mais um final de semana decisivo no Texas.

Mas talvez mais significativo para o projeto de Liberty para a F1 seja a proximidade do circuito com a cidade de Austin – lar de 1 milhão de pessoas, música ao vivo e cultura do sul dos EUA.

“O Texas para mim é sobre música ao vivo e, é claro, costelas de churrasco, além da diversão da corrida”, disse Daniel Ricciardo, da Renault, ao The Telegraph.

“A pista é muito legal; Eu realmente gosto de arriscar ultrapassagens nela. Existem muitas oportunidades. O lado social da cidade é muito divertido e eu gosto da música ao vivo, então Austin é um ótimo lugar para se estar.”

Os proprietários americanos da F1 estão tentando fazer nos fins de semana de corrida mais do que apenas corridas de automóveis, em uma tentativa de ampliar o apelo do esporte. E embora este não seja o único grande prêmio a ter uma variedade de entretenimento fora da pista, ele é considerado um dos melhores e este ano inclui performances ao vivo de artistas como Pink e Imagine Dragons.

Presenças maiores de público
Os números sugerem que o GP tem tido sucesso. A participação aumentou de 224.011 em 2015 para 263.160 no total ano passado. Em 2018, foi o quarto fim de semana de corrida mais assistido do ano, atrás apenas do GP da Grã-Bretanha, Austrália e México, com uma participação no dia da corrida de 111.580 pessoas.

Ainda ficou um pouco abaixo do pico total de 269.889 em 2016, mas os organizadores de corridas do Circuito das Américas esperam que a participação deste ano seja a maior de todos os tempos.

“Estamos no caminho para ter o maior comparecimento de qualquer corrida até agora – os assentos reservados já esgotaram em julho. Estamos pensando onde podemos construir novas arquibancadas para acomodar mais fãs”, disse o presidente do circuito, Bobby Epstein, em agosto.

Ele citou os documentários Drive to Survive, uma colaboração entre a Netflix e a F1, como um dos fatores que impulsionam a venda de ingressos, e essa crescente americanização do esporte provavelmente continuará enquanto a Liberty busca maneiras inovadoras de aumentar a receita.

E não são apenas os complementos atraentes ao estilo da NFL que a tornam mais americana, com a F1 anunciando este mês planos para introduzir uma corrida de rua em Miami no calendário a partir de 2021.

Expansão americana
A proposta levaria a pista ao redor do Hard Rock Stadium do Miami Dolphins, no centro da cidade, com uma previsão econômica afirmando que geraria um aumento de USD 400 milhões, cifra só possível nos EUA.

Há uma série de obstáculos a serem superados antes que uma segunda corrida nos EUA seja confirmada – supondo que Austin mantenha seu lugar no calendário – mas é outro sinal claro da determinação da Liberty em expandir a F1 em seu mercado nativo.

O chefe comercial Sean Bratches fala há muito tempo de seu desejo de realizar corridas em “cidades com apelo turístico” nos EUA.

Com uma provável participação recorde em perspectiva em seu último retorno, parece que a América do Norte está pronta para um papel cada vez mais importante no futuro da F1.

Clique AQUI para apostar no GP dos EUA

AS - www.autoracing.com.br

Tags
, , , , , , , , , , ,

ATENÇÃO: Comentários com textos ininteligíveis ou que faltem com respeito ao usuário não serão aprovados pelo moderador.