A incrível primeira vitória de Ayrton Senna na F1 28/04/04)

Ayrton Senna

Em 1985, Ayrton Senna realizava a sua segunda temporada de Fórmula 1 e competia pela lendária equipe Lotus, que na época contava com os motores Renault para impulsionar os seus carros. Esta combinação foi fundamental para que Ayrton obtivesse a primeira das 41 vitórias de sua fantástica carreira.

O Grande Prêmio de Portugal de 1985 será sempre lembrado como um dos momentos mais brilhantes da carreira do brasileiro Ayrton Senna. Naquela corrida, sob condições de tempo dramáticas, Ayrton conduziu seu Lotus de motor Renault a uma vitória histórica. Seria também a primeira conquista de um GP da carreira de Senna, que viria a somar 41 primeiros lugares – quatro deles obtidos com motores Renault. Naquele dia em Portugal, com apoio da fábrica francesa, o brasileiro confirmava sua condição de futura grande estrela da constelação da Fórmula 1.

A vitória foi especial para Senna e para a Renault, assim como para a equipe Lotus, não apenas pelo fato esportivo em si. Mas especialmente pelas condições de dificuldade extrema com que foi obtida. A chuva foi muito forte e variou de intensidade, modificando de forma constante as condições do asfalto. Isso dificultou o estabelecimento de qualquer estratégia de corrida, além de complicar a percepção do nível de aderência da pista à frente.

Senna na Lotus – Renault

Mas não fosse um problema em um pneu, o resultado seria ainda mais positivo para a Lotus/Renault: o italiano Elio de Angelis, parceiro de Ayrton na equipe, ocupou a vice-liderança da prova até que o problema lhe tirou as chances de lutar pelo segundo degrau do pódio. Este fato sublinha a boa condição da combinação Lotus/Renault nas condições adversas daquela corrida. Mas foi Ayrton quem soube extrair o máximo deste potencial.

Senna dominou os treinos e cravou a pole position. Este fato, porém, não fazia prever uma prova tranqüila – como ficou provado mais tarde. Ayrton largou bem e manteve a dianteira. O Lotus/Renault respondia positivamente tanto nas retas quando nas curvas. Mas o brasileiro confessou que, devido à quantidade de água que caía insistentemente, ele limitou-se a acelerar somente quando o carro já estava em linha reta (depois da saída da curva) e totalmente equilibrado.

Além disso, para evitar patinagem, ele engatava uma marcha imediatamente inferior à que seria usada em condições normais, caracterizando uma pilotagem muito mais cuidadosa do que se poderia esperar. “O principal problema desta corrida foi a constante mudança das condições da pista, por causa das variações da quantidade de chuva”, comentou o próprio Senna, após a prova. “As condições de pilotagem eram muito piores que as de Mônaco. Esta corrida deveria ter sido interrompida”, completou o brasileiro, referindo-se ao GP de Mônaco de 1984, também sob forte chuva, que foi interrompido quando Ayrton se preparava para ultrapassar o McLaren de Alain Prost e, assim, tomar a liderança. Ao volante de um Toleman, naquela ocasião Senna já revelava à F1 seu enorme controle sobre o carro em piso molhado. Mas seria apenas um ano depois, em Portugal e com o Lotus/Renault, que este potencial se transformaria na primeira vitória.

A. Senna e P. Tambay

Mesmo adaptando sua condução às condições da pista portuguesa, Senna ainda era capaz de empregar um nível de agressividade que obtinha resultados fantásticos: no início da prova, o brasileiro abriu 1,5 segundo por volta em relação a seus adversários – um ritmo que deixava clara a força da combinação homem-máquina que liderava a etapa de Portugal. Além disso, sua melhor volta naquela corrida (1min44s121) foi 0s743 mais veloz que segunda volta mais rápida, realizada por Michele Alboreto (equipe Ferrari) – outra diferença substancial em termos de carros de ponta na Fórmula 1.

Ao final da prova, o Lotus/Renault de Ayrton Senna havia dado uma volta de vantagem em todos os concorrentes, menos em Michele Alboreto, segundo colocado, que cruzou a linha de chegada a 1min02s978 – uma eternidade para os padrões da Fórmula 1.

Confira todas as vitórias de Senna na F1

Vitória Ano Grande Prêmio Equipe
1 1985 Portugal Lotus/Renault
2 1985 Bélgica Lotus/Renault
3 1986 Espanha Lotus/Renault
4 1986 EUA Lotus/Renault
5 1987 Mônaco Lotus
6 1987 EUA Lotus
7 1988 San Marino McLaren
8 1988 Canadá McLaren
9 1988 EUA McLaren
10 1988 Inglaterra McLaren
11 1988 Alemanha McLaren
12 1988 Hungria McLaren
13 1988 Bélgica McLaren
14 1988 Japão McLaren
15 1989 San Marino McLaren
16 1989 Mônaco McLaren
17 1989 México McLaren
18 1989 Alemanha McLaren
19 1989 Bélgica McLaren
20 1989 Espanha McLaren
21 1990 EUA McLaren
22 1990 Mônaco McLaren
23 1990 Canadá McLaren
24 1990 Alemanha McLaren
25 1990 Bélgica McLaren
26 1990 Itália McLaren
27 1991 EUA McLaren
28 1991 Brasil McLaren
29 1991 San Marino McLaren
30 1991 Mônaco McLaren
31 1991 Hungria McLaren
32 1991 Bélgica McLaren
33 1991 Austrália McLaren
34 1992 Mônaco McLaren
35 1992 Hungria McLaren
36 1992 Itália McLaren
37 1993 Brasil McLaren
38 1993 Europa McLaren
39 1993 Mônaco McLaren
40 1993 Japão McLaren
41 1993 Austrália McLaren

ATENÇÃO: Comentários com textos ininteligíveis ou que faltem com respeito ao usuário não serão aprovados pelo moderador.