Caterham: Está mais difícil marcar pontos na F1

Caterham F1

O chefe da Caterham Cyril Abiteboul reconhece que marcar pontos na Formula 1 ficou mais difícil do que nunca porque, segundo ele, agora os carros são mais fáceis de pilotar.

A equipe de Abiteboul e a Marussia, que começaram a competir em 2010, não conseguiram pontuar em nenhuma de suas quatro temporadas na F1 até agora.

Nas estatísticas da F1, estas duas equipes compartilham o recorde de maior número de largadas sem marcar um ponto sequer nos campeonatos.

Apesar da pontuação ter sido ampliada, inicialmente de seis para os oito primeiros classificados e em seguida, premiando os dez primeiros durante a última década, a média de pontuação não melhorou muito com estas mudanças.

“Honestamente, a confiabilidade é algo louco”, Abiteboul. “Há alguns anos atrás, você sabia que apenas pela confiabilidade que alguns carros não iriam terminar”.

Ele acredita que mudanças tanto em circuitos quanto em carros tornaram muito menos prováveis que erros de pilotagem provoquem um abandono.

“Também existe algo que não falamos muito: os novos circuitos”, acrescentou Abiteboul. “Os pilotos de hoje podem escapar da pista e retornar, mesmo se houver um incidente na primeira curva, os pilotos sairão do trajeto, passam pelo problema e voltam à corrida sem perder posição nenhuma.”

“Eu não sou um piloto, mas eu acredito que os carros também estão mais fáceis de pilotar. Os pilotos são capazes de dirigir seus carros no limite, andam muito próximos uns dos outros e ainda conseguem lidar com o carro corretamente, corrigindo seus erros muito facilmente”.

“Não há nenhuma perda se andar um pouco além do limite. Eu não acredito necessariamente que os pilotos se tornaram muito melhores do que eram há 10 anos, é apenas a combinação de pista, carros e todos os sistemas dinâmicos”.

Abiteboul disse o piloto Giedo van der Garde foi capaz de reduzir drasticamente seus erros quando a Caterham introduziu um sistema de suspensão mais favorável ao piloto.

“Podemos ver o quanto o carro melhorou e o quanto ficou mais fácil de pilotar, e isso é um dos motivos que tem beneficiado Giedo”, disse ele.

“Vimos como ele sofria no início da temporada, e também vemos como tem melhorado como piloto. Em geral, ele melhorou, mas a introdução de alguns novos sistemas podem mudar totalmente o desempenho de um piloto de água para vinho”.

“Tudo isso significa que todos estão, no geral, muito mais confiáveis. Normalmente, as corridas começam com 22 carros e terminam com quase com o mesmo número”.

IB - www.autoracing.com.br

Tags
, , , , ,

ATENÇÃO: Comentários com textos ininteligíveis ou que faltem com respeito ao usuário não serão aprovados pelo moderador.