F1 – Entrevista com o Dude da Mercedes

Hamilton e staff comemoram em Interlagos 2018

Por: Adauto Silva

Para quem acessa o Autoracing há pouco tempo, preciso apresentar o Dude.

O Dude é um cara que trabalha na equipe Mercedes de F1. Começou como mecânico na McLaren em 2005 vindo da F3 inglesa. Trabalhou diretamente no carro de Juan Pablo Montoya, depois no de Fernando Alonso, Heikki Kovalainen e finalmente no de Lewis Hamilton.

No final de 2012, quando a Mercedes contratou Hamilton, ele saiu da McLaren junto com mais oito pessoas e foi trabalhar para os alemães. Nos dois primeiros anos ele trabalhou com Hamilton, mas depois foi promovido para um cargo mais de supervisão, digamos assim.

Ele continua na equipe Mercedes, mas até hoje não sabe se foi Hamilton quem o indicou, ou se foi uma coincidência.

É lógico que o nome dele não é Dude. Esse é apenas um pseudônimo que inventei para proteger minha fonte e nossa amizade, que começou cerca de 10 anos atrás num evento da McLaren em Interlagos antes do GP do Brasil daquele ano.

Eu: Bom, tô gravando…
Dude: Mas já?
Eu: Não é o que tínhamos combinado?
Dude: Mas você não vai colocar a gravação, senão terei que te matar depois!
Eu: Kkkkk… lógico que não, vou escrever tudo.
Dude: Depois joga a gravação fora, certo?
Eu: Lógico, foi isso que combinamos, fica tranquilo!
Dude: Ok, então manda.
Eu: Me conta qual foi a maior dificuldade que a equipe teve no ano.
Dude: Várias, mas duas se destacaram. Os pneus deram dor de cabeça o ano inteiro!
Eu: Mas eles não estavam mais duráveis?
Dude: Por isso mesmo!
Eu: Como assim?
Dude: Estavam mais duráveis, mas em quase todas as pistas era difícil saber se seríamos mais rápidos com uma ou duas paradas. A diferença total era muito pequena entre fazer uma parada e andar mais devagar ou duas paradas e andar mais rápido.
Eu: Por causa do tempo de parada?
Dude: Exato.
Eu: A Ferrari e a Red Bull teoricamente deviam ter o mesmo problema.
Dude: O nosso era sempre muito pior.
Eu: Por causa da suspensão?
Dude: Sim, mas não só por isso. Nossa aero também ajudava os pneus traseiros a esquentarem mais do que deviam.
Eu: Mas e o monte de atualizações que vocês fizeram?
Dude: Era mais uma adaptação gigante para cada pista, mas sem mudar o conceito.
Eu: Ahhhhh… entendi!
Eu: Aquela roda traseira cheia de furos parece ter funcionado bem!
Dude: Foi o que melhor funcionou, mas o medo de um protesto dos Vermelhos e dos Touros ficava pairando no ar e o Lobo fica inquieto com esse tipo de coisa.
Eu: Mas os fiscais da FIA disseram que era legal!
Dude: Eu tenho certeza que é legal, mas um protesto não é decidido por eles, e sim pelo Conselho Mundial, que é mais político do que técnico.
Eu: E os vermelhos tem força lá…
Dude: Muita força!!
Eu: Vai estar no carro de 2019?
Dude: Olha o que combinamos!
Eu: Beleza, sem falar do carro novo então…
Dude: Até porque sei pouco sobre o carro novo. Volto a trabalhar em 2 de janeiro.
Eu: Ótimo, dia 3 você me conta tudo!
Dude: Claro. E aí você morre repentinamente. (risos)
Eu: Mas algumas coisas você já sabe!
Dude: Sim, mas não posso falar… Não adianta, Adawtow!!
Eu: Tá bom, mas não me culpe por tentar! E qual foi o outro item problemático?
Dude: O motor dos Vermelhos quando estava com as duas baterias. Não havia quase nada que pudéssemos fazer!
Eu: A diferença era muita, né…
Dude: Cerca de 25 hp
Eu: Nossa, você tinha me dito que eram 15!
Dude: Na primeira vez que usaram, mas depois eles melhoraram o software e chegou a 25!
Eu: Vocês nem pensaram em fazer a mesma coisa?
Dude: Não porque aquilo é sabidamente ilegal. Pra mim foi um absurdo eles poderem usar duas baterias por tantas corridas!
Eu: E vocês reclamaram, eu lembro!
Dude: O Niki fez muita falta nisso.
Eu: Mesmo?
Dude: Sim, ele é muito bom nessas coisas, conhece as pessoas certas pra fazer pressão, tanto na FIA quanto na imprensa. E ele fala mesmo, esperneia se necessário!
Eu: E o Toto?
Dude: O Lobo é sensacional internamente, lida muito bem com todas as pessoas e aprendeu a parte técnica assustadoramente rápido. Mas fora da equipe o Niki é foda. Eles formam uma dupla das melhores!
Eu: Falando em dupla, e o Valtteri?
Dude: O Finn é ótimo piloto, pode acreditar!
Eu: Mas ficou bem para trás esse ano.
Dude: Teve alguns azares e o carro não ajudou nada. Deveria ter vencido em Baku e em Sochi e então ninguém estaria falando nada.
Eu: Em Baku era do Vettel e ele errou!
Dude: Mas quem estava lá para aproveitar o erro era o Valtteri.
Eu: Isso é verdade. Mas e no resto das corridas?
Dude: Em Sochi tínhamos que garantir a temporada. E algumas ele foi mal porque o carro estava extremamente difícil de guiar rápido sem destruir os pneus traseiros.
Eu: Mas o Hamilton…
Dude: Não dá para comparar nenhum piloto do grid com o Hamilton atual. O homem está guiando demais, maduro demais, focado demais. O fino.
Eu: Nem Alonso e Verstappen?
Dude: Verstappen é muito rápido, mas guia o carro mais dócil do grid. Fernando (Alonso) é completo demais, mas você sabe, tantos anos guiando carros ruins deve ter tirado aquela sensibilidade final dele.
Eu: Você está falando dos centésimos?
Dude: No nosso carro deste ano, em muitos casos até dos décimos.
Eu: Sério? Mas você o considerava um gênio!
Dude: Ainda considero, olha o que ele fez com o Stoffel (Vandoorne), que era um piloto excepcional!
Eu: Era ??
Dude: Fernando destruiu a confiança dele e ele foi demitido antes de ter chance de se recuperar.
Eu: Então o Alonso ainda está em forma!
Dude: Só vendo contra “o homem” pra saber! Mas neste ano “o homem” não teria perdido para ninguém!
Eu: O “homem” é o piloto mais rápido que você já viu?
Dude: Em termos de velocidade pura, ele e depois o Juan Pablo (Montoya). Mas o colombiano precisava estar bravo para ser ultra rápido. Quanto mais bravo ele estava, mais rápido ele era!
Eu: Montoya era bravo por natureza…
Dude: Mas tinha dias que ele estava pior.
Eu: Era bom trabalhar com ele?
Dude: Eu era novato, tudo era bom, estar na F1 era um sonho. Mas trabalhar para um piloto rápido como ele, Alonso e Hamilton é sempre um grande bônus. Você se sente mais importante, as pessoas todas parecem te olhar com uma mistura de admiração e inveja.
Eu: Pena que ele saiu muito rápido da F1. Merecia um título!
Dude: Montoya não levava desaforo e na F1 todos tem que engolir sapo às vezes.
Eu: E o Ocon?
Dude: O que tem ele?
Eu: Alguns dizem que ele devia pegar o assento do Valtteri.
Dude: Eu discordo. As pessoas pensam que F1 é chegar, sentar e acelerar. Não é. É muito mais que isso.
Eu: Explica isso melhor…
Dude: F1 é muito complexa, há muita pressão, precisa ter uma mente muito forte, saber lidar com pressões diferentes do que quase qualquer um passou em outros trabalhos. Quanto mais acima você está na hierarquia mais pressão você sofre. Os pilotos tem habilidades parecidas. Ocon não é mais rápido que o Finn, pelo menos no simulador. Mas o Finn trabalha muito bem, muito parecido com o Nico (Rosberg) e com a vantagem de se dar bem com o Lewis.
Eu: Lewis ganhou a equipe pra ele!
Dude: Claro. Ele entrega sempre, entrega em qualquer situação e nunca reclama, a menos que alguma coisa quebre no carro.
Eu: Por que ele e o Nico, que eram amigos, tornaram-se inimigos?
Dude: No começo quando nós chegamos eles pareciam muito amigos. Com o tempo o Nico foi vendo que seria difícil ganhar dele e começou a fazer alguma política na equipe. Isso foi o começo do afastamento.
Eu: Tem alguma coisa que a gente não sabe aí…
Dude: Muitas.
Eu: Por exemplo?
Dude: Por exemplo o Nico começou a falar em alemão com o Lobo, com o Niki e com alguns alemães que trabalham na equipe. E isso não pode, a língua oficial na equipe é o inglês, apesar de ter gente de mais de uma dúzia de nacionalidades trabalhando lá.
Eu: E?
Dude: Não pode. A filosofia do Lobo é que na equipe tudo é aberto para os dois pilotos, inclusive o acerto do carro, simulador, tudo que você possa imaginar. Mas se um deles começa a falar uma língua que não é a oficial da equipe, o outro começa a ficar no vácuo em vários assuntos importantes da equipe e do carro. O Nico falava com o Niki, apontava para o carro e dava risada. O Lewis começou a ficar muito bravo com isso.
Eu: Mas ele não reclamou?
Dude: Lembra daquela corrida em Spa que o Nico furou o pneu do Lewis quando estava sendo ultrapassado?
Eu: Lógico, mas não achei proposital.
Dude: Ninguém tem certeza até hoje, mas o Lewis ficou louco. Disse um monte de coisas para o Lobo, incluindo os dois conversarem em alemão às vezes.
Eu: E o Toto?
Dude: Acalmou o Lewis e prometeu que não falaria mais uma palavra em alemão lá dentro. E cumpriu a promessa.
Eu: Voltando ao Verstappen…
Dude: Você não se conforma, não é?
Eu: Não!
Dude: Ele é muito rápido, mas não conheço sua capacidade de adaptação a um carro difícil, arisco, uma equipe que não fique passando a mão na sua cabeça sempre.
Eu: Sei lá, eu o acho um tremendo piloto, o próximo que vai dominar a F1.
Dude: Pode ser, eu não disse que não. Lembra o alemão naqueles quatro anos (Vettel de 2010 a 2013)?
Eu: Lógico, ele parecia melhor do que hoje.
Dude: Claro, por isso às vezes tem que esperar para ver. Mas concordo que ele parece ter tudo que é preciso.
Eu: Bom, vamos falar um pouco sobre 2019 em geral.
Dude: Ainda não encontrei aquela bola de cristal (risos)
Eu: Vai ficar mais fácil ultrapassar?
Dude: Nós achamos que vai. Mas os carros terão menos downforce e serão mais lentos no começo, esse é o preço.
Eu: Se melhorar as disputas esse preço tá barato!
Dude: Barato só se nós ganharmos de novo!
Eu: Vocês vão ganhar de novo?
Dude: Trabalhamos somente para isso, mas os outros também. Não sabemos se alguém virá com alguma coisa diferente pra detonar…
Eu: Será?
Dude: Quem sabe? Mas é quando tem essas mudanças que as chances disso acontecer aumentam.
Eu: É verdade, na aero tivemos o difusor duplo da Brawn em 2009 e depois os difusores soprado e o soprado a quente da Red Bull naqueles quatro anos.
Dude: E depois tivemos nós com o motor híbrido de 2014 a 2016.
Eu: Esse motor híbrido ainda tem muito a melhorar?
Dude: Até onde eu sei tem, mas muito pouco no motor a combustão.
Eu: No turbo também…
Dude: Sim, MGU-H, no armazenamento e na implantação da potência tem bastante ainda. Mas nem tudo depende de nós Mercedes.
Eu: Como?
Dude: Fornecedores e parceiros precisam desenvolver junto conosco peças melhores, principalmente baterias. Isso tudo melhorará para todos ano que vem, mas é a rapidez no desenvolvimento que pode fazer a diferença.
Eu: Acredita que Renault e Honda chegarão mais perto?
Dude: Difícil dizer. O que dizem é que a Renault precisa de um orçamento maior. E parece que vão ter. O Aussie (Ricciardo) não é nem um pouco barato!
Eu: E a Honda?
Dude: É um mistério. Na teoria eles estão bem atrás, mas a confiança que os Touros estão demonstrando é algo que levanta as sobrancelhas de todo mundo.
Eu: Falando nisso, como vai o Dude 2 lá na Red Bull?
Dude: Certamente arrependido!
Eu: Você acha?
Dude: Claro! Ele foi por um punhado de dólares a mais. No fim ganhou menos (Mercedes teve bônus de campeã) e ainda teve que aguentar uns tipos nada amistosos que você já sabe quem são!
Eu: Kkkkkkk… Mister Simpatia e sua turma!!
Dude: Eles mesmos, kkkkkk

Adauto Silva
Leia e comente outras colunas do Adauto Silva

AS - www.autoracing.com.br

ATENÇÃO: Comentários com textos ininteligíveis ou que faltem com respeito ao usuário não serão aprovados pelo moderador.